Avançar para o conteúdo principal

Do sangue, do novo, do sangue novo

A História revela como as expulsões em massa deram sempre um resultado muito diferente do esperado - senão mesmo o contrário. As Dragonnades de Luís XIV fizeram sair do país cerca de 100 mil protestantes, que recusaram converter-se ao Catolicismo. Estes foram sobretudo para um frio e inóspito país quase recentemente inventado como espaço próprio nos mapas: a Prússia, Berlim. A cidade ainda hoje ostenta as suas marcas, as suas escolas, hospitais, artes e ciências ainda hoje lhes devem muito. Foi o sangue novo que faltava a Berlim para se tornar uma cidade moderna - e daí, a Prússia, que contrariamente ao que se poderia sonhar no final do século XVII, se viria a tornar o pólo aglutinador da Alemanha, em vez da Áustria. Se alguém tivesse contado isto a Carlos V no bom século XVI ou a Maria Teresa no século XVIII, ambos teriam morrido de riso.
Fonte: https://www.museeprotestant.org/en/notice/the-dragonnades-1681-1685/
Outra dragonada avant la lettre é a que D. Manuel fez com os judeus. O meu avô, leitor voraz de História, repetia vezes sem conta: "foi aí que o império português acabou". Sem a rede de contactos, comércio e bancos que acompanhava a comunidade, muito do primeiro império transatlântico perdeu parte da sua pujança e estrutura. Isto tudo para casar com uma princesa espanhola. Foram para a Holanda, e ei-la a surgir no século XVII.
A maior dragonada da História não terá sido motivada por motivos religiosos, mas acabou por sê-lo: a saída do povo hebreu do Egipto, que inventou a sua religião, e ancorou a ela a sua identidade nacional. E, também por isso, a sua sorte errante.

Vem estas reflexões a propósito do que se passa na Europa mas sobretudo em Bruxelas com os refugiados. Aqui, todas as noites, centenas de cidadãos recolhem os refugiados que vivem no Parc Léopold à espera de um visto, de uma autorização, conseguindo evitar que sejam reencaminhados. Recolhem-nos e protegem-nos, defendem-nos das razias que o governo, pela acção do nacionalista flamengo secretário de Estado das Migrações, Theo Francken, organiza.
A União Europeia, depois de um primeiro esforço no acolhimento destes refugiados, passou de salvar os que sangravam pelo Mediterrâneo para banir o novo. Paga à Turquia para evitar que entrem na Europa, trava-os à entrada da Europa. E, nas mãos de Orban ou de outros, persegue os que procuram na Europa um lugar que represente a sua paz. Ouvido de um refugiado: "vimos para a Europa porque sabemos que aqui as pessoas têm direitos". 
Mas o que estas novas dragonadas mostram é que estamos a repelir de novo o sangue novo. E que a vitalidade do mundo está nesta integração, nesta transfusão. Merkel percebeu-o. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

Até sempre

Caros leitores: não é uma decisão facilitista, não é uma decisão repentista. É uma decisão longa que vem de um lugar certeiro: eu não sei ser do meu tempo como o meu tempo quer que eu seja.

Há algo em mim fundamentalmente avesso à exposição pública, e mais, contra a rapidez e a omnipresença do mundo de hoje. Sabia isso antes, de longos passados, soube isso de novo quando passei cinco anos em manuscritos, reforcei absolutamente isso quando apresentei o meu romance despaís, sei isso hoje melhor, por penas e reflexão.

Há muito que vinha pensando nisto, e a realidade parecia confirmá-lo. Mas fui educado pensando que a progressão, e a luta contra obstáculos e dificuldades na minha própria personalidade é um progresso. O progresso do mundo que eu posso e devo começar a fazer, se quero criar progresso no mundo. Não seria eu que seria tímido, e com isso encostado à minha própria facilidade? Tentei combatê-lo, portanto. Da luta interior fazer escadas.

Percebo hoje que o meu caminho é outro. U…