Avançar para o conteúdo principal

Brexit Blues, II: a educação de Theresa May

Fonte: https://dangerousglobe.com

Um dos problemas na actual situação do "Brexit" é Theresa May.
É uma somatório negativo: é o mínimo denominador de um partido que está mais do que partido; some-se a isto o facto de o seu sentido de dever a fazer não querer sair do seu posto pelo seu próprio pé; junte-se ainda o facto de ninguém querer o seu lugar  enquanto decorrem negociações cujo resultado nunca agradará a ninguém.
O governo claramente não tem um plano de saída, não tem ideias, e está paralisado por causa do Brexit.
Depois do referendo, a sua ideia (principal?, única?) era criar uma estratégia de negociação forte com a UE; depois, perante o vazio de ideias, o argumento foi sempre não revelar a estratégia para que os "adversários" (isto é, os outros membros da UE, de que ainda fazia parte) não conhecessem as suas armas. A seguir, eleições antecipadas para ir numa posição de força, que lhe retirou a maioria. E por fim, empurrar com a barriga ao ponto de ter pedido quase por favor que os colegas europeus (leia-se, aqueles que acha serem os seus adversários) permitissem a passagem à segunda fase das negociações - quando na verdade, a nenhum consenso se chegou para além dos cidadãos britânicos na UE e dos da UE no Reino Unido.
Não ser líder é o seu principal problema. May não tem uma vontade, uma visão: se tivesse, teria de a propor, e se fosse rejeitada, clarificaria a situação. Os negociadores europeus queixam-se privada e publicamente que não fazem nenhuma ideia do que pretende. Mas ela sente que está a fazer o que lhe é pedido: "carry on".

Uma chave para perceber isto é a sua educação.
Filha de um pastor como Merkel, acabou por não conseguir sair da educação que recebeu. Foi educada no cumprimento rigoroso do dever, em fazer o que lhe é pedido com firmeza, em servir acima de tudo. A mulher manipuladora que fez tudo para chegar a primeira-ministra (dizem vários) talvez na verdade pensasse que faria um melhor trabalho e servisse todos (não é difícil ser melhor que Cameron, na verdade).  
Vejo Theresa May e penso que se lê claramente nela os piores efeitos de uma educação religiosa: o ter de se mostrar sempre segura e decidida, sobretudo num assunto em que não faz a menor ideia de como sair; e com um partido que afia facas literalmente nas suas costas, dirigindo um governo de acordo parlamentar que saiu de uma asneira sua. O seu sentido de responsabilidade junta-se à sua culpa, e entram em choque - e assim o robot May, o "Maybot" como inventou John Crace, entra em colisão. Não deixa de ser uma piada cósmica que alguém com este perfil e este conflito seja a primeira-ministra escolhida para enfrentar uma situação destas; é como a última vitoriana a enfrentar o fim do mundo de que a rainha Vitoria foi o expoente; uma peça de museu viva a gerir uma catástrofe.
Escrevo isto sem ter nada contra uma educação religiosa - tive uma, sou religioso. A questão não é a educação, é como alguém se re-educa depois dela; a educação recebida é só metade; a outra é feita por cada um. May não percebeu isso. E numa situação de drama pessoal, o universo está claramente a dizer-lhe que deveria reinventar-se a si própria.
Parece que Álvaro de Campos - escocês de formação - já pensava nela. Se me lês, Theresa, faz como o Fernando/ Álvaro e sai de ti mesma.

"Falhei em tudo.
Como não fiz propósito nenhum, talvez tudo fosse nada.
A aprendizagem que me deram,
Desci dela pela janela das traseiras da casa,
Fui até ao campo com grandes propósitos.
Mas lá encontrei só ervas e árvores,
E quando havia gente era igual à outra.
Saio da janela, sento-me numa cadeira. Em que hei-de pensar?"
(Álvaro de Campos, "Tabacaria", http://arquivopessoa.net/textos/163)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

O que é o progresso?, parte I

Vivemos melhor do que há cem anos? Do que há cinquenta, do que há vinte?
A resposta pode ser mensurável de diversos ângulos: se temos mais conforto físico, com casas mais confortáveis e tecnologia que nos ajuda a criar bem-estar, e tecnologia que nos ajuda a poupar tempo no dia-a-dia. Se temos transportes rápidos que nos permitem gozar melhor o tempo e aproveitá-lo completamente. Se debelámos doenças, e se temos um sistema de saúde que permite enfrentá-las melhor e com mais protecção. Penso que ninguém se oporia que nos últimos cinquenta, vinte, dez anos, temos melhorado neste aspecto. Que atingimos progresso. Mas depois se formos olhar o que pode ser viver melhor, o que é progresso, em outros ângulos, a resposta pode não ser a mesma. Temos mais progresso social no mundo? Um filho de um homem desempregado, analfabeto, que vive numa casa de zinco nos arrabaldes de Nairobi, da Cidade do México ou de Kuala Lumpur, ou até de Boston ou Londres, tem possibilidades de fazer um curso univers…