Avançar para o conteúdo principal

Crôuvicas de Bruxelas: chegado chegante

Parou a bicicleta. À sua frente, o vento turbilhonava sem convicção, cuspindo umas gotas de chuva que não eram mas não deixavam de ser. O tempo em Bruxelas é como estar numa máquina de lavar. E depois é um tempo sem personalidade, sempre a mudar, nunca demasiado uma coisa nem demasiado outra, um contente neurasténico.
A bicicleta parou devagar. Ainda não estava habituado a ela. Tinha sido enganado na compra em 2a mão, as mudanças enlouqueciam na velocidade 4, mas havia sempre mais 3. E a verdade é que por mais que gostasse da sua velha bicicleta, um tinha andado a destruir o outro lentamente, com prejuízo para os ossos comuns.
Ao fundo, o pôr do sol sobre o Cinquentenaire. De onde tinha vindo aquele pôr do sol, quando há minutos era chuva e nuvens?
A mochila cheia de livros, com o portátil envolvido em burcas e burcas de sacos para não se molhar, e exercícios de gramática para os alunos. Acabava um dia de trabalho. Estava cansado. Deu por si a pensar em Inglês. De manhã não conseguia falar senão Francês, tinha um Alemão perfeito quando se irritava - sobretudo na bicicleta.
Tinha saudades de Berlim todos os dias. Às vezes, nos dias de chuva maior, podia jurar que cheirava ao Algarve, uma coisa entre impossível e distante, aquele cheiro de alfarroba, laranjeira, terra seca, figos e mar. Não eram saudades do Algarve, era uma certa forma de estar consigo mesmo. E os caminhos dourados e sozinhos entre Beja e Serpa, que lhe cortavam a garganta bem perto dos olhos. Sim, era desses lugares que tinha falta. Atravessar o Spree em Moabit, ver nascer o sol entre as árvores absolutas de Tiergarten, ver o pôr do sol na Praia dos Salgados entre sal e luz.
Não esperava ter percebido isso. Mas era a verdade, era inegável. A humidade de Bruxelas metia-se-lhe nos ossos, estava cansado da burocracia belga, de como a cidade acinzentava comportamentos e normalizava hábitos. Mas, de repente, compreendeu. Tinha chegado. Era, foi, é a vida que escolheu. E com o frio turbilhonante a meter-se nos gestos e a misturar-se com a água dos olhos, foi a tremer para casa, entre gratidão e gratidão.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

Até sempre

Caros leitores: não é uma decisão facilitista, não é uma decisão repentista. É uma decisão longa que vem de um lugar certeiro: eu não sei ser do meu tempo como o meu tempo quer que eu seja.

Há algo em mim fundamentalmente avesso à exposição pública, e mais, contra a rapidez e a omnipresença do mundo de hoje. Sabia isso antes, de longos passados, soube isso de novo quando passei cinco anos em manuscritos, reforcei absolutamente isso quando apresentei o meu romance despaís, sei isso hoje melhor, por penas e reflexão.

Há muito que vinha pensando nisto, e a realidade parecia confirmá-lo. Mas fui educado pensando que a progressão, e a luta contra obstáculos e dificuldades na minha própria personalidade é um progresso. O progresso do mundo que eu posso e devo começar a fazer, se quero criar progresso no mundo. Não seria eu que seria tímido, e com isso encostado à minha própria facilidade? Tentei combatê-lo, portanto. Da luta interior fazer escadas.

Percebo hoje que o meu caminho é outro. U…