Avançar para o conteúdo principal

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga



Fonte: https://twitter.com/Daniel82Per

Cada vez que abro a porta grande do prédio, um monstro azul bebé de madeira centenária, pergunto-me para que tempo vou sair. A temperatura em Bruxelas é regular e fiável, não há grandes oscilações como no sul, mas saímos para uma espécie de "tempo detergente" como dizia Ruy Belo para descrever outra coisa: molha suavemente como uma roupa mal seca, venta como uma corda num estendal, seca por sol inesperado, lava com uma chuva súbita e voraz ("une drache", como aqui se diz). É por isso que se diz que em Bruxelas há as quatro estações. Não, na verdade: é um longo Outono onde o Verão aparece para tomar uma cerveja, ou o Inverno para passar férias. A Primavera é uma coisa técnica, está no calendário, ela vem do Norte acabando com o gelo só para apanhar o comboio na Gare du Midi e mudar-se para o sul.

A porta tornou-se um portão da quinta desde que a neve de Novembro e uma espécie de massa suja, pegajosa e violenta das obras dos vizinhos a empenaram. É uma luta com uma espécie de Adamastor, cabo antes das tormentas. E hoje saio para a rua lavada e esticada pelo mais belo tempo belga: uma ventania lambida e escura. Mas gosto deste tempo: ao menos tem carácter. É melhor que aquele chuviscamento constante quase imperceptível mas que me faz chegar aos sítios todos com os jeans molhados, os olhos obnubilados, e uma sensação de um chuveiro inesperado e muito racionado, com roupa incluída mas sem direito a sabão.
Em Portugal chove com propriedade, uma coisa atlântica, tão séria e pesada que atravessar a rua num dia chuvoso é como dar um mergulho na praia, em termos de encharcamento. Na Alemanha o Inverno é a coisa mais estável e fiável de Novembro a Março, e o Verão uma surpresa louca e abafada; mas a Primavera é bastante instável e nem falar do Outono, esse traidor. Não, na Bélgica podemos contar com o tempo. Lembro-me sempre da mãe do meu amigo Fernando, que dizia: "Em Portugal o tempo é péssimo, nunca se pode contar com ele". Agora tem razão: na Bélgica sabemos que chove dia sim, dia sim, e quando vão estar duas horas de sol é um milagre. Mas todos nos alegramos.
O tempo belga ensina o milagre; mas também leva a que façamos tudo independentemente do clima. Lembro-me bem da história da minha amiga P. que acabou com um namorado porque ela o convidou para sair e ele respondeu: "Hoje não, porque vai chover". Na Bélgica, toda a gente seria solteira.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Até sempre

Caros leitores: não é uma decisão facilitista, não é uma decisão repentista. É uma decisão longa que vem de um lugar certeiro: eu não sei ser do meu tempo como o meu tempo quer que eu seja.

Há algo em mim fundamentalmente avesso à exposição pública, e mais, contra a rapidez e a omnipresença do mundo de hoje. Sabia isso antes, de longos passados, soube isso de novo quando passei cinco anos em manuscritos, reforcei absolutamente isso quando apresentei o meu romance despaís, sei isso hoje melhor, por penas e reflexão.

Há muito que vinha pensando nisto, e a realidade parecia confirmá-lo. Mas fui educado pensando que a progressão, e a luta contra obstáculos e dificuldades na minha própria personalidade é um progresso. O progresso do mundo que eu posso e devo começar a fazer, se quero criar progresso no mundo. Não seria eu que seria tímido, e com isso encostado à minha própria facilidade? Tentei combatê-lo, portanto. Da luta interior fazer escadas.

Percebo hoje que o meu caminho é outro. U…

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.