Avançar para o conteúdo principal

UM NAMORO BEM PASSADO PARA TABUS QUEBRADOS


O texto que se segue nem a conto promete, é um contareu de brincadeira, escrito para comemorar o blogue conjunto de alunos amigos, http://www.otabufoiquebrado.blogspot.com/

Estará a chegar lá não tarda, e por isso não vale a pena lerem a seguir: leiam lá, tem sangue novo de cidades por fazer.


NAMORO BEM PASSADO À MODA DE MACHADO DE ASSIS

Deu-se o caso seguinte com um velho conhecido meu, homem quase da idade de Cristo, meditabundo mas feliz, que não dando para noveleta, bem servia a um folhetim – dessas que as velhas senhoras lêem ao conforto da lareira do Inverno, protegidas que estão já dos verões do corpo. Pois o caso, não sendo velho, continha uma daquelas aventuras no tempo que fazem as coisas perder a idade. Tinha-o encontrado frequentemente, a esse velho conhecido, de nome Feliciano, na Biblioteca Pública, sempre com aquel ar irrepreensível e perdido de explorador tropical de velharias. Mas notava a propensão de acabrunhadice no seu rosto – como se um fantasma fosse crescendo nele. Um dia em que nos encontrámos no fumoir, desavergonhei-me e perguntei-lhe:
- O meu amigo está bem?
Secundei logo que me perdoasse a pergunta; a nossa intimidade não ia para além de apertos de mão entre os fólios. Mas ele passou por cima das minhas mesuras e respondeu, o olhar cavo por muitas noites vigiadas:
- Olhe, meu caro, estou apaixonado.
Cumprimentei-o, como se faz sempre que o coração dá boas notícias (infelizmente, são sempre mais más que boas; sempre achei que andamos cá para aprender a pensar com o coração), mas ele negou-me o cumprimento:
- E eu que pensava que o meu amigo queria o meu bem. Não me cumprimente por isso.
- Mas então!?
- Olhe, estou apaixonado por uma coisa pela qual não se pode apaixonar.
«Uma coisa?!», pensei para os meus botões. Então Feliciano parecia estar dentro de um daqueles discursos papais contra os homossexuais, ou freudianos sobre os trios sexuais. Não esperava vistas tão curtas de um homem com as palmas dos olhos tão consumidas em velhos incunábulos gastos de vidas pornográficas.
- Estou apaixonado por uma mulher morta.
E, puxando-me para uma cadeira de verga, acendendo um cigarro depois do outro, como se não quisesse perder a chama interior em que se consumia, com o olhar fixo e as mãos revolteando, industriou-me no seu caso.
- Tudo começou com umas cartas achadas no meio de outros manuscritos. Coisa pequena, sabe, desinteressante até para a maioria. Mas eu notava que aquelas cartas, do punho de uma mulher, tinham sempre uns circulozinhos à volta de algumas palavras. Olhe, fiquei surpreso. Encontrei mais versões: na verdade, não fiz outra coisa em duas semanas. O fim de semana de intervalo custou-me mais que as noites de juventude agarrado ao fígado. E o que vim a descobrir? Que havia um código. E que o meu nome, o meu nome inteiro, vinha sublinhado e destacado nessas letras e palavras. Pode acreditar nisto? Eu não.
(continua)

Comentários

redonda disse…
Quando é que continua?

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

O que é o progresso?, parte I

Vivemos melhor do que há cem anos? Do que há cinquenta, do que há vinte?
A resposta pode ser mensurável de diversos ângulos: se temos mais conforto físico, com casas mais confortáveis e tecnologia que nos ajuda a criar bem-estar, e tecnologia que nos ajuda a poupar tempo no dia-a-dia. Se temos transportes rápidos que nos permitem gozar melhor o tempo e aproveitá-lo completamente. Se debelámos doenças, e se temos um sistema de saúde que permite enfrentá-las melhor e com mais protecção. Penso que ninguém se oporia que nos últimos cinquenta, vinte, dez anos, temos melhorado neste aspecto. Que atingimos progresso. Mas depois se formos olhar o que pode ser viver melhor, o que é progresso, em outros ângulos, a resposta pode não ser a mesma. Temos mais progresso social no mundo? Um filho de um homem desempregado, analfabeto, que vive numa casa de zinco nos arrabaldes de Nairobi, da Cidade do México ou de Kuala Lumpur, ou até de Boston ou Londres, tem possibilidades de fazer um curso univers…