Avançar para o conteúdo principal

Recuperar

A Greve geral de 24 de Novembro em Portugal foi um sucesso.
E este sucesso é maior porque acredito que todas as pessoas que trabalham tomaram uma decisão difícil: para já, de verem cortada dos seus ordenados uma parte do seu rendimento; e depois, de perceberem que era um sinal difícil de dar, pela indiferença do Governo e da Europa, e pela crise, não só nacional, em que cada gesto de revolta bate num muro de silêncio maior: «é mundial, pouco posso fazer, pouco vale o meu gesto».
A Europa tem de perceber, com esta greve e as restantes, que o Estado Providência que gerou no pós-guerra não é um sonho que acabou. Terá de ser reformulado, mas não pode ser morto. Este Estado Providência gerou uma das maiores épocas de prosperidade económica e cultural da história da Europa, já sem falar na paz e na unidade.
Cada um vale na Europa, não somos uma massa amorfa, somos um conjunto de democracias. Cada um vale, no voto e na acção. A greve relembra isso a cada instante. E se a crise que temos é devida à existência de um mundo em que o sistema bancário ultrapassou os seus limites de poder, tornando-se não um instrumento, mas uma tortura; e se a crise que temos é devida à emergência de economias que desrespeitam os seres humanos não lhes dando o básico para viver, nem a liberdade, então a Europa deve acordar. Os últimos dez, quinze anos, foram de esquecer-se de si própria, de manter a todo o custo um estado de coisas sem querer agir. Agora é o momento de reformular-se por dentro. Sendo a mesma, adaptando-se. Hoje o grito de cada um fez-se ouvir - é assim a Europa.

Comentários

Castor disse…
Confrontei-me no dia 24 com uma greve. A da minha memória. Um acto de revolta, suponho. Quando as ruas deixam de ter chão e o ar fica sem ar, ela perde-se. De mim, dela, de nós.
Procurei-a. Em vão. Fez greve.
Deixou-me só por terem arrancado da cidade Luz o que ela tinha de melhor.
Anónimo disse…
O Estado-Providência não será um sonho morto, tanto quanto uma inconveniência para as correntes políticas e económicas actuais.

Uma inconveniência até aos olhos do mais comum dos indivíduos, embevecido pelas promessas do grande oásis do privado, pelas miragens do empreendedorismo. Dos fracassados e abandonados não reza o neoliberalismo.

E porque homo homini lupus, vejo o vilipendiar dos grevistas, apontando-se-lhe as culpas de tudo, como se pudessem subitamente infectar o nosso puro espírito trabalhador e todas as formas de protesto fossem ilegítimas.

Meu caro, preocupa-me. É uma endémica falta de solidariedade e empatia, a incapacidade de cada um de nós poder rever-se nos protestos de terceiros, incapazes de considerarmos a possibilidade do nosso próprio falhanço e desresponsabilizando-nos, optando antes pela culpabilização de acções alheias.

Preocupa-me mesmo.
Castor disse…
Supondo, digo bem supondo, que o último post me tenha sido dirigido, não poderia estar mais de acordo com a sua última afirmação:«preocupa-me mesmo», neste caso a sua falta de capacidade de leitura nas entrelinhas.
Meu caro, o meu post referia-se tão somente à viagem que realizei a Paris no dia 24 de Novembro. A greve a que me refiro, é a da minha memória face a uma capital que encontrei transformada nos seus valores.
Um post pessoal que nada tem que ver com a greve trabalhista que não presenciei e sobre a qual não me pronunciei.
Meu caro, preocupa-me. Que leia o que ambiciona contrapor e não o que tem diante dos seus olhos.

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

O que é o progresso?, parte I

Vivemos melhor do que há cem anos? Do que há cinquenta, do que há vinte?
A resposta pode ser mensurável de diversos ângulos: se temos mais conforto físico, com casas mais confortáveis e tecnologia que nos ajuda a criar bem-estar, e tecnologia que nos ajuda a poupar tempo no dia-a-dia. Se temos transportes rápidos que nos permitem gozar melhor o tempo e aproveitá-lo completamente. Se debelámos doenças, e se temos um sistema de saúde que permite enfrentá-las melhor e com mais protecção. Penso que ninguém se oporia que nos últimos cinquenta, vinte, dez anos, temos melhorado neste aspecto. Que atingimos progresso. Mas depois se formos olhar o que pode ser viver melhor, o que é progresso, em outros ângulos, a resposta pode não ser a mesma. Temos mais progresso social no mundo? Um filho de um homem desempregado, analfabeto, que vive numa casa de zinco nos arrabaldes de Nairobi, da Cidade do México ou de Kuala Lumpur, ou até de Boston ou Londres, tem possibilidades de fazer um curso univers…