Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Agosto, 2013

Lyrikline relaunch

A lyrikline, o maior site de poesia do mundo (que inclusivamente recebeu um prémio da UNESCO) foi remodelado. Está de cara lavada  aqui.
O relançamento do site tem lugar no próximo dia 1 de Setembro às 19h de Berlim (18h em Portugal) e pode ser seguido online via streaming. Eu tomarei parte, muito feliz por poder celebrar um site onde vou frequentemente ouvir poesia pela voz dos próprios poetas; e também por poder, com a minha voz, ser presença da língua portuguesa nos cinco continentes.

We need more men like Jamie Kirchick

Ainda há gente destemida: é o caso do meu amigo Jamie, que há dias teve um gesto corajoso em plena televisão russa. A notícia pode ser lida aqui. Por mim, fico feliz que haja pessoas que tenham um conjunto de valores e que sacrifiquem a sua própria segurança por eles. E é fácil considerar alguém "oportunista" quando se põe na primeira fila da batalha. Mas são estes gestos que criam mudanças.

Crónicas de Berlinzâncio: Cemitério de Brecht, parte II

E agora o poema, escrito em 2008 e publicado já em vários lugares. Uma excelente versão inglesa pode ser encontrada aqui.


Crónicas de Berlinzâncio (let's skip the counting): Cemitério de Brecht, parte I

O I. nunca tinha ido ao Cemitério de Brecht.  - Os Cemitérios aqui não são como na tua terra nem na minha - disse-lhe. - Mas a morte aqui está em toda a parte - disse-me enquanto passeávamos com um cigarro, de olho na viúva eterna que parece eternamente regar a campa do marido. - São jardins para o infinito. Contei-lhe que quando tive a notícia de que ia ficar por mais tempo em Berlim, estava aqui. Que a primeira vez que vim a Berlim, o Tiago me trouxe aqui e que por causa disso um poema precisou de mim, deste espaço. - O meu espaço de trabalho é entre as palavras e as reacções. É um espaço enorme. Às vezes é um cemitério. O I. e eu continuámos a discutir que árvore seria a mais feliz do cemitério. Pedi-lhe que me tirasse uma fotografia junto do túmulo, porque só tinha a que postarei no próximo post, tirada no dia da notícia, 17 de Novembro. E eu queria uma com o Brecht. - Para te pôr ao lado dele, Pedro, tenho de tapar a Helene. Achas que ela se importa?
Achei mentalmente que a He…

what do poets without words do

they try to take pictures:
http://www.flickr.com/photos/uncountry/

Crítica de José Carlos Fernandes ("Time Out") a despaís

Publico em seguida a crítica de José Carlos Fernandes a despaís, jóia com a qual encerro este período em que o blogue esteve ocupado pelo romance.
Estou muitíssimo grato a José Carlos Fernandes pela sua leitura do livro. Sobretudo pela extraordinária construção retórica, que analisa o livro com inacreditável veemência e superficialidade. Como não há uma grelha de leitura que me faça, a mim como leitor, perceber o que separa despaís da Ficção Científica série Z, tornar-me-ei o mais sequioso leitor do sr. José Carlos Fernandes, para perceber o quê - e sobretudo porquê e como - ele considera boa literatura.

despaís: entrevista ao "JN"

Partilho em seguida a totalidade da entrevista a Sérgio Almeida que foi publicada a 21-07 no "JN".


no lançamento de despaís

Publico o texto que li na apresentação de despaís, no dia 12 de Julho de 2013, no Grémio Literário de Lisboa.