Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Julho, 2011

morreu a energia coerente

Penso, a cada passagem de alguém desta vida breve para a vida total, que vou aprendendo a morte; que a morte dos outros é uma escada, uma aprendizagem da minha própria morte. E por isso estranho, hoje, como a morte de alguém que eu não conhecia me pode impressionar tanto.
Falo de Maria José Nogueira Pinto (1952-2011). Não sendo de todo da minha área política, admirei sempre nela a grandeza do olhar, simultaneamente sobre o mais pequeno do humano, e o todo de sentido em que tudo se integra. Admirei a frontalidade, a independência, os valores - nessa totalidade que se chama coerência e que cada vez mais é um bem de primeira necessidade em falta. Admirei sempre a sua energia coerente, que - penso que ela nunca soube - era um dos pilares éticos deste país.
Só posso por isso desejar que cada intervenção, cada gesto, cada atitude, possa deixar marcas, possa deixar esse trabalho invisível e fecundo que perdurará. É em casos assim que a morte não vence, mas frutifica.