Avançar para o conteúdo principal

Cinco anos de pastor manuscrítico


Cinco anos.
Cinco anos dentro de uma baleia, à procura de manuscritos. Dentro de um tempo natural mas suspenso, à procura do suspenso natural
Nunca me dediquei tanto tempo a um projecto.
Durante anos, achei que quando alguém dizia "ai, os doutoramentos são terríveis" era apenas conversa de malandro. Lamento incluir aqui alguns amigos, mas eles mesmos sabem que eu paguei bem cara a conta deste "achamento".
Acordar, dia após dia, e sentir que mais um pedaço do meu pequeno cérebro estava ocupado com mais uma informação, e que estas se iam empilhando ao ponto em que eu já não sabia quem ocupava quem. Lembrar-me melhor de uma coisa que se passou há quatro séculos do que o que tinha comido esta manhã. Preocupar-me mais com o que certa pessoa fez ou quis fazer em 1667 do que com as más notas a Português de um dos meus sobrinhos.
E papéis, papéis, papéis. Maravilhosos, antigos. Começou por ser um ansiedade apaixonada no estômago. Acabou numa úlcera.
Acabou. Quer dizer, o doutoramento ainda não acabou, mas acabei a redacção. Esperam-me uns largos meses de revisão. Mas pus todas as cartas no monte. Cinco anos a fazer um castelo de cartas que teimava sempre em cair (e as respostas estavam, como sempre, no chão). Agora é só limpar e arrumar.

A beleza de tudo isto (uma beleza cansada, como o fim de um longo dia de Verão): sentir que volto a pertencer-me. A tristeza bela de perder tudo isto: a sensação de que fui de outra coisa, de outro ser, quase de outro tempo. E com esse tempo, procurei combater a frágil, quebradiça e ingrata memória humana.

Aos leitores: as crónicas voltaram.

Comentários

É bom, é bom! Conheço a sensação de voltar a ser dono de nós mesmo e do nosso tempo, descansar a cabeça de uma preocupação que se enraíza por dentro de nós e que não conseguimos podar, por mais que tentemos. Mas, infelizmente, lamento dizer-te que ainda não és completamente dono de ti novamente. Isso só acontecerá no dia em que defenderes essa tese e no fim partirmos uns copos de vinho sobre ela. Lá estarei nesse dia.

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

O que é o progresso?, parte I

Vivemos melhor do que há cem anos? Do que há cinquenta, do que há vinte?
A resposta pode ser mensurável de diversos ângulos: se temos mais conforto físico, com casas mais confortáveis e tecnologia que nos ajuda a criar bem-estar, e tecnologia que nos ajuda a poupar tempo no dia-a-dia. Se temos transportes rápidos que nos permitem gozar melhor o tempo e aproveitá-lo completamente. Se debelámos doenças, e se temos um sistema de saúde que permite enfrentá-las melhor e com mais protecção. Penso que ninguém se oporia que nos últimos cinquenta, vinte, dez anos, temos melhorado neste aspecto. Que atingimos progresso. Mas depois se formos olhar o que pode ser viver melhor, o que é progresso, em outros ângulos, a resposta pode não ser a mesma. Temos mais progresso social no mundo? Um filho de um homem desempregado, analfabeto, que vive numa casa de zinco nos arrabaldes de Nairobi, da Cidade do México ou de Kuala Lumpur, ou até de Boston ou Londres, tem possibilidades de fazer um curso univers…