Avançar para o conteúdo principal

Re-ciclar a Democracia Portuguesa

Pensei que nunca iria ver isto no meu tempo de vida.
A minha comoção não é apenas por ver, por uma vez, a minha área política unida. É sobretudo por compreender que Portugal está a combater um deficit de cultura democrática, uma incapacidade de discussão; que está a limpar velhos hábitos que ficaram de controlo da igreja, do despotismo iluminado, do estado novo, que confundem debater com agredir, discordar com combater.
Quem segue a vida política europeia sabe que este tipo de acordos são legião na Europa. Aqui mesmo na Bélgica são a regra política, com coligações de pelo menos quatro partidos. A maioria não tem maioria. É melhor um Governo ou a ausência dele?

Escrevi aqui, precisamente há um mês e logo depois das eleições, que se iria abrir um ciclo novo, que se fecharia um outro que tinha começado em 1975. Na verdade, em dois sentidos: não apenas com um novo "arco de governação" mas o que ele implica: a criação de um novo modelo de desenvolvimento - que naturalmente Bruxelas vigiará.
O que espanta a direita é que por uma vez a esquerda se una. E espanto maior, que esta esquerda se una por imperativo ético: impedir que a austeridade desmonte o país. E o que a assusta é que esta solução seja não bloqueante, ou seja, não a criação de uma maioria em bloco, seguidista, fechada, absoluta: mas uma maioria de diálogo, de conversação, de debate ponto a ponto. Em que cada acordo é debatido, não imposto. É para isso que servem os órgãos dos partidos, que são associações de cidadãos livres, e é para isso que funciona o Parlamento. Chamar a isto instabilidade é temer que a Democracia funcione - é ter dela uma visão e um uso deturpado.

Há poucos dias, na calma Inglaterra, o tão atacado novo líder do Labour conseguiu uma proeza inacreditável: que a Câmara dos Lordes (!) se unisse para rejeitar os cortes a descontos nos impostos a pessoas em dificuldade. Uma coligação de bispos anglicanos, lordes liberais-democratas e trabalhistas compreenderam como a austeridade sem sentido está a destruir o país.

Isso traz-nos às razões pelas quais o PCP terá entrado neste programa mínimo - para surpresa de todos. Antes de mais, sempre considerei que Portugal tem uma dívida com o PCP: décadas de resistência à ditadura, décadas de construção de sindicatos que defenderam milhares de trabalhadores, décadas de oposição coerente com princípios claros. Sem falar na gestão autárquica, capaz de verdadeiros prodígios - basta notar que a primeira câmara de dívida zero era do PCP (e que a imensa maioria das suas câmaras o são).
O PCP não tomou esta decisão ligeiramente. Mas o PCP também sabe que não tem nada a perder. Não irá para o Governo; vai sentar-se com o PS e o Bloco em cada discussão de políticas. Pode aprovar ou abster-se, articulando-se com os Verdes e o BE, permitindo que as leis passem, e mantendo a sua reserva e coerência. O Bloco, por seu turno, não tinha nada mais a fazer, depois de ter engolido o programa do LIVRE para o neutralizar. O PCP vai usar toda a sua força como partido no jogo democrático. E isso é uma lição que a direita não esperava que o PCP lhe ensinasse.

António Costa e Jerónimo de Sousa aperceberam-se das circunstâncias extraordinárias em que a História os colocava, ainda para mais num cenário desenhado por Cavaco para uma reeleição do "seu" Governo sem problemas (foi muito semelhante ao que acontecera a Chirac em 1997, tendo de "engolir" o Governo de esquerda de Jospin, também com o Partido Comunista Francês). Aperceberam-se que o Presidente terá de aceitar este Governo agora, ou enfrentaria seis meses de caos e de um governo de gestão sem forças - entrando em 2016 como se fosse 1926 e a Primeira República. E de que com isso poderiam mudar a cultura política portuguesa.
Não interessa se o governo de esquerda vai durar 2 anos ou 4. Aquilo que trouxe já é uma reinvenção democrática. Um novo ciclo, quando a Europa se fecha em directórios e submissões que geraram os piores 10 anos desde o pós-guerra.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

Até sempre

Caros leitores: não é uma decisão facilitista, não é uma decisão repentista. É uma decisão longa que vem de um lugar certeiro: eu não sei ser do meu tempo como o meu tempo quer que eu seja.

Há algo em mim fundamentalmente avesso à exposição pública, e mais, contra a rapidez e a omnipresença do mundo de hoje. Sabia isso antes, de longos passados, soube isso de novo quando passei cinco anos em manuscritos, reforcei absolutamente isso quando apresentei o meu romance despaís, sei isso hoje melhor, por penas e reflexão.

Há muito que vinha pensando nisto, e a realidade parecia confirmá-lo. Mas fui educado pensando que a progressão, e a luta contra obstáculos e dificuldades na minha própria personalidade é um progresso. O progresso do mundo que eu posso e devo começar a fazer, se quero criar progresso no mundo. Não seria eu que seria tímido, e com isso encostado à minha própria facilidade? Tentei combatê-lo, portanto. Da luta interior fazer escadas.

Percebo hoje que o meu caminho é outro. U…