Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Fevereiro, 2016

Diálogos Pintados, XII: Instruments de Musique

Fomos a casa do Franz tocar umas peças novas. O gajo veio de Itália e conheceu um compositor marado e trouxe uma das partituras que tocou. Assim que começou a tocar aquilo no alaúde, bem!, a malta passou-se. O Karl fez uma cópia a correr e tocámos a cena. É um som bué à frente, man, tem um solo para a minha viola da gamba que é mega, as linhas todas misturadas, ganda cena. Estivemos naquilo duas horas, a fome apertou, mas o Franz tinha umas maçãs que apanhou no bosque a caminho de casa. Eu ainda mordi uma mas estavam podres. Fomos à taberna beber umas jolas para aquecer. O Karl disse que lhe doíam as articulações de tanto tocar o cravo. Só o Ludwig não gostou tanto da peça, disse que aparecia pouco. Está a pensar deixar de tocar alaúde e passar para uma coisa mais cool, tipo viola da gamba. "Pá, um dia o teu instrumento ainda vai tar na moda", disse-lhe eu.
Ficámos na taberna porque lá estava a Marietta, a filha do Konrad, aquela que canta com voz de contralto. Que mamas! M…

Comboios perdidos para Bizâncio, IV: Jacob e o Anjo

[1993] A tarde doía por todos os lados. Música, tudo música a compactar-me o coração: uma bola que reduzi a um tamanho de nada e que cresce como um planeta. Os dias, imensos, daquele Março, Abril, Maio, que me pareceu um dia inteiro, repetindo-se, ardendo. Lembro-me de ir à praia em Março, mas de achar que o universo funcionava ao contrário porque tudo era ao contrário no meu coração. O dia era único, inteiro, porque era uma noite sem fim. Quando se acorda de calor, sem respiração, e com o corpo todo colado ao mesmo corpo. O meu coração ocupava espaço, crescia quanto mais o negava, queria algo que não era eu, que não era um livro, que era para além de mim. Porque é que tenho olhos para fora, e não tenho olhos para dentro, repetia-me.

Trocávamos cartas. Era o outro lado das cartas que me doía. Toda a minha adolescência, parece-me, foi feita entre o desespero pisado e o excesso escrito. Cartas e cartas atiradas para todos os lados. Isso custou-me bem caro duas vezes - e mais tarde, prep…

qualquer coisa em forma de coisa nenhuma, XXIII

Comboios perdidos para Bizâncio, III: uma caixa de papelão

Jardins para o fim dos tempos: o primeiro Concerto para Piano e Orquestra de Chopin