Avançar para o conteúdo principal

Sobre a fauna dos museus

Uma chinesa aos berros ao telemóvel, e na outra mão uma câmara de filmar, registando tudo; passa agora para a máquina fotográfica. Voz e imagem, sem cérebro.
Um grupo de adolescentes tira selfies contra os quadros. Passa um rapaz moreno, talvez italiano, querem uma fotografia com ele, junto àquele "horrible painting". Outra fotografa "Os Embaixadores" de Holbein, pondo sobre o meio do quadro uma figura de Manga.
Um casal de brasileiros discute o preço das molduras, e como o chão da National Gallery deve ser limpo. Papai diz mesmo que isto deve ser madeira roubada do Brasil. "Isto é Inglaterra, não é Portugau". Uns tiravam aos outros, remata sorrindo.
Um rapaz não larga o seu whatsupp, e o seu Facebook diz sala após sala que ele aqui está. O mundo fica descansado e feliz. Canaletto e a sua vista do canal parecem mais transparentes e rasgadamente azuis com tão profunda informação.
Duas crianças rebolam-se no chão. Uma delas finge que liga para um amigo imaginário a partir do audioguia. Três raparigas de setenta dizem que não vêm mais com a Rose, ela acha que manda em tudo, e o museu não tem interesse nenhum.
Um trio hispano-falante fala mal do investimento cultural do seu governo central. Uma senhora americana pergunta alto à guarda se há uma reprodução em toalha de mesa, depois de ter sido apanhada a flashar um Zurbarán.
E o Slovan aperta a Slovana enquanto ela posta no Instagram "I love London".

Muitas vezes me pergunto porque é que estes quadros altos, inteligentes de sobrevivência centenária, não saem de si mesmos. E porque, numa ira sagrada de tinta e tempo, não caem sobre estes seres zeros?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

O que é o progresso?, parte I

Vivemos melhor do que há cem anos? Do que há cinquenta, do que há vinte?
A resposta pode ser mensurável de diversos ângulos: se temos mais conforto físico, com casas mais confortáveis e tecnologia que nos ajuda a criar bem-estar, e tecnologia que nos ajuda a poupar tempo no dia-a-dia. Se temos transportes rápidos que nos permitem gozar melhor o tempo e aproveitá-lo completamente. Se debelámos doenças, e se temos um sistema de saúde que permite enfrentá-las melhor e com mais protecção. Penso que ninguém se oporia que nos últimos cinquenta, vinte, dez anos, temos melhorado neste aspecto. Que atingimos progresso. Mas depois se formos olhar o que pode ser viver melhor, o que é progresso, em outros ângulos, a resposta pode não ser a mesma. Temos mais progresso social no mundo? Um filho de um homem desempregado, analfabeto, que vive numa casa de zinco nos arrabaldes de Nairobi, da Cidade do México ou de Kuala Lumpur, ou até de Boston ou Londres, tem possibilidades de fazer um curso univers…