Avançar para o conteúdo principal

No lançamento do manual de Autobiografia



No passado dia 17 de Novembro foi na Bertrand-Chiado, lançado o Manual de Autobiografia, com o título A minha vida num livro, publicado pela Porto Editora. O texto que se segue encerrou a sessão.
Quando em 2003, depois de três anos a dar cursos de escrita criativa, me decidi a dar um curso de autobiografia, alguns colegas escritores e professores de escrita criativa disseram-me: «estás absolutamente doido. Tens noção de como na autobiografia não há fronteiras desenhadas?». Sabia. Era essa a minha história, a história de um rapaz de 18 anos que entrou na Companhia de Jesus e a quem foi dito, como a tantos desde há 500 anos atrás: chegaste aqui, vais começar uma vida nova; não podes esquecer a tua vida anterior, não vens aqui para fugir de nada, mas para aceitares tudo e daí tirares novas forças. Então começa por escrever a tua autobiografia. O meu trabalho com a autobiografia, ou melhor dizendo, o trabalho da autobiografia comigo, começou aí. E por isso estou grato a essa espécie de mãe que foi essa instituição, a Santo Inácio, que teve a coragem de escrever a sua, e ao Padre Dário Pedroso, que me fez alargar, aprofundar, morrer e ressuscitar cada linha escrita de vida.
O trabalho com a autobiografia é o mais difícil na vida de um orientador de escrita criativa. Não se produzem exercícios onde se reconheça ou alcance uma progressão técnica ou temática; não se criam também jardins egocêntricos auto-comiserativos. Não: a autobiografia como processo de escrita criativa tem quatro braços, como a deusa Vishnu: um primeiro de confiança, daquele que escreve em si mesmo; depois de confiança, deste em relação ao orientador; um terceiro, mineral e mineiro: de perceber que a memória é uma gruta e a autobiografia como processo as ferramentas; e que um se tornará o outro, misturados nas profundidades de si mesmos, fusos mas não confusos pela colheita luminosa e brilhante que de um no outro sairá. Um último braço, o resultado.
Aqui páro. Mas quero antes dizer que o trabalho com a autobiografia é o coração do meu trabalho como orientador de escrita criativa e também o coração da Companhia do Eu. Nós, toda a equipa da Companhia e eu próprio, não existimos como uma forma bem arquitectada de instilar sonhos falsos a pessoas com projectos altos; não procuramos atrair líricos e sugar-lhes mensalidades ao fim do mês com cantos de tritões; não queremos muito menos a criação de um grupo terapêutico soft e confortavelzinho, onde o pior significado do lexema escola redobre tiques e mantenha adorações. O que queremos é que cada um que decide escrever esteja disposto a escrever-se. A procurar no mais fundo de si o que o caracteriza, o que é a marca da sua unicidade, aquilo que é a sua raiz: e depois de o descobrir, escrevendo, levá-lo mais longe, quero dizer mais fundo, e criar um mundo novo para si e para os outros. Não há nada mais simples, mas as coisas verdadeiramente simples é que são as mais complexas, porque os seus ângulos são espelhos para o infinito.
O que quero como resultado destes cursos, e também deste livro que aqui hoje ganha destinatários e asas, é a criação de comunidades escritas feitas a partir de sujeitos fortes, que tiram o sentido através de um trabalho sério, gozoso e continuado de si mesmos. Penso sempre que é por isso que estamos nesta terra não sozinhos mas multiplicadamente acompanhados por biliões de seres: porque a fome de cada um ultrapassa a pele, e o que nos separa é a necessidade de podermos matar a sede uns aos outros com o sentido a buscar no fundo de cada um. Com a partilha de um conhecimento único, o conhecimento profundo de cada um por si mesmo – com o tirar água de si mesmo.
Acredito que uma narrativa pode salvar: é assim com a Bíblia, é assim com o Corão, é assim com milénios de Literatura que criaram a identidade em que cada ser encontra o veículo e o enigma em que pode achar-se e superar-se, e assim transgredir os limites da sua própria dimensão original.
Acredito que a narrativa de um sujeito por si mesmo é duplamente salvífica: porque resgata o sujeito das prisões que a si mesmo se impõe, que o seu super-ego deslimita, que o açaime da sociedade actual impõe. E porque pode, de autor-narrador ao seu leitor, provocar o mesmo movimento de liberdade interior, levando o sujeito leitor a tornar-se ele mesmo sujeito-narrador de si próprio.
Há anos, quando estudei o conceito de identidade, tornou-se para mim muito claro que um dos maiores desafios actuais do Ocidente é o resgate e a renovação desse conceito. Nele está resumida e concentrada toda a potência de bem-estar e qualidade de vida, de conhecimento e de liberdade, pelo qual o Ocidente lutou e construíu durante quase três milénios. Escrever a autobiografia, hoje, é reclamar a propriedade de si próprio: em última e em primeira análise, sem qualquer tipo de lirismos, é isso que se pretende. Um indivíduo contra a massa, contra a sociedade ocidental de hoje em que o controle sobre o sujeito é muito mais alargado, complexo e limitante do que era há vinte, trinta ou quarenta anos. Dos sigilos perdidos de todos os aspectos da vida financeira pessoal; ao controle das movimentações geográficas e de propriedade; à tentativa de renovação do poder fiscalizador do sujeito pelas religiões, sobretudo pela Igreja Católica; às vigilâncias e proibições veladas a direitos fundamentais como a greve; à imposição de padrões comportamentais, ou à suposta redução da vida de pensamento sobre a polis já sem ideologias – agora o que temos são partidos-simplificação. Ou, por último e bem pior, ao rasuramento lento e orquestrado de toda a vida cultural, das características nacionais, à leitura, ao cinema, ao teatro, sob a capa dos controles orçamentais. Da fast food ao fast-welfare, à fast-people.
Escrever a autobiografia é religar o sujeito à sua própria liberdade: é um acto de resistência, um acto de desobediência civil e interior.
Espero que este livro possa começar um processo que espero nunca mais termine. Porque construir-se, no tempo e no espaço, encontrar a sua própria duração no tempo, é o modo como caminhamos neste mundo, a nossa pegada sobrenatural.

Comentários

Este comentário foi removido pelo autor.
Estou bastante surpreso com o que minha navegação pela web trouxe-me hoje: o seu blog. Li os últimos três posts e, por ora, preciso dizer que preciso desse seu Manual. É engraçado: seu modo de escrever faz-nos desejar dizer-lhe que queremos ler ainda mais o que você escreve. Fiquei particularmente impressionado e, sobretudo, com a urgência com que você escreve, bem como com o traço da personalidade europeia que nos é desvelada (ao menos por esses três exemplos de crônicas que li): algo contemporânea e premente. Qual a editora do Manual? Há distribuição no Brasil? Estou em São Paulo.

PS: Precisei remover o texto no registro anterior porque notei que faltava uma palavra... Mas era essência esse mesmo. ;-)

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

O que é o progresso?, parte I

Vivemos melhor do que há cem anos? Do que há cinquenta, do que há vinte?
A resposta pode ser mensurável de diversos ângulos: se temos mais conforto físico, com casas mais confortáveis e tecnologia que nos ajuda a criar bem-estar, e tecnologia que nos ajuda a poupar tempo no dia-a-dia. Se temos transportes rápidos que nos permitem gozar melhor o tempo e aproveitá-lo completamente. Se debelámos doenças, e se temos um sistema de saúde que permite enfrentá-las melhor e com mais protecção. Penso que ninguém se oporia que nos últimos cinquenta, vinte, dez anos, temos melhorado neste aspecto. Que atingimos progresso. Mas depois se formos olhar o que pode ser viver melhor, o que é progresso, em outros ângulos, a resposta pode não ser a mesma. Temos mais progresso social no mundo? Um filho de um homem desempregado, analfabeto, que vive numa casa de zinco nos arrabaldes de Nairobi, da Cidade do México ou de Kuala Lumpur, ou até de Boston ou Londres, tem possibilidades de fazer um curso univers…