Avançar para o conteúdo principal

Uma manhã nunca, VII: King's Cross

Acordo com um ruído de pássaros e um cheiro a verde. Parece que estou numa floresta. É a terceira cidade em três dias. Demoro um pouco a perceber onde estou, sinto a falta das gatas imediatamente, a saudar-me assim que acordo. Vejo a mala à minha frente, o saco da "Foyles" ao lado. Estou em Londres, mais particularmente em Eltham. Tenho de acordar cedo para ir para a British Library. A lembrança de manuscritos, de descobertas antiquíssimas tornadas absolutamente novas desperta-me num salto. A janela da casa de banho dá para o verde diverso e inteiro lá fora. Uma aranha enorme entrou pela janela aberta e faz teias de aranha vitorianas.
A família dorme nos quartos ao lado. Saio repentino para o frio de Janeiro, líquido e líquen, manso. Atravesso o jardim diverso e esbracejante, e saio para o relvado onde cresce um enorme carvalho centenário. Ouço um ruído nos caixotes do lixo. Vejo uma cauda: um texugo, parece-me, ou um cão? Passo ao lado, e é só no fim da rua que compreendo: era uma raposa.
Corro para o comboio. À esquerda um jardim inglês, povoado de esquilos e de sítios para ler, com o nome da escritora infantil Edith Nesbitt, que era daqui. Ao fundo o "Tudor Barn". Tenho dez minutos a mais, não me interessa a plataforma cinzenta e fria, e subo até ao palácio que Henrique VIII construiu aqui. Só um minuto de verde e pedras sábias para começar bem, ofereço-me. Só consigo ouvir as variações de Vaughan Williams a partir de "Greensleeves".
Um salto de volta para o comboio, que vai apinhado até King's Cross. Os comboios são velhos, as pessoas parecem tristes, mas estão bem vestidas e animadas. Somos uma massa única a sair do comboio e a entrar no metro. São poucas paragens, mas faz um calor tremendo e nunca ouvi um metro tão barulhento na vida. O dia começa, sou um cidadão de Londres emprestado a caminho de documentos de outras latitudes, outros séculos, numa biblioteca, por definição o lugar fora do espaço e do tempo.
Sorrio enquanto saio do metro para a chuva mais insistente que a belga. Estou em King's Cross, lembro-me do palácio de Eltham de novo. Terá o rei atravessado aqui para ir para lá, vice-versa? Nesta manhã estou feliz: sou um português que reside na Bélgica que vai a Inglaterra procurar documentos escritos em Alemão, Francês e Latim. Que mais pode desejar um cidadão do mundo? Que dia real, divirto-me, enquanto atravesso a porta e entro no rio mais firme do tempo, a História.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

O que é o progresso?, parte I

Vivemos melhor do que há cem anos? Do que há cinquenta, do que há vinte?
A resposta pode ser mensurável de diversos ângulos: se temos mais conforto físico, com casas mais confortáveis e tecnologia que nos ajuda a criar bem-estar, e tecnologia que nos ajuda a poupar tempo no dia-a-dia. Se temos transportes rápidos que nos permitem gozar melhor o tempo e aproveitá-lo completamente. Se debelámos doenças, e se temos um sistema de saúde que permite enfrentá-las melhor e com mais protecção. Penso que ninguém se oporia que nos últimos cinquenta, vinte, dez anos, temos melhorado neste aspecto. Que atingimos progresso. Mas depois se formos olhar o que pode ser viver melhor, o que é progresso, em outros ângulos, a resposta pode não ser a mesma. Temos mais progresso social no mundo? Um filho de um homem desempregado, analfabeto, que vive numa casa de zinco nos arrabaldes de Nairobi, da Cidade do México ou de Kuala Lumpur, ou até de Boston ou Londres, tem possibilidades de fazer um curso univers…