Avançar para o conteúdo principal

Revelhão

Não gosto do réveillon, nem da passagem de ano. É uma tradição superficial, que cheira àquelas que a Rainha Vitória recém-viúva inventava. "Revelhão", cheira mesmo a roupa velha saída do armário para uma jornada de idiotice. "Revelhão", velho duas vezes mas em aumentativo para parecer maior. Mesmo em francês a palavra, que vem de "réveiller" não acorda nada, senão as mesmas velhas ideias de começar por fora sem começar por dentro.

Faço tudo para o celebrar da maneira mais simples possível. O ano passado tive uma das surpresas da minha vida ao passar o fim de ano com uma querida amiga mas também com duas pessoas que não conhecia e que passaram todo o resto do ano no pensamento do meu coração.

Todos os dias 31 de Dezembro, independentemente de não gostar do réveillon, sento-me a fazer o balanço do ano anterior. Aprendi este balanço com várias experiências, mas uma em concreto com a extraordinária Clara Pinho (da Ariadne Porto).
É uma lista seca e dura, que parece poder fazer-se em 5 minutos mas que leva muito mais. Tento preencher pelo menos 3 pontos em cada uma destas entradas:
1. A coisa mais dolorosa que me aconteceu no ano que passou
2. Os momentos mais difíceis
3. Os momentos mais marcantes (difíceis mas que deixaram marca, ou bons e que criaram aprendizagem)
4. Os momentos mais felizes
5. As minhas escadas para o próximo ano: o que me fez subir, o que me falta subir?

O tempo levou-me ou o tempo fui eu?, pergunta da prova dos nove para fechar.

Depois vem o mais difícil: pôr isto por ordem: de alegria, de dificuldade, de aprendizagem. Sinto que isso leva o ano todo a responder.


Mas esta lista perspectiva-me e permite-me responder à prova dos nove. Pelo menos no fim do ano, o tempo sou eu.

Feliz 2018 a todos, cheio de recomeços.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

O que é o progresso?, parte I

Vivemos melhor do que há cem anos? Do que há cinquenta, do que há vinte?
A resposta pode ser mensurável de diversos ângulos: se temos mais conforto físico, com casas mais confortáveis e tecnologia que nos ajuda a criar bem-estar, e tecnologia que nos ajuda a poupar tempo no dia-a-dia. Se temos transportes rápidos que nos permitem gozar melhor o tempo e aproveitá-lo completamente. Se debelámos doenças, e se temos um sistema de saúde que permite enfrentá-las melhor e com mais protecção. Penso que ninguém se oporia que nos últimos cinquenta, vinte, dez anos, temos melhorado neste aspecto. Que atingimos progresso. Mas depois se formos olhar o que pode ser viver melhor, o que é progresso, em outros ângulos, a resposta pode não ser a mesma. Temos mais progresso social no mundo? Um filho de um homem desempregado, analfabeto, que vive numa casa de zinco nos arrabaldes de Nairobi, da Cidade do México ou de Kuala Lumpur, ou até de Boston ou Londres, tem possibilidades de fazer um curso univers…