Avançar para o conteúdo principal

Um Hino, para nos prepararmos para o pior

Estou a escrever um novo livro, muito ao som da banda sonora que coloco em vídeo, com as letras para ser devidamente apreciada. O conteúdo revelará também sobre o que estou a escrever...

Mas não é só para mostrar a mestria dos "The Divine Comedy" que serve este post. Para mim, Neil Hannon dos "Divine", com Rufus Rainwright, são os dois maiores songwriters actuais (o Rufus está um bocado na mó de baixo, mas voltará à tona, estou certo; matéria para outro "post").

 
Serve só para dar conta da minha preocupação, somada a sondagens preocupantes, somada a emails de amigos americanos. É bastante possível que Romney ganhe as eleições americanas. Se formos a pensar, com a única excepção da Fraulein Merkel, todos os governantes no poder durante a explosão da crise foram "evacuados" dos seus lugares. Será o caso de Obama?
Os americanos nunca entenderam o "Obamacare"; por outro lado, aquele Prémio Nobel da Paz atou as mãos a um Presidente que queria ser mais europeu e que acabou por ser mais asiático e interventivo nacionalmente. É curioso como as agendas políticas pré-eleições ficam todas ao contrário. Bush filho queria ser um Presidente interventivo nacionalmente, e foi a tragédia que se sabe.

Dizia-me há dias um amigo meu que a direita americana é o mal encarnado. Penso é que é absolutamente verdade (com o sublinhado de que estes não gostariam de estar associados a essa cor). E todos os Presidentes republicanos moderados têm de namorar com a direita religiosa, ou conseguem nada. Será o caso de Romney se for eleito. Mas preparemo-nos para grandes defesas do capitalismo financeirista, mais até do que com Obama (que se reuniu de conselheiros completamente relacionados com a bolha de especulação). Nada de bom poderá vir daqui: um presidente Romney fraco nas mãos de especuladores será a pior coisa que pode acontecer ao mundo neste momento. Se acreditarmos que a América ainda tem peso no mundo; ou se, de facto, tudo se passa na City e nos fundos geridos pela Ásia. E, para estes, que deviam ouvir a canção dos "Divine Comedy", qualquer presidente serve.

NB: Com isto mando um abraço aos leitores do blogue que estão nos Estados Unidos, com uma notícia: em Outubro, excederam largamente os leitores portugueses e alemães do blogue. Parabéns pela paciência - e obrigado.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

Até sempre

Caros leitores: não é uma decisão facilitista, não é uma decisão repentista. É uma decisão longa que vem de um lugar certeiro: eu não sei ser do meu tempo como o meu tempo quer que eu seja.

Há algo em mim fundamentalmente avesso à exposição pública, e mais, contra a rapidez e a omnipresença do mundo de hoje. Sabia isso antes, de longos passados, soube isso de novo quando passei cinco anos em manuscritos, reforcei absolutamente isso quando apresentei o meu romance despaís, sei isso hoje melhor, por penas e reflexão.

Há muito que vinha pensando nisto, e a realidade parecia confirmá-lo. Mas fui educado pensando que a progressão, e a luta contra obstáculos e dificuldades na minha própria personalidade é um progresso. O progresso do mundo que eu posso e devo começar a fazer, se quero criar progresso no mundo. Não seria eu que seria tímido, e com isso encostado à minha própria facilidade? Tentei combatê-lo, portanto. Da luta interior fazer escadas.

Percebo hoje que o meu caminho é outro. U…