Avançar para o conteúdo principal

Brexit blues, I: Brittania biting itself


O "Brexit" está prestes a tornar-se no evento mais dramático da história britânica desde Oliver Cromwell. As consequências actuais mas sobretudo futuras são imensas.
As fracturas do Reino Unido estão completamente à vista: um país que é uma união de quatro nações que não o é na verdade - é impressionante pensarmos que só houve governos regionais com parlamentos próprios em 1999 (!); onde os efeitos de uma invasão no ano 1066 demoraram séculos a sarar e deixaram ainda uma divisão. A Inglaterra impôs-se sempre sobre os outros. Curiosamente, a Inglaterra não tem um parlamento próprio - é o do Reino Unido, e isso já de si quer dizer alguma coisa. As fracturas aumentam com a presença imensa de uma comunidade imigrante muito diversa, à qual a mais recente aquisição são os imigrantes da UE, geralmente com formação superior.
Durante a sua história como país independente, a Inglaterra não teve praticamente de negociar coisa alguma que não fosse a seu favor. A partir do fim da segunda guerra viu o seu poder mundial diminuir dramaticamente, ao ponto de ter fugido literalmente de confusões que armou e criou, como do Iraque, país que desenhou para poder gerir e aproveitar-se a seu bel-prazer. De Portugal sempre fez o que quis, e se existe como país é porque a Inglaterra precisava sempre de um contra-peso a França e Espanha, e a Holanda ou a Dinamarca tinham agendas próprias e interesses conflituais. A única pessoa que fez frente aos Ingleses com uma política pensada do início ao fim foi o Marquês de Pombal - que chegou, como Embaixador em Londres, a informar o então primeiro-ministro inglês Walpole que os portos portugueses estavam fechados à navegação inglesa.
O meu ponto é: pede-se a um país que sempre se comportou como uma potência mundial que agora tenha de ceder numa negociação com um bloco unido. Nem a sua pata sobre a Irlanda consegue algum poder, pelo contrário, morde-se a si própria, explode-lhe na cara. A negociação do "Brexit" está a ser para os britânicos, mas sobretudo para os ingleses, uma revelação dramática, uma anagnorisis: está a mostrar-lhes que o seu valor simbólico é praticamente nenhum, e que essa quebra de valor é também uma quebra de valor real. E são pura e simplesmente incapazes de o ver. Note-se a emergência de símbolos nacionais para puxar pelo orgulho. Num pequeno livro brilhante, The Ministry of nostalgia, Owen Hatherley notou isso mesmo. O embaixador alemão no Reino Unido tocou noutro ponto - a mitologização da segunda guerra mundial está a alimentar o euroceptismo britânico (pode ler-se aqui) - não longe do "orgulhosamente sós" que os portugueses conhecem tão bem.

Voltando atrás:  tudo começou com uma divisão dentro do partido conservador, nunca muito satisfeito com o poder de Bruxelas em regular acima da lei britânica. Nenhum outro país, na história da UE, conseguiu tantas e tamanhas excepções aos tratados e leis aprovados por todos. Quando Cameron decide marcar o referendo, como arma para ganhar as eleições de 2015, consegue da UE tantas excepções que eram, na verdade, verdadeiras amputações aos tratados. Na altura perguntei a vários funcionários europeus aqui em Bruxelas, e a reacção unânime foi: "mais uma excepção; estamos fartos disto". E o resultado do referendo foi o oposto do esperado: sair.
Pois a divisão dentro do partido conservador acabou não só por não se acalmar, mas por se agudizar. Theresa May ganhou o lugar que ambicionava, mas foi sol de pouca dura. Nomear alguém que pacientemente construiu uma imagem de dura para gerir um processo onde delicadeza, paciência e consenso é necessário é como pôr um elefante numa loja de porcelana. 

É impressionante e dramático perceber uma coisa: que não havia estratégia de saída pensado pelos que queriam sair. Mais: que não havia estratégia de saída no dia seguinte ao referendo, e que continuou a não existir durante vinte meses, até ao inqualificável discurso de dia 3 de Março. Isto já não é um erro: é um crime. É um crime de má-gestão, de lesão do estado.

Desde que o "Brexit" começou, o Reino Unido passou da economia que crescia mais dentro da UE para a que cresce menos. Já foi ultrapassada por França, e isto ainda não acabou. A situação irlandesa - fronteira ou não - é explosiva, e não há nenhuma ideia de como sair dela. O empurrar com a barriga como estratégia tem uma razão para existir: pensa-se que o poder simbólico da Brittania vai resolver tudo; ou a imensa frota; ou o Império. E o Reino Unido e os seus sonhos de passado escancaram-se na fronteira entre as Irlandas a cada dia que passa, uma pedra do muro que é uma pedra no sapato do governo inglês porque depende de um partido-grupúsculo irlandês que lhe permite ter uma maioria. Uma pedra que se vai atirar contra si mesma. No dia em que morra um irlandês em confrontos na Irlanda do Norte é o primeiro dia do fim do Reino Unido - esperemos que nenhum dos dois chegue.

PS: Escrevo frequentemente sobre o Reino Unido por amor. Não por desdém ou muito menos por uma espécie estranha de xenofobia. Escrevo ao ler a situação e acompanhá-la, por sofrê-la, por tanto gostar deste país e ter laços afectivos e familiares, e ver dia a dia como um país se pode suicidar desta forma.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Uma expandida, outrada manhã

Uma manhã larga, com cheiro fresco a relva, prados sucedendo-se a prados, os olhos a correrem a descobrir o sol. Era assim que queria esta manhã: expandida, desdobrando-se, céu e campos a desmedirem o dia.
Uma manhã que não fosse minha. Que não fosse deste corpo, da memória destes olhos, do alcance dos pés ou das memórias - que fosse mais alta que eu. Uma manhã que fosse de outro ser, mas que esse ser fosse eu.
Uma sensação total e toda estrangeira, intacta e toda: onde eu pudesse ser mais além deste feixe de ossos e carne, tudo lugares que conheci e que me limito. Onde eu pudesse ser o começo, os astros desmesurando-se, a vida nova e inteira: uma manhã, correndo para o sol, a extensão plena e outra.

(para a Cuenca; e para a Claudia, o Miguel e o Nemo)

Crónicas de Berlinzâncio: hibernatio

Despedia-me da rua sabendo que nunca mais nos voltaríamos a encontrar. Poderíamos um dia voltar a ser o mapa e os pés um do outro, mas não a mesma geografia.
Tinha nevado e as árvores estavam cobertas de neve, com sol. Soou a regresso, a uma hibernação -  como quando uma memória se fixa, se guarda dentro, para não desaparecer mais.
Hibernatio, hibernação. Agora percebo, por causa do frio, da neve, de a própria natureza ficar coberta de um manto branco, pacífico, hiber, do inverno. Mas natio vem de nascer. E é isso que tem acontecido comigo - nascer de novo. Pela solidão, pelo espelho tremendo que Berlim é para mim, interiormente reflectindo-me em sítios interiores onde não quero ser e onde não queria estar, e no seu oposto. Mas sempre com os pés nesta terra inquieta, nova, imparável.
A memória acorda, agora, dessa despedida de há cinco anos, quase seis. E o mundo parece gelado, de tal forma conteúdo e imagem se transformaram na pele mais densa; na casa; no corpo.

O rapto de Europa

A História começou com um rapto de três mulheres - uma delas, Europa. Bom, não a História mas as Histórias de Heródoto. Se a considerarmos como o primeiro grande livro de História do mundo, depois de tantos outros onde se inspirou e que agora são apenas ecos, então a História começou com Heródoto e com três raptos. Por mais que tenha lido o início, espanto-me sempre com o momento, simples e despretensioso, em que depois de duas páginas de povos, actos, nomes e raptos, Heródoto explica ao que vem: "humanos e prosperidade nunca passam muito tempo um ao lado do outro". Há 2500 anos, já Heródoto tinha compreendido que o conflito é a tentação do homem. A Europa vive há setenta anos com paz. Nenhuma guerra devastou o continente como parece ter sido marca da sua história desde tempos imemoriais. Isso deve-se à União Europeia. Com todas as dificuldades e falhas do modelo europeu - e um certo modelo financeirista deste modelo europeu, mas isso é outra conversa - esse conflito foi al…

Depois do Facebook (ou o novo ano mil)

Faz hoje precisamente um mês que apaguei a minha conta Facebook. Foi como deixar de fumar: uma breve privação, e depois parece que nunca existiu.
Em troca, prometi-me ler muito mais e prometi aos amigos escrever emails mais longos. Passaram 4 semanas e em cada uma delas um longo email seguiu para pessoas que amo e com quem agora troco muito mais do que um "page down", um polegar para cima, ou um sorriso sem conteúdo. 
A que querem as redes sociais que fiquem reduzidas as nossas interacções? Leio no "The Guardian" que nos últimos anos os jogos de tabuleiro têm conhecido um aumento louco de interesse e de vendas. Uma interacção real, mesmo que mediada pelo jogo; ao contrário daquela que as redes sociais oferecem, que não é real e sofre todo o tipo de mediações (e de intermediações). Mais: que desenvolve uma espécie de mentalidade fechada. Torna-nos voyeurs permitidos, comentadores de bancada das vidas dos outros, distraídos com distracções de distracções.  Mas saber…

o que nunca deixou de ter sido, I: a timidez consigo mesma

Despedimo-nos depressa. A noite entornava-se de frio, os gestos ficavam estranhos, gastos depois de muitas cervejas, cigarros; e o cansaço de tantas paisagens emocionais que fizemos falando juntos, os pés enlameados disso, dessa espécie de viagem e encontro - sem fuga. Eu não tinha nada para lhe dizer depois de uma noite assim, ao contrário do tempo; e ela ainda menos, talvez subitamente tímida mas não comigo. Uma espécie de timidez que só encontrei na Dinamarca, uma timidez dela consigo mesmo. A taberna do canto no meio da Bergmannstrasse parecia agora cortar a cidade a meio: três da manhã  de um sábado onde faziam menos dez graus, uma neve escassa e rala, já suja, os meus gestos frios e os dela estranhos.  Não havia números para trocar, propostas para fazer, futuros para combinar: nós não éramos os gestos seguintes um do outro, e nem os queríamos. Não era sexo o que nenhum de nós queria um com o outro a seguir, ou mesmo nunca, nem ao início. Mas saímos com a sensação de que saíamos…

o parafuso de ferro

Já é automático. Durante anos não foi. O automatismo custa: dois anos, um e meio deles durante cinco horas por dia. Sentia que me tiravam o cérebro às oito da manhã, o martelavam incessantemente durante cinco horas, e o voltavam a pôr no lugar. Ou não bem. Talvez seja esse o uso do cérebro - nunca estar bem no mesmo lugar. E quando começava a conseguir balbuciar, pára tudo.  Falo da minha aprendizagem de alemão, quando vivia em Berlim. Não acredito tanto no "burro velho não aprende línguas" mas mais na surpresa que é perceber como é a forma como aprendo; e depois disso, perceber como o método de aprendizagem de cada um pode ficar enferrujado.
Mesmo tendo trocado o alemão pelo francês como língua diária, ele continuou lá: os seus magníficos e ultra-resistentes parafusos de ouro mantendo ligações distantes no meu cérebro. E eis que a vida me levou a aprender Neerlandês. Ao início, parecia fácil: o alemão ajudava-me a compreender muito. Mas depois, o caos: assim que abri os lá…

Irregularis

Em Dezembro de 2017 retomei este blogue, depois de um ano de pausa. Prometi mantê-lo activo durante um ano pelo menos: e cá estive todas as quartas e domingos.
Um projecto de escrita na fase final leva-me a suspender o blogue sine die. Mas desta vez prometo ir postando uma crónica de vez em quando, ao sabor dos dias. O blogue continuará, em modus irregularis.
Agradeço aos leitores, e agradeço à vida que continua a surpreender e a criar mais vida, apesar dos tempos escuros em que navegamos.
Até sempre já.