Avançar para o conteúdo principal

BOZAR Book Club - Brussels, January 21st 2014.

BOZAR BOOK CLUB - Pedro Sena-Lino

Fernando Pessoa, The Book of disquiet (ENG)


In the BOZAR BOOK CLUB book-lovers spend an evening talking about a book under the expert guidance of a well-known moderator. If you can understand the moderator's language, you are welcome to come along, even if you don't speak it.

Fernando Pessoa, Portugal’s national poet, wrote under at least eighty different names. In his prose masterpiece, The Book of Disquiet, he is Bernardo Soares, “assistant bookkeeper in the city of Lisbon,” a lonely man whose fragmentary record of his life, an “autobiography without facts,” is an unforgettably beautiful attempt to answer the questions of a modern Everyman: Why am I here? What am I to do with myself?

Benjamin Moser, the moderator of the english Book Club, is unfotunately unable to come and will be replaced by Pedro Sena-Lino.

Pedro Sena-Lino (1977) is a Portuguese writer, living in Berlin. He published poetry, novels and children books. He’s the founder of the creative writing school Companhia do Eu (Society of the Self) and has a PhD on the 17th century catholic nun/writer Feliciana de Milã. His latest novel Despaís (Uncountry) (2013), a political science fiction novel about the end of Portugal,  a controverse book. His work is translated in Croatian, English, French, German and Japanese.


http://www.bozar.be/activity.php?id=14050&selectiondate=2014-01-21

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

O que é o progresso?, parte I

Vivemos melhor do que há cem anos? Do que há cinquenta, do que há vinte?
A resposta pode ser mensurável de diversos ângulos: se temos mais conforto físico, com casas mais confortáveis e tecnologia que nos ajuda a criar bem-estar, e tecnologia que nos ajuda a poupar tempo no dia-a-dia. Se temos transportes rápidos que nos permitem gozar melhor o tempo e aproveitá-lo completamente. Se debelámos doenças, e se temos um sistema de saúde que permite enfrentá-las melhor e com mais protecção. Penso que ninguém se oporia que nos últimos cinquenta, vinte, dez anos, temos melhorado neste aspecto. Que atingimos progresso. Mas depois se formos olhar o que pode ser viver melhor, o que é progresso, em outros ângulos, a resposta pode não ser a mesma. Temos mais progresso social no mundo? Um filho de um homem desempregado, analfabeto, que vive numa casa de zinco nos arrabaldes de Nairobi, da Cidade do México ou de Kuala Lumpur, ou até de Boston ou Londres, tem possibilidades de fazer um curso univers…