Avançar para o conteúdo principal

Crónicas de Berlinzâncio: da sobrevivência dos irmãos Grimm nas viagens de metro contemporâneas

Duas da manhã, o U7 faz a sua cavalgada de ferro, direcção Rathaus Spandau.
Ao meu lado, um tipo loiro, pé grande e clássico e imenso de teutão dá a mão a uma rapariga frágil e loira como se fosse uma flor e ela caísse nela própria. 
A barba dele, somando-se às bochechas vermelhas, fazem-no o melhor amigo de anjos e de princesas perdidas em florestas esmagadas, a que os seus tacões ajudarão a tremer de esperança. 
Eu acabo de sujar as calças do adolescente inquieto à minha frente, com a minha caneta. Só reparo quando ele se levanta; se ele vê alguma coisa fora dos casacos todos, do hoody, e dos auscultadores que parecem conter toda a Berliner Philarmoniker. Não houve desculpas nem perguntas; é uma hora nocturna em que as interacções sociais no ubahn se reduzem a espalhafato ou a nenhum facto. Em plena paragem Blisserstraße, ele sai afinal irritado e inquieto - mas sem dizer palavra ao escriba cansado que desenha imperceptíveis letras no caderno celeste.
O tipo loiro, com barba e pé imenso, é sem dúvida um irmão Grimm. São as suíças e o porte elegante com que se debruça todo nas pernas triunfais para agarrar a donzela fugidia, que mais se devia qualificar como fungizela. Voltou a pegar-lhe na mão. Não sei se é sensual, se ela é fugidia de facto, se ele fez algum erro e isto são mesuras de compensação. Se é tudo culpa da neve, e eles vão tentar derretê-la depressa. Mas de repente, no colar de pérolas debaixo do casaco e dos muitos cachecóis, e da maquilhagem que a torna subitamente mais fria, ela parece-me mais dragão que princesa. Até pela forma baforenta com que pega na mão dele, entre pacto ou pensamento de proposta - como Israel e Palestina em Camp David. A voz dele é bem colocada, é um suábio claro, ela berlinense. A história virá depois, penso enquanto saem comigo e seguem à minha frente, nos mesmos jogos de mesuras, um pouco mais lestos pelos -9º nevosos. Mas parece-me claro que Berlim para eles é uma floresta, onde ambos se encontraram. Ela parte daqui a uns meses. Jogam assim aos afectos físicos e às propostas nocturnas, mas a fungizela tem demasiados séculos de altas torres e espessos bosques no sangue. Vejo-os afastarem-se, cada vez mais longe, nas árvores de braços brancos e raízes frias.
Os dragões e princesas desenham e perdem os seus príncipes na neve.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

O que é o progresso?, parte I

Vivemos melhor do que há cem anos? Do que há cinquenta, do que há vinte?
A resposta pode ser mensurável de diversos ângulos: se temos mais conforto físico, com casas mais confortáveis e tecnologia que nos ajuda a criar bem-estar, e tecnologia que nos ajuda a poupar tempo no dia-a-dia. Se temos transportes rápidos que nos permitem gozar melhor o tempo e aproveitá-lo completamente. Se debelámos doenças, e se temos um sistema de saúde que permite enfrentá-las melhor e com mais protecção. Penso que ninguém se oporia que nos últimos cinquenta, vinte, dez anos, temos melhorado neste aspecto. Que atingimos progresso. Mas depois se formos olhar o que pode ser viver melhor, o que é progresso, em outros ângulos, a resposta pode não ser a mesma. Temos mais progresso social no mundo? Um filho de um homem desempregado, analfabeto, que vive numa casa de zinco nos arrabaldes de Nairobi, da Cidade do México ou de Kuala Lumpur, ou até de Boston ou Londres, tem possibilidades de fazer um curso univers…