Avançar para o conteúdo principal

100 anos de República, II

Não celebramos o fim da Monarquia, que como notava Pedro Mexia, teve um último rei decente e renovador, que não teve margem nem tempo para ser quem queria ser (um pré-Marcelo Caetano, afinal).

Com todo o respeito aos meus amigos monárquicos, e tenho vários, a Monarquia é um sistema caduco, assente na ideia inenarrável de que uma família de casamentos estratégicos tem prevalência sobre todas as outras; que sobre esta teia pode gerar símbolos nacionais paternalistas; que a figura de um homem que representa o sangue continuado pode assegurar as necessidades de representação de um país. Compreendo que se olhe para Espanha e se veja na figura de Juan Carlos algo que se deseja imitar: mas foi apenas a muralha que evitou uma guerra civil sangrenta, um corajoso que levou o país à Democracia, uma cola em formato de conto de fadas que colou um país que nunca o foi (dêem-lhe uma crise económica à Islandesa e teremos os Catalães a sair a correr). Compreendo que se olhe para Inglaterra e se pense: mas sabem precisamente bem, como talvez alguns espanhóis ou Franco antes disso, que sem uma figura neutra não se colam cacos de séculos entre Galeses, Escoceses e Ingleses.

Por outro lado, também não concordo que a República tenha trazido todas as luzes: na verdade, vivemos apenas 52 dos 100 anos da República – contas feitas, os 16 anos da I República, os 36 desde o 25 de Abril: o resto foi uma ditadura com um joguete no papel de Presidente. Houve desenvolvimento, mas houve-o em toda a Europa, e de 1830 até 1910 também se desenvolveu muito o país. Sim, houve uma certa ideia nacional renovada, que foi o projecto de querer mudar o regime, mas já falei nisso. Houve um investimento na educação, sim, talvez a grande ideia - mas que deixaria envergonhados de morte os nossos pais republicanos se vissem agora o desinvestimento e a falta de objectos e objectivos do sistema de educação actual.

Uma nova República era a melhor forma de celebrá-la. Com um novo contrato social, e uma nova divisão de poderes. Um Presidente com poder, eleito com um objectivo preciso, e capacidade para verdadeiramente supervisionar o Governo; um Parlamento menos dependente de partidos e mais de uma ligação regional (é no parlamento que se deve fazer a regionalização, não no território); um Governo mais executante e que tirasse de uma vez as mãos da Justiça.

Celebrar a República é reinventá-la.

Comentários

Carlos Pires disse…
Como? Onde é que estão os republicanos? Como dizia o outro: está bem, um acordo de cavalheiros para tirar Portugal da crise, mas onde estão os cavalheiros?

Mensagens populares deste blogue

Até sempre

Caros leitores: não é uma decisão facilitista, não é uma decisão repentista. É uma decisão longa que vem de um lugar certeiro: eu não sei ser do meu tempo como o meu tempo quer que eu seja.

Há algo em mim fundamentalmente avesso à exposição pública, e mais, contra a rapidez e a omnipresença do mundo de hoje. Sabia isso antes, de longos passados, soube isso de novo quando passei cinco anos em manuscritos, reforcei absolutamente isso quando apresentei o meu romance despaís, sei isso hoje melhor, por penas e reflexão.

Há muito que vinha pensando nisto, e a realidade parecia confirmá-lo. Mas fui educado pensando que a progressão, e a luta contra obstáculos e dificuldades na minha própria personalidade é um progresso. O progresso do mundo que eu posso e devo começar a fazer, se quero criar progresso no mundo. Não seria eu que seria tímido, e com isso encostado à minha própria facilidade? Tentei combatê-lo, portanto. Da luta interior fazer escadas.

Percebo hoje que o meu caminho é outro. U…

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

Dezassete álbuns de 2017, parte I

Não é por nostalgia ou por me recusar à tecnologia que continuo a comprar CDs. Os motivos são inúmeros e merecem um outro "post". Mas para já, um argumento único, envelope desta selecção: não são uma realidade virtual recebida num écran, em que qualquer mecanismo tecnológico pode modificar as coordenadas do seu tempo; são saídos, impressos, gravados num objecto e distribuídos, são como a poesia, que é arte de fazer, mas também de concretizar o que não existia antes (como dizia Pierre-Jean Jouve).
Partilho dezassete albuns: os oito primeiros, saídos em 2017, reedições ou novidades  - feitos neste tempo por artistas de agora que procuram as raizes do antigo com as marcas do hoje. E estão aqui porque me marcaram neste tempo e serão por isso marcas do presente no futuro.
I. Last Leaf, The Danish String Quartet (ECM) Um som tão distante e antigo como uma floresta celta, onde o nosso sangue correu, ardeu e se levantou. Uma recordação de um lugar perdido bem longe no co…