Avançar para o conteúdo principal

Europa: e depois do adeus?

Escrevo na madrugada em que se soube que o plano de apoio à Grécia acabou. Não sabemos, espero e creio que nenhuns de nós, o que se vai passar depois. Volto a escrever o espero e creio, porque ainda acredito que não haja agendas secretas na atitude dos governos europeus.
A discussão centrou-se em 0,5% do PIB. O equivalente a quatro BPNs. Alguém já fez a conta ao dinheiro que a UE deu aos bancos, directa e indirectamente? Vamos deixar cair um país e continuar a pagar, na carne e na realidade, o dinheiro mirabolante inventado pelas instituições de crédito?

Há verdades que devem ser ditas: a Grécia reduziu o seu deficit fiscal de 15.6% do PIB em 2009 para 2,5% em 2014, "uma redução nunca vista no mundo", aponta Karl Whelan. O mesmo economista irlandês que aponta, citando o relatório da Comissão Europeia, que em 2009 havia na Grécia 907 mil funcionários públicos; e que em 2016 são 621 mil. Recomendo o artigo de Whelan, que pode ser lido aqui.

Não, não está em causa o que os governos gregos fizeram ou deixaram de fazer antes ou depois, nas contas enganadas ou no que quer que seja. Está em causa que o ajustamento real da economia da Grécia foi tremendo. Está em causa que todos o permitimos, segundo uma receita chamada "emagrecer o Estado social". Mas esquecemo-nos todos de como esta crise começou? Em 2008, nos Estados Unidos, com a falência de duas instituições de crédito que davam dinheiro a torto e a direito - dinheiro inventado? E agora chegámos aqui: à União Europeia a ter um programa financeirista, contra o Estado Social, a resolver a crise querendo cortar nas pensões? Mas o que diriam os nossos avós e bisavós que criaram este estado social morrendo nas frentes de batalha?
E alguém viu sentados em Bruxelas credores privados, como bancos ou até fundos de pensões? A troca de dívida deixou-a toda na mão dos Europeus. E somos nós, os parceiros dos Gregos, que agora lhes queremos cortar as mãos. Com Portugal, Irlanda e Espanha incapazes de defender o nosso semelhante.

Parei este texto. Peguei na bicicleta e fui dar uma volta ao Parque Cinquentenaire, passando pela rotunda de Schuman, que esteve fechada dias a fio por causa da reunião. Uma rotunda fechada, que símbolo. Uma rotunda com o nome de um homem que inventou um plano para salvar a Europa, e com isso evitar para o mundo outra guerra mundial. Volto para casa ainda menos europeu.

A Europa morreu hoje - se um pouco ou muito, veremos. Deixámos cair o nosso semelhante, o nosso irmão grego, por meia dúzia de trocos. Apenas porque ele defendeu um princípio sagrado de um Estado que se preza: não tocar nas reformas dos que trabalharam toda a vida pelo seu sustento. E assim, lentamente, o projecto de Schuman foi vencido pelo "Establishment" que já acabou com o Estado-Providência.

Mas hoje, se a Europa morreu, a Grécia deu-nos uma lição de Democracia.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Até sempre

Caros leitores: não é uma decisão facilitista, não é uma decisão repentista. É uma decisão longa que vem de um lugar certeiro: eu não sei ser do meu tempo como o meu tempo quer que eu seja.

Há algo em mim fundamentalmente avesso à exposição pública, e mais, contra a rapidez e a omnipresença do mundo de hoje. Sabia isso antes, de longos passados, soube isso de novo quando passei cinco anos em manuscritos, reforcei absolutamente isso quando apresentei o meu romance despaís, sei isso hoje melhor, por penas e reflexão.

Há muito que vinha pensando nisto, e a realidade parecia confirmá-lo. Mas fui educado pensando que a progressão, e a luta contra obstáculos e dificuldades na minha própria personalidade é um progresso. O progresso do mundo que eu posso e devo começar a fazer, se quero criar progresso no mundo. Não seria eu que seria tímido, e com isso encostado à minha própria facilidade? Tentei combatê-lo, portanto. Da luta interior fazer escadas.

Percebo hoje que o meu caminho é outro. U…

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

Dezassete álbuns de 2017, parte I

Não é por nostalgia ou por me recusar à tecnologia que continuo a comprar CDs. Os motivos são inúmeros e merecem um outro "post". Mas para já, um argumento único, envelope desta selecção: não são uma realidade virtual recebida num écran, em que qualquer mecanismo tecnológico pode modificar as coordenadas do seu tempo; são saídos, impressos, gravados num objecto e distribuídos, são como a poesia, que é arte de fazer, mas também de concretizar o que não existia antes (como dizia Pierre-Jean Jouve).
Partilho dezassete albuns: os oito primeiros, saídos em 2017, reedições ou novidades  - feitos neste tempo por artistas de agora que procuram as raizes do antigo com as marcas do hoje. E estão aqui porque me marcaram neste tempo e serão por isso marcas do presente no futuro.
I. Last Leaf, The Danish String Quartet (ECM) Um som tão distante e antigo como uma floresta celta, onde o nosso sangue correu, ardeu e se levantou. Uma recordação de um lugar perdido bem longe no co…