Avançar para o conteúdo principal

o inverno do meu renascimento

São oito da manhã de terça-feira, dia 8 de Dezembro. Os pássaros do Parc Léopold estão um pouco mais calmos hoje. Vejo o Parlamento Europeu ao fundo. Lama por todo o lado. Faz um frio que é frio mas não é frio, e tenho saudades de Berlim.
De repente os meus passeios no Lietsensee, coberto de neve, os passos a medirem-se. O lago gelado, e apenas dois ruídos: o dos corvos, únicos pássaros no mundo a cortar o gelo com a sua voz negra, e o dos meus passos na neve. O silêncio branco, fundo, absoluto da neve, por baixo, por cima, por dentro de todas estas coisas.
A memória de uma cidade imensa e inúmera como um leão de infindáveis cabeças, tornada um gato manso não ao sol mas à luz crua do gelo. De ruas e ruas, de Postamer Platz até casa, só neve, silêncio e mundo interior.
Recordo esse inverno de há dois anos, onde eu fui um só com a solidão, o frio, os meus fantasmas, e um romance que tomou conta de cada segundo do meu dia. Escrevi-o com neve, com gelo, com olhos novos cortados pelo frio. Recordo esse inverno onde, depois de 36 anos, percebi que tinha de sair de mim mesmo, tal como tinha de sair do país onde nasci. Neve alta e extensa, de Friedrichsain ao Viktoria Park, que me lavou por dentro dos olhos, precisamente entre o entendimento e o coração; e onde, magnificamente solitário, valendo o meu peso em gelo, renasci.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

O que é o progresso?, parte I

Vivemos melhor do que há cem anos? Do que há cinquenta, do que há vinte?
A resposta pode ser mensurável de diversos ângulos: se temos mais conforto físico, com casas mais confortáveis e tecnologia que nos ajuda a criar bem-estar, e tecnologia que nos ajuda a poupar tempo no dia-a-dia. Se temos transportes rápidos que nos permitem gozar melhor o tempo e aproveitá-lo completamente. Se debelámos doenças, e se temos um sistema de saúde que permite enfrentá-las melhor e com mais protecção. Penso que ninguém se oporia que nos últimos cinquenta, vinte, dez anos, temos melhorado neste aspecto. Que atingimos progresso. Mas depois se formos olhar o que pode ser viver melhor, o que é progresso, em outros ângulos, a resposta pode não ser a mesma. Temos mais progresso social no mundo? Um filho de um homem desempregado, analfabeto, que vive numa casa de zinco nos arrabaldes de Nairobi, da Cidade do México ou de Kuala Lumpur, ou até de Boston ou Londres, tem possibilidades de fazer um curso univers…