Avançar para o conteúdo principal

Três rabiscos sobre as eleições

Não tenho dúvidas que, vistas daqui a uns anos, estas eleições serão vistas como tendo terminado um ciclo que começou em 1975.
Antes de mais, porque o modelo de desenvolvimento que PSD e PS impuseram revelou-se insuficiente ou até falhado com a chegada da troika. O país continua sem olhar para a sua história, para a sua geografia, para as marcas da sua presença activa no mundo de hoje, e sem compreender que as suas fontes de desenvolvimento e de riqueza são o mar, a cultura e a língua.
O momento de diálogo que as eleições impuseram levará a um parlamento bloqueado seguido de outro, se isto não for claro. Um voto de protesto - ou de viragem à esquerda - de 20%, somado a quase 10% de votos em partidos que não elegeram representação parlamentar (e ainda juntando brancos e nulos): 30% do país votante não se revê nestas políticas e não o pretende. Ou há uma mudança de política ou as próximas eleições mostrarão o mesmo. É que mudança de política não se trata dos tacticismos técnicos que as mesas de diálogo estão a tentar começar: trata-se de repensar todo o modelo de desenvolvimento do país, abrir o diálogo aos cidadãos, aprofundar as medidas comparando-as com os erros do passado. Um dos mais velhos países do mundo e o que mais crassamente ignora a sua História.

Para além deste primeiro rabisco, gostaria de apontar outros dois, forçosamente mais curtos. Os resultados: PSD, PS e CDS ficaram reduzidos ao seu valor básico, àquilo que vale o seu eleitorado mais fiel. Se na coligação se compreende, Costa ficou reduzido a um resultado "martim moniz", entre a esquerda do centro e o centro da esquerda, enquanto BE cavalgou alegre a ala esquerda e a coligação do outro lado. Não entendeu que todos os partidos socialistas têm de abandonar a treta da "terceira via", a mais directa responsável pelo nascimento da austeridade como política da direita. Desenvolverei este tema no prometido texto sobre The Establishment de Owen Jones.

Terceiro e último: se Cavaco conseguir desenhar uma política de acordos, terá feito a única coisa útil do seu nefasto mandato. Mesmo que o governo dure 2 anos, a estabilidade de políticas desenhadas em conjunto fará a diferença. E é claro que teremos um primeiro-ministro que não será nem Passos nem Costa. Ambos têm a ganhar em deixar uma terceira pessoa arrumar a casa e ser responsável por um governo de acordo e que tem tudo para ter sucesso. Rui Rio e Manuela Ferreira Leite serão os mais que prováveis primeiro-ministros de um governo de acordo. Isto se Costa não tiver coragem para um governo à esquerda.

Eleições que marcam o fim de um ciclo, dizia eu: a legislatura passada foi a única em que um governo de coligação governou sem interrupções. Estas eleições marcarão o fim das maiorias absolutas de um só partido. Os seis ou sete partidos que teremos no Parlamento são outra marca disso.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

Até sempre

Caros leitores: não é uma decisão facilitista, não é uma decisão repentista. É uma decisão longa que vem de um lugar certeiro: eu não sei ser do meu tempo como o meu tempo quer que eu seja.

Há algo em mim fundamentalmente avesso à exposição pública, e mais, contra a rapidez e a omnipresença do mundo de hoje. Sabia isso antes, de longos passados, soube isso de novo quando passei cinco anos em manuscritos, reforcei absolutamente isso quando apresentei o meu romance despaís, sei isso hoje melhor, por penas e reflexão.

Há muito que vinha pensando nisto, e a realidade parecia confirmá-lo. Mas fui educado pensando que a progressão, e a luta contra obstáculos e dificuldades na minha própria personalidade é um progresso. O progresso do mundo que eu posso e devo começar a fazer, se quero criar progresso no mundo. Não seria eu que seria tímido, e com isso encostado à minha própria facilidade? Tentei combatê-lo, portanto. Da luta interior fazer escadas.

Percebo hoje que o meu caminho é outro. U…