Avançar para o conteúdo principal

Europe by train: crochet



A mochila cor-de-laranja, irrompia ela pela página em branco do meu caderno quando a telefonadeira fazia as alegrias das Telekom todas até Marte (o benévolo leitor que foi poupado a tal Parca queira clicar uma vez na seta no canto superior esquerdo para travar tal conhecimento interrompático).
Uma t-shirt preta, gasta nas letras da frente, ma non troppo. Um fio também preto segurando uma espécie de amuleto new age ao pescoço – mas tudo suave e descontraído tal como a forma como passou da adolescência para a idade adulta.  As calças de ganga coçadas, os ténis com meias curtas, os tornozelos com qualquer coisa de frágil, como se se pudesse quebrar a cada passo. Tira da mochila um saco de plástico; pela pressa, um farnel? Deduzi mal: duas agulhas e várias linhas, azuis e um verde afirmadamente alfácico.
Depois, foi só o tanger sistemático e preciso das agulhas, e o olhar focado, seguro, divertido. Estamos certamente num comboio entre Köln e Berlim, para um trintão recente de bigode acobreado e olhos amarelos tricotar contra todos os preconceitos da masculinidade. Sussurra-lhe, no breve espaço entre os telefonemas enxundiosos da vizinha da frente, qualquer coisa de simpático. Tem uma voz insegura, fala um Alemão rápido, de raspão, como o amor lhe aconteceu sempre na vida. E os tornozelos parecem mais fracos cada vez que se senta melhor na cadeira. É pequeno para Alemão, nem um 1,65 m, criança de mãe tardia. Nenhum poder de compreensão em que ofício trabalhará, se ainda é dos tempos da outra Alemanha, se é um novo capuchinho vermelho, agora capote negro, a visitar a avó sozinha em Dusseldorf, e a atravessar a grande floresta da Alemanha do Norte numa carruagem diurna.
Ele não tira os olhos das agulhas. E a cada volta, a caneta cor de laranja assenta no papel um risco, e ele não se perde nos movimentos precisos das mãos. Está careca já, sabe disso, mas recorda a intemporalidade da tia-avó e da mãe que já o teve demasiado tarde, e devolvem-lhe o chão que não tem os fios que liga a cada instante com elas.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Até sempre

Caros leitores: não é uma decisão facilitista, não é uma decisão repentista. É uma decisão longa que vem de um lugar certeiro: eu não sei ser do meu tempo como o meu tempo quer que eu seja.

Há algo em mim fundamentalmente avesso à exposição pública, e mais, contra a rapidez e a omnipresença do mundo de hoje. Sabia isso antes, de longos passados, soube isso de novo quando passei cinco anos em manuscritos, reforcei absolutamente isso quando apresentei o meu romance despaís, sei isso hoje melhor, por penas e reflexão.

Há muito que vinha pensando nisto, e a realidade parecia confirmá-lo. Mas fui educado pensando que a progressão, e a luta contra obstáculos e dificuldades na minha própria personalidade é um progresso. O progresso do mundo que eu posso e devo começar a fazer, se quero criar progresso no mundo. Não seria eu que seria tímido, e com isso encostado à minha própria facilidade? Tentei combatê-lo, portanto. Da luta interior fazer escadas.

Percebo hoje que o meu caminho é outro. U…

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

Dezassete álbuns de 2017, parte I

Não é por nostalgia ou por me recusar à tecnologia que continuo a comprar CDs. Os motivos são inúmeros e merecem um outro "post". Mas para já, um argumento único, envelope desta selecção: não são uma realidade virtual recebida num écran, em que qualquer mecanismo tecnológico pode modificar as coordenadas do seu tempo; são saídos, impressos, gravados num objecto e distribuídos, são como a poesia, que é arte de fazer, mas também de concretizar o que não existia antes (como dizia Pierre-Jean Jouve).
Partilho dezassete albuns: os oito primeiros, saídos em 2017, reedições ou novidades  - feitos neste tempo por artistas de agora que procuram as raizes do antigo com as marcas do hoje. E estão aqui porque me marcaram neste tempo e serão por isso marcas do presente no futuro.
I. Last Leaf, The Danish String Quartet (ECM) Um som tão distante e antigo como uma floresta celta, onde o nosso sangue correu, ardeu e se levantou. Uma recordação de um lugar perdido bem longe no co…