Avançar para o conteúdo principal

Já é tarde demais?

The Sack of Rome by the Visigoths, by J-N Sylvestre, 1890.
A visita de Trump à Europa dissipou todas as dúvidas. Se a peça de teatro que montou na NATO já tinha sido esclarecedora (atirando contra a Alemanha, dizendo que depende da Rússia, e pedindo aos aliados que paguem 4% do orçamento para a defesa), o que fez no Reino Unido foi pior. Como escrevia Jonathan Freedland aqui, o que se passou em Londres é uma imagem do que será o Reino Unido sozinho no pós-Brexit: uma presa fácil e manipulável dos Estados Unidos, o depósito de lixo da Rússia, que para lá atirou venenos velhos, coisa como nem na Guerra Fria se podia imaginar. A senhora May não podia ter descido mais baixo; ter-se-ia facilmente salvo com uma resposta em directo; mas ela nunca representou nada senão ela própria e a estirpe do mais básico sentido de casta do Partido Conservador, que ela mais defende por não ter nascido nele.
Trump é um elefante numa loja de porcelanas consciente: ele visita os lugares para os assassinar simbolicamente. A acção de Putin faz o resto, pagando a populistas, mexendo cordelinhos na internet.

Tudo isto seria apenas muito perturbador apenas se não tivesse sido a frase final. Ao sair do Reino Unido para ir encontrar Putin, Trump disse que a "União Europeia é um inimigo"; não apenas um inimigo, mas "o pior inimigo".
A conferência de imprensa depois da reunião com Putin, em Helsínquia, foi reveladora: Trump disse que confia tanto nos seus serviços secretos quanto no que Putin lhe diz. Isto quando lhe perguntaram: "Em quem acredita?", em relação à manipulação das eleições.

O problema já não é depor Trump. Por cinco motivos, já é tarde demais.
1. Trump não repete nada novo (coitado, se pudesse!); os americanos há muito que defendem um aumento nos orçamentos da defesa por parte dos aliados da NATO. Robert Gates, o ex-Secretário da Defesa dos EUA, disse-o na sua última reunião da NATO em 2011. Nenhum novo presidente americano, o Senado ou mesmo os cidadãos, por mais defensores da ordem mundial que possam ser, vão deixar a ideia cair, quer a trabalhem mais ou menos activamente. Se a Europa quer ser protegida da Rússia, terá de pagar mais - esta é a ideia infiltrada. A máquina da extorsão está montada. 
Esquecem-se os Estados Unidos que este conceito de mundo e de Europa que temos foi criada por eles e tornou-os na maior potência mundial. Mas a História é a primeira coisa a ser destruída pelos populistas. O que Trump quer é a lei do Oeste, onde só há inimigos. E um mundo sem laços nem objectivos que não o lucro imediato. O mundo é o faroeste.

2. A base de apoio de Trump seguirá mesmo alguém que cumpra apenas metade do seu programa. Ele não faz nada, ele apenas segue o programa que gritou (e grita, nos seus comícios permanentes) às massas. A internet e as redes sociais fixam esse público cada vez mais e melhor, são "câmaras de eco" para isso. A cultura actual onde não se lê, não se discute, se ouve o eco do mesmo em mundo fechado faz com que cada um viva no seu mundo odiando o outro. Esperam-nos longos anos onde as ideias de Trump (que são de Putin, que são do lado mais conservador da América) vão ser lei. Elas estão cá fora e agora é impossível tirá-las do discurso.

3. A ideia de que a União Europeia é um inimigo rico e injusto acaba de nos cercar. Temos o Reino Unido a sair, e com o Brexit, por melhor ou pior acordo para ambas as partes, vai ser repetida vezes sem conta. Temos a China a querer uma parceria comercial que nunca poderemos aceitar, porque é um abraço de morte. Temos os Estados Unidos a combater-nos em todos os sentidos. E temos a União Europeia a colapsar por dentro devido ao populismo, que Putin e Trump aguçam. A Itália vai ser a primeira a tremer. Os países da esfera da ex-URSS os seguintes. Vamos ficar menos, talvez até poucos. O espectro é que a União Europeia acabe ou fique reduzida a um punhado de países, ou entrem novos (como a Noruega). E que se não formos atacados por um exército russo a invadir um país báltico, seremos certamente atacados todos os dias virtualmente, simbolicamente. A "fortaleza Europa", ideia fechada que a União Europeia procurava combater, poderá tornar-se uma realidade para se defender. 

4. Putin já conseguiu interferir em dois eventos eleitorais da maior gravidade: o Brexit e as eleições presidenciais dos EUA. Já conseguiu fazer o pior: pôr em causa a confiança na democracia. E isso é ainda pior quando instala populistas no poder.

5. Porque na Europa somos democracias, porque aceitamos a diferença, porque votamos nos nossos representantes, vamos sofrer. Estamos rodeados de autocratas por todos os lados. O modelo das democracias ocidentais está a ser atacado. O impensável - que a maior democracia do mundo se transformasse numa ditadura simbólica - aconteceu. China, Rússia e Estados Unidos, autocratas, e a União Europeia sozinha. Lentamente, um a um, das eleições manipuladas pelos "bots" russos, aos valores que defendemos, tudo vai ser atacado. E estamos a sê-lo por isso mesmo: porque somos democracias.

O que podemos fazer? Muito. Tudo: resistir. E resistir é lutar pelos nossos direitos a cada instante. E perceber que ficámos acomodados num conforto decadente que tem de acabar nas nossas vidas já. É não deixar que a conversa com os amigos ou a família caia nas banalidades, mas que fale de frente dos valores invertidos, das ideias que se metem entre o pensamento e o discurso e matam o nosso mundo. Sobre isso falaremos em Setembro. É possível e é urgente resistir.

Boas férias, se conseguir. Aproveite um dos últimos verões de paz que teremos. De paz relativa, porque o mundo que conhecemos desmantela-se simbolicamente à nossa volta.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

O que é o progresso?, parte I

Vivemos melhor do que há cem anos? Do que há cinquenta, do que há vinte?
A resposta pode ser mensurável de diversos ângulos: se temos mais conforto físico, com casas mais confortáveis e tecnologia que nos ajuda a criar bem-estar, e tecnologia que nos ajuda a poupar tempo no dia-a-dia. Se temos transportes rápidos que nos permitem gozar melhor o tempo e aproveitá-lo completamente. Se debelámos doenças, e se temos um sistema de saúde que permite enfrentá-las melhor e com mais protecção. Penso que ninguém se oporia que nos últimos cinquenta, vinte, dez anos, temos melhorado neste aspecto. Que atingimos progresso. Mas depois se formos olhar o que pode ser viver melhor, o que é progresso, em outros ângulos, a resposta pode não ser a mesma. Temos mais progresso social no mundo? Um filho de um homem desempregado, analfabeto, que vive numa casa de zinco nos arrabaldes de Nairobi, da Cidade do México ou de Kuala Lumpur, ou até de Boston ou Londres, tem possibilidades de fazer um curso univers…

Diariamente, I: Pelo Diário I de Torga

Talvez venha do meu passado religioso, da vertigem de ser um anotador interior. Certo é que sempre gostei de Diários, embora tenha sempre sido um leitor irregular deles. O que na verdade, me parece ser o que um leitor ideal de Diários deve ser: acompanhar o ritmo dos dias, que não é o do calendário do tempo, mas o do destempo interior. Num tempo cada vez mais cronometrado pelos telemóveis, em que o tempo virtual dos outros, o presente imediato das máquinas corta toda a respiração interior, um Diário devolve à raiz: ensina a aprofundar, devolve o ar aos pulmões da alma.
Tenho diaristas que prefiro a quaisquer outros; no topo da lista está sempre Julien Green; li aos 20 anos o seu último Diário, En avant par-dessous les tombes, e volto a Green sempre que perco a noção da paragem para escrever. A que o Diário I de Torga regressa:  "Aqui na minha frente a folha branca do papel, à espera; dentro de mim esta angústia, à espera; e nada escrevo. A vida não é para se escrever." (7 de …

Uma manhã nunca, VII: King's Cross

Acordo com um ruído de pássaros e um cheiro a verde. Parece que estou numa floresta. É a terceira cidade em três dias. Demoro um pouco a perceber onde estou, sinto a falta das gatas imediatamente, a saudar-me assim que acordo. Vejo a mala à minha frente, o saco da "Foyles" ao lado. Estou em Londres, mais particularmente em Eltham. Tenho de acordar cedo para ir para a British Library. A lembrança de manuscritos, de descobertas antiquíssimas tornadas absolutamente novas desperta-me num salto. A janela da casa de banho dá para o verde diverso e inteiro lá fora. Uma aranha enorme entrou pela janela aberta e faz teias de aranha vitorianas. A família dorme nos quartos ao lado. Saio repentino para o frio de Janeiro, líquido e líquen, manso. Atravesso o jardim diverso e esbracejante, e saio para o relvado onde cresce um enorme carvalho centenário. Ouço um ruído nos caixotes do lixo. Vejo uma cauda: um texugo, parece-me, ou um cão? Passo ao lado, e é só no fim da rua que compreendo:…

Domingo absoluto

O impossível aconteceu: um homem ressuscitou.
Este dia quebrou o tempo ao meio: as rodas da engrenagem do tempo foram partidas pelo corpo de um homem, morto como um culpado, ressuscitado na sua natureza total de filho de Deus.
Não apenas voltou à vida, mas cumpriu um desejo antigo, inscrito no sangue de dezenas de gerações errantes: o filho de Deus veio à Terra, entregou-se à morte e trouxe a eternidade.
Nunca mais um minuto cego; nunca mais um céu vazio; jamais um percurso de vida que não possa esperar o sentido e a luz.
Todos os recomeços são possíveis - assim o grita para sempre este dia.