Avançar para o conteúdo principal

o sentido de um rio/ vinte anos

Há vinte anos, fugimos um para dentro do outro.
Hoje, não sei o que fazer deste dia, desta data. Durante vinte anos celebrei-a. Vi erguerem-se anos como uma escada de sentido sobre os alicerces fecundos deste dia. Como alguém que compreende o sentido de um rio. Hoje, não a entendo. 
Atravesso a rua Béliard num trânsito fumegante. Começa a chover. A bicicleta faz barulho, qualquer coisa bate perto dos pés. Caem peças. Páro, tento perceber. É uma bátega de água, o semáforo abre, imprecações em várias línguas. Naquele minuto, a Sonata "A Kreutzer": oiço-a tocar em cada um dos elementos daquele momento. Atiro-me para o passeio, mas os restos da manifestação de ontem fazem-me escorregar. Olho para a bicicleta: perdeu a protecção da corrente. Já estava atada com fios, mas perdeu os últimos parafusos. É uma coisa sem sentido nem destino, um pedaço de plástico na engrenagem, que não me deixa andar nem me deixa parar. Sujo as mãos, puxo, ligo, invento. Não consigo nada. Puxo a protecção, não sai. Não posso andar nem posso sequer puxá-la até casa. Chove-me nos óculos, não consigo ver. Fecho os olhos, deixo a Sonata "A Kreutzer" tocar: Beethoven compô-la para cantar momentos como este.
A minha vida é uma bicicleta em segunda mão, tento sorrir enquanto a atiro para um parque de bicicletas. Vinte anos. Bruxelas é um parque de bicicletas sem sentido. Como esta data, com a qual não sei o que fazer.  Escorre-me das mãos. 
Há vinte anos fugimos para dentro um do outro e não foi de bicicleta. Eu tinha dezoito anos e queria esconder-me dentro da eternidade. Tudo o que eu tinha, era, seria, poderia ser, poderia tornar-se num recurso infinito para o Criador de tudo. Eu queria ser útil em toda a extensão da minha vida. Mas seria isso a minha vida, ou uma forma idealizada dela mesma? Os alicerces de mim, porém, construí-os lá. Tinha dezoito anos, foi há vinte anos que deixei tudo e quis ser um só com Deus.
Volto para casa, um resto de óleo nas mãos todas, sem bicicleta, molhado e gasto. Bruxelas chove-se a si mesma. Não sei como vou conseguir fazer tudo o que tenho de fazer sem bicicleta. Não sei como vou atravessar esta data. Pela primeira vez não a entendo. Escorre-me das mãos, desmantela-se. Deixo-a ficar. Deixo a Sonata "A Kreutzer" perguntar todo o sentido deste dia.
Volto para casa. E vendo vinte anos de nuvens pela janela combaterem-se de sentido, fecho os olhos. Vou para dentro de Deus outra vez, e consolo-o. Criar vida não deve ser fácil.



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

O que é o progresso?, parte I

Vivemos melhor do que há cem anos? Do que há cinquenta, do que há vinte?
A resposta pode ser mensurável de diversos ângulos: se temos mais conforto físico, com casas mais confortáveis e tecnologia que nos ajuda a criar bem-estar, e tecnologia que nos ajuda a poupar tempo no dia-a-dia. Se temos transportes rápidos que nos permitem gozar melhor o tempo e aproveitá-lo completamente. Se debelámos doenças, e se temos um sistema de saúde que permite enfrentá-las melhor e com mais protecção. Penso que ninguém se oporia que nos últimos cinquenta, vinte, dez anos, temos melhorado neste aspecto. Que atingimos progresso. Mas depois se formos olhar o que pode ser viver melhor, o que é progresso, em outros ângulos, a resposta pode não ser a mesma. Temos mais progresso social no mundo? Um filho de um homem desempregado, analfabeto, que vive numa casa de zinco nos arrabaldes de Nairobi, da Cidade do México ou de Kuala Lumpur, ou até de Boston ou Londres, tem possibilidades de fazer um curso univers…