Avançar para o conteúdo principal

O início da Segunda Idade Média, II

No texto anterior, explicava as consequências de cada vez que o "Ocidente" abandonou a Grécia à sua sorte.
É preciso começar por dizer, antes de mais, que a Grécia não é Oriente: a Grécia é parte do Ocidente. Bizâncio (depois Constantinopla, agora Istambul, chegou a ser capital do Império Romano, de Sagres à Escócia, de Bruxelas à Síria), precisamente no tempo de Constantino, que adoptou o Cristianismo que deu à Europa uma das suas chaves civilizacionais. 
Já o escrevi aqui muitas vezes, volto a dizê-lo hoje, neste tempo dramático: a chave para a compreensão da Grécia está no Império Bizantino. E a chave para o Ocidente está neste Império romano e grego, que durou mil anos, e que tem na nação grega a herdeira da sua mentalidade e também dos seus fantasmas imperiais. Esquecer isto é esquecer três mil anos de História. Curioso: enquanto antes do Cisma entre a Igreja Católica e a Igreja Ortodoxa (século XI), os imperadores bizantinos reuniam sábios de todas as proveniências para discutir teologia, o Papado vivia o seu período mais baixo e negro, conhecido como "Pornocracia". Enquanto agora uns querem resolver contas em grupos fechados com gente não eleita, cortesãos do financeirismo, outros propõem referendos.
Como é possível duvidar que não estamos a discutir mais economia, mais a União, mais política - mas que estamos a discutir Democracia? 
Cada vez que o Ocidente corta com a Grécia, o "Ocidente" reduz-se, elimina uma parte de si. Olhe-se para Constantinopla e para o gesto de Constantino de fazer capital esta cidade que liga dois continentes. A Grécia herdou a cultura helénica, o sonho oriental de Alexandre, foi o centro cultural dos Romanos, foi sua herdeira enquanto império Bizantino durante mil anos. 
Cada vez que o Ocidente corta com a Grécia, o Ocidente deixa de o ser, encantona-se. Torna-se a terra das Cruzadas que semeou feridas no Islão que agora explodem. Deixa de ser civilização e passa a ser um acantonamento de fanáticos.
Cortar com a Grécia é deixar que a mão direita corte a esquerda.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

Até sempre

Caros leitores: não é uma decisão facilitista, não é uma decisão repentista. É uma decisão longa que vem de um lugar certeiro: eu não sei ser do meu tempo como o meu tempo quer que eu seja.

Há algo em mim fundamentalmente avesso à exposição pública, e mais, contra a rapidez e a omnipresença do mundo de hoje. Sabia isso antes, de longos passados, soube isso de novo quando passei cinco anos em manuscritos, reforcei absolutamente isso quando apresentei o meu romance despaís, sei isso hoje melhor, por penas e reflexão.

Há muito que vinha pensando nisto, e a realidade parecia confirmá-lo. Mas fui educado pensando que a progressão, e a luta contra obstáculos e dificuldades na minha própria personalidade é um progresso. O progresso do mundo que eu posso e devo começar a fazer, se quero criar progresso no mundo. Não seria eu que seria tímido, e com isso encostado à minha própria facilidade? Tentei combatê-lo, portanto. Da luta interior fazer escadas.

Percebo hoje que o meu caminho é outro. U…