Avançar para o conteúdo principal

Israeli Blues: Lost in Hill/ Hell


 
Este Inverno de 24 graus estava um pouco mais ameno naquele 4 de Dezembro, e decidi ir a Jaffa (na verdade, praticamente a “baixa” de Tel-Aviv), duas ruas abaixo, para ver se conseguia ver a casa onde S. Pedro dormiu e teve o célebre sonho que tornou o Cristianismo uma religião universal. O episódio é particularmente interessante, mesmo para os meus leitores que estão já a coçar-se receando que esteja a beatar:

«E no dia seguinte, indo eles seu caminho, e estando já perto da cidade, subiu Pedro ao terraço para orar, quase à hora sexta.
E tendo fome, quis comer; e, enquanto lho preparavam, sobreveio-lhe um arrebatamento de sentidos,
E viu o céu aberto, e que descia um vaso, como se fosse um grande lençol atado pelas quatro pontas, e vindo para a terra.
No qual havia de todos os animais quadrúpedes e feras e répteis da terra, e aves do céu.
E foi-lhe dirigida uma voz: Levanta-te, Pedro, mata e come.
Mas Pedro disse: De modo nenhum, Senhor, porque nunca comi coisa alguma comum e imunda.
E segunda vez lhe disse a voz: Não faças tu comum ao que Deus purificou.
E aconteceu isto por três vezes; e o vaso tornou a recolher-se ao céu.»
Atos 10:9-16

Isto queria então dizer que já não havia distinção funcional entre alimentos puros e impuros, e que a nova fé podia ser transmitida mesmo aos não-Judeus.

Ora, era esta casa de Simão que eu queria encontrar. Mas estava fechada, e penso que está sempre fechada. Mas isso não acabou por ser relevante, pelo passeio que dei antes, e pela conversa que tive com um Franciscano. Estava eu perdido entre a cidade nova e a velha, encontro uma Igreja franciscana, e claro, com um dos seus santos espécimes vestido de acordo.
- Como é que chego à Igreja de S. Pedro? – perguntei.
O Inglês dele não era o melhor, mas lá me indicou.
- You see building? Go building. Then left. And down the hell.
Era “down the hill”, mas de facto: só se encontra algo depois de passar pelo inferno.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

Até sempre

Caros leitores: não é uma decisão facilitista, não é uma decisão repentista. É uma decisão longa que vem de um lugar certeiro: eu não sei ser do meu tempo como o meu tempo quer que eu seja.

Há algo em mim fundamentalmente avesso à exposição pública, e mais, contra a rapidez e a omnipresença do mundo de hoje. Sabia isso antes, de longos passados, soube isso de novo quando passei cinco anos em manuscritos, reforcei absolutamente isso quando apresentei o meu romance despaís, sei isso hoje melhor, por penas e reflexão.

Há muito que vinha pensando nisto, e a realidade parecia confirmá-lo. Mas fui educado pensando que a progressão, e a luta contra obstáculos e dificuldades na minha própria personalidade é um progresso. O progresso do mundo que eu posso e devo começar a fazer, se quero criar progresso no mundo. Não seria eu que seria tímido, e com isso encostado à minha própria facilidade? Tentei combatê-lo, portanto. Da luta interior fazer escadas.

Percebo hoje que o meu caminho é outro. U…