Avançar para o conteúdo principal

Uma manhã nunca, I: Hauptstrasse

Um olhar do canto da porta, enquanto calçava as botas para a madrugada de neve lá fora. Não dormimos nada, entre um dos filmes mais tragicamente românticos no DVD interrompido por actividades um pouco mais romanticamente pragmáticas.
Mas havia em tudo um estranho desacerto, uma distância dos gestos ao coração, do passado a cortar o presente. A despedida alargava-se disso, dessa estranheza agora. Disse para mim próprio, enquanto me despedia num alemão embrulhado ainda mais pela emoção: "nunca mais nos vamos ver".
Saí pelas escadas em caracol, fechei a porta de metal esfarelada, atravessei o pátio interior onde a neve continuava a enterrar o presente, saí para a rua inteira. "Hauptstrasse", rua principal. A madrugada já cheirava a fritos e a borracha queimada, quando entrei no metro depois de me perder várias vezes pela rua alta demais para a minha dor.
Aquele olhar triste doeu-me durante muitos anos. O olhar não: a distância entre querer e ser capaz. 
Nunca mais nos vamos ver: eu e aquele olhar. Quero ruas altas, longas, mas não essa: sou o que desejo e o que desejo é-me. 
Nunca mais nos vimos.
Seurat, "Le Dormeur"

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

Até sempre

Caros leitores: não é uma decisão facilitista, não é uma decisão repentista. É uma decisão longa que vem de um lugar certeiro: eu não sei ser do meu tempo como o meu tempo quer que eu seja.

Há algo em mim fundamentalmente avesso à exposição pública, e mais, contra a rapidez e a omnipresença do mundo de hoje. Sabia isso antes, de longos passados, soube isso de novo quando passei cinco anos em manuscritos, reforcei absolutamente isso quando apresentei o meu romance despaís, sei isso hoje melhor, por penas e reflexão.

Há muito que vinha pensando nisto, e a realidade parecia confirmá-lo. Mas fui educado pensando que a progressão, e a luta contra obstáculos e dificuldades na minha própria personalidade é um progresso. O progresso do mundo que eu posso e devo começar a fazer, se quero criar progresso no mundo. Não seria eu que seria tímido, e com isso encostado à minha própria facilidade? Tentei combatê-lo, portanto. Da luta interior fazer escadas.

Percebo hoje que o meu caminho é outro. U…