Avançar para o conteúdo principal

200 anos de Chopin

Podem dizer-me que mais importante são estradas, crescimento económico, ir a Marte: mas eu acredito que sem Fréderic Chopin (1810-1849) o mundo era inabitável. Não o mundo de todos os dias, mas o mundo interior. Este homem rasgou clareiras maiores do que uma ponte sobre o Volga, o Tejo, o Atlântico: este homem rasgou pontes para os rios da morte, para trazer novas vidas à vida.
A habitação interior das coisas: criar espaços de alma em que cada ser não está sozinho, em que cada ser se sente acompanhado em cada um dos seus mais complexos e solitários estados de espírito. Em que cada um dos mais impronunciáveis sentimentos tem um lugar em música. Em que cada ser pode compreender-se e chegar mais longe.




Não gosto da figura de Chopin que o romantismo construiu, muito devido a interpretações hiper-românticas da sua obra, e aos testemunhos da sua companheira de vida, George Sand, que o descreviam como um ser de uma sensibilidade quase doentia. Não é o Chopin cadavérico e doente, mas o homem inteiro e visionário, que escrevia em jacto com a inteligência das emoções puras, em que o existencial particular se torna inteligência universal.
Muitos anos combati contra Chopin, até algumas interpretações me mostrarem o espírito da sua obra: invenção no diálogo com o piano, o desafio de criar um mundo sonoro só seu contra todas as modas do mundo. O homem que não deve ter dado mais do que vinte concertos públicos em salões literários (como notava o excelente artigo de Cristina Fernandes no "Público" de hoje) foi longe e nunca foi esquecido porque era um explorador de sons para a alma. É como um investigador de profundidades que o ouço, muito para além da maré do tempo e da moda. É o homem que se ouve nas pequenas peças dos "Prelúdios" por Martha Argerich ou Jorge Bolet; na tempestuosíssima "Primeira Balada" por Arturo Benedetti Michelangeli; ou nos "Estudos" em que resumiu e se defrontou com o mundo, interpretados por Alfred Cortot, Samson François ou Nikolai Lugansky; ou nas Valsas tocadas com a felicidade da vida vista de quem sabe que pode morrer a qualquer segundo, pelo maior pianista de todos os tempos, Dinu Lipatti; ou nos Concertos para Piano e Orquestra, Martha Argerich no Primeiro, Zimerman no Segundo, ou em ambos na gravação recente de Boris Berezovsky.
Os Nocturnos são um caso à parte, tocados quase sempre como melodias para colorir cenários kitsch, quando o que se passa é o naufragar contra o mundo inteiro para conquistar a plena liberdade interior. Chopin aqui cria em altas temperaturas emotivas um laboratório para o sentimento se tornar escada para a luz interior. Ninguém como Claudio Arrau compreendeu isso.


Mas uma peça só, um disco só: o de Ivo Pogorelich (DG), onde, com a Sonata No. 2 ("Marcha Fúnebre") e alguns Estudos, se conta o Nocturno que mais me toca, onde bebi tudo isto noites fora, onde está em resumo em forma de murro tudo o que devo a Chopin.


Hoje, dia em que Chopin faz 200 anos, o maior tributo não é apenas ouvir a sua música: é perceber o que é que ela me pede, a mim que o oiço, em fazer novos mundos no mundo.


NB: A imagem é da Folle Journée, a mãe da "Festa da Música" que burocraticamente terminou em Portugal, e pode, com o seu Chopin trintão século XXI, fazer mais do que muita campanha intelectual.

Comentários

Clem disse…
Márcia Fúnebre.

(desta vez não pude deixar de comentar =)

Mensagens populares deste blogue

Até sempre

Caros leitores: não é uma decisão facilitista, não é uma decisão repentista. É uma decisão longa que vem de um lugar certeiro: eu não sei ser do meu tempo como o meu tempo quer que eu seja.

Há algo em mim fundamentalmente avesso à exposição pública, e mais, contra a rapidez e a omnipresença do mundo de hoje. Sabia isso antes, de longos passados, soube isso de novo quando passei cinco anos em manuscritos, reforcei absolutamente isso quando apresentei o meu romance despaís, sei isso hoje melhor, por penas e reflexão.

Há muito que vinha pensando nisto, e a realidade parecia confirmá-lo. Mas fui educado pensando que a progressão, e a luta contra obstáculos e dificuldades na minha própria personalidade é um progresso. O progresso do mundo que eu posso e devo começar a fazer, se quero criar progresso no mundo. Não seria eu que seria tímido, e com isso encostado à minha própria facilidade? Tentei combatê-lo, portanto. Da luta interior fazer escadas.

Percebo hoje que o meu caminho é outro. U…

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

Dezassete álbuns de 2017, parte I

Não é por nostalgia ou por me recusar à tecnologia que continuo a comprar CDs. Os motivos são inúmeros e merecem um outro "post". Mas para já, um argumento único, envelope desta selecção: não são uma realidade virtual recebida num écran, em que qualquer mecanismo tecnológico pode modificar as coordenadas do seu tempo; são saídos, impressos, gravados num objecto e distribuídos, são como a poesia, que é arte de fazer, mas também de concretizar o que não existia antes (como dizia Pierre-Jean Jouve).
Partilho dezassete albuns: os oito primeiros, saídos em 2017, reedições ou novidades  - feitos neste tempo por artistas de agora que procuram as raizes do antigo com as marcas do hoje. E estão aqui porque me marcaram neste tempo e serão por isso marcas do presente no futuro.
I. Last Leaf, The Danish String Quartet (ECM) Um som tão distante e antigo como uma floresta celta, onde o nosso sangue correu, ardeu e se levantou. Uma recordação de um lugar perdido bem longe no co…