Avançar para o conteúdo principal

Como apanhar um Coelho em duas cajadadas só

E na semana em que Passos Coelho poderia dizer (depois de muito tempo poder pensar, apostar e até cantar) que ganharia as próximas eleições, acabou de as perder.
Podem vir Seguros & Inseguros; défices tão abaixo de zero que se tornam superavits; visitas de D. Sebastião, descobrir-se petróleo na Brandoa, e canonizações dos seus padroeiros, que depois disto, nem com a Padeira de Aljubarrota nua só com a pá a limpar as contas do Estado ele chegaria lá. 
E Passos perdeu as eleições em dois gestos simples, sobre os quais não gastou muito tempo a pensar, e que deve ter achado duas soluções de génio, verdadeiramente indirectas, absolutamente inócuas depois de ter domado o monstro deficitário. Na primeira, agiu como aprendiz de mentalista; no segundo, como uma sogra em fúria. O resultado: está a cozer em lume brando.
1. Co-adopção
Mandou os meninos do seu partido arrumar a co-adopção de forma que parecesse correcta, jovem e inócua. Tudo correu mal: foi incorrecta para todos, de legislados a legisladores; retrógrada, porque pôs a juventude do seu partido a pensar como a rainha Vitória, e porque esqueceu sobre quem se legisla e sobre o dever protectivo do Estado, e não sobre a "paneleiragem que quer ter putos" (como um certo líder da Juventude pôs no FB); e foi ofensiva quando procurou ser inócua, porque atacou o que a Direita tanto gosta de chamar como "a base da sociedade", a família. Ao ir contra o princípio do afecto e da protecção, de laços afectivos que defendem crianças em risco, mostrou que princípios não tem, só conveniências eleitorais.
2. Marcelo
A história da moção que fala do candidato perfeito que não deve ser "um catavento" claramente colocava o Professor Marcelo fora da corrida.
Passos Coelho queria fechar-lhe o caminho. Mas acabou por fazer o inverso.
Ao fazê-lo, libertou Marcelo do pior peso morto para as Presidenciais: um partido gasto do poder, sem líder real, pesado e amorfo. Agora pode ser candidato sem qualquer ligação partidária, como deve ser um candidato presidencial. E se o PSD quiser juntar-se, é problema do partido. 
Mais: deixou Marcelo com uma agenda completamente livre para estabelecer um programa presidencial que pode ir fora da área do "arco do poder".
E, sobretudo, provocou o debate, que revelou os poucos e incapazes candidatos que a Direita pode oferecer.
Marcelo acabou de ser eleito, se quiser.
E Passos Coelho acabou de perder.

Nesta semana, Coelho foi apanhado em duas cajadadas só; agora é vê-lo a deixar-se cozer em lume brandíssimo durante o próximo ano.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

O que é o progresso?, parte I

Vivemos melhor do que há cem anos? Do que há cinquenta, do que há vinte?
A resposta pode ser mensurável de diversos ângulos: se temos mais conforto físico, com casas mais confortáveis e tecnologia que nos ajuda a criar bem-estar, e tecnologia que nos ajuda a poupar tempo no dia-a-dia. Se temos transportes rápidos que nos permitem gozar melhor o tempo e aproveitá-lo completamente. Se debelámos doenças, e se temos um sistema de saúde que permite enfrentá-las melhor e com mais protecção. Penso que ninguém se oporia que nos últimos cinquenta, vinte, dez anos, temos melhorado neste aspecto. Que atingimos progresso. Mas depois se formos olhar o que pode ser viver melhor, o que é progresso, em outros ângulos, a resposta pode não ser a mesma. Temos mais progresso social no mundo? Um filho de um homem desempregado, analfabeto, que vive numa casa de zinco nos arrabaldes de Nairobi, da Cidade do México ou de Kuala Lumpur, ou até de Boston ou Londres, tem possibilidades de fazer um curso univers…