Avançar para o conteúdo principal

Dezassete albuns de 2017, parte III (final)

15. Wood Works, The Danish String Quartet (Dacapo, 2014)
Canções escandinavas, mudadas para quartetos, perguntadas em elipse ao tempo; uma delas uma canção de casamento de uma ilha norueguesa, velha de 400 anos. Florestas, raizes e o futuro: todos parecem casar-se em longos barcos pelo gelo, casas infindas feitas por mãos gastas. E a noite: uma dança entre o sol e a lua.
Formados na música clássica (e tendo assinado albuns Haydn/ Brahms soberbos), dotados de uma liberdade larga, começaram aqui uma sequência de albuns-viagem.
Este disco é uma descoberta, uma pergunta, uma dança fora do tempo. Fiz tantas ruas dentro dele, como se o chão fosse uma cidade de madeira e gente que vive mais dentro que o tempo viesse ajudar-me a encontrar o que está mais longe.
Por vezes esqueci-me até que ouvia. Ou melhor: era tão natural que esquecia que era música.

16. Mozart, Concerto para Violino Nº3, Viktoria Mullova (Philips)
Foi um ano de construir equilíbrios.
Muitas vezes precisava apenas desta música certa. Desta música que vinha da infância de Mozart tão certeira como vinha da minha, onde comecei a ouvir música. Não fazia mal que associada viesse a lembrança de como o violino e eu nos matámos na minha adolescência, e as feridas de perfeição que me deixou durante tantos anos. Mas talvez essa dor voltasse, e feita música, limpasse mais dentro o dia e as âncoras que me ligavam a espaços donde não nascia. Luz, tão feita das sombras, e fome de música, tão precisada pela repetição feia de alguns dias: fui pobre a esta música e voltei estruturado.

17. Per Nørgård, Sinfonia Nº2
Tudo começou a 26 de dezembro de 2016. Comprei o CD na "Foyles", onde vou sempre quando vou a Londres, e de onde trago tanto mais do que gasto. Decidi sentar-me pela centésima vez a tentar começar algo que há anos não conseguia.
Fiz algo que nunca faço: pus a tocar esta música que nunca tinha ouvido. Música contemporânea comprada sem uma audição prévia, sem nenhuma referência, que queria ter experimentado comigo, sozinho, a música e eu.
Gostaria de escrever sobre ela, mas não consigo. É o início do mundo, ou da música.
Olhando para um ano que passou, vejo claro: tudo começou nesta música. Um novo ciclo, uma nova vida. A aprender a ouvir de novo, a parar.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

O que é o progresso?, parte I

Vivemos melhor do que há cem anos? Do que há cinquenta, do que há vinte?
A resposta pode ser mensurável de diversos ângulos: se temos mais conforto físico, com casas mais confortáveis e tecnologia que nos ajuda a criar bem-estar, e tecnologia que nos ajuda a poupar tempo no dia-a-dia. Se temos transportes rápidos que nos permitem gozar melhor o tempo e aproveitá-lo completamente. Se debelámos doenças, e se temos um sistema de saúde que permite enfrentá-las melhor e com mais protecção. Penso que ninguém se oporia que nos últimos cinquenta, vinte, dez anos, temos melhorado neste aspecto. Que atingimos progresso. Mas depois se formos olhar o que pode ser viver melhor, o que é progresso, em outros ângulos, a resposta pode não ser a mesma. Temos mais progresso social no mundo? Um filho de um homem desempregado, analfabeto, que vive numa casa de zinco nos arrabaldes de Nairobi, da Cidade do México ou de Kuala Lumpur, ou até de Boston ou Londres, tem possibilidades de fazer um curso univers…