Avançar para o conteúdo principal

o país funciona? Nº1 de milhares

Manuel Alegre anunciou a sua candidatura à Presidência da República. Sem meios mas nem caminhos intermédios. Sem apoios prévios conhecidos. Ficou-lhe bem, e à independência que se espera de um candidato presidencial, que deve vir sempre de algum lugar mas a partir daí perder as raízes para ser de todos.
Devo dizer que não sou suspeito nas minhas afirmações: com excepções que se contam pelos dedos de uma mão, não gosto da poesia de Alegre; e não gosto da figura autoral que emerge dos poemas. Mas reconheço uma certa hombridade e independência que sai da sua acção, que sempre achei ser uma certa incapacidade para negociar consigo mesmo entre fundas convicções e jeito para fazer o jogo dos media. Acho-o um homem sério e coerente, em muitos aspectos independente mas limitado por anos de senador sem lugar. Lentamente a figura surge e traz agarrada uma base profunda de esquerda que o liga ao republicanismo íntegro da primeira República. Aliás, é um pouco uma figura da Primeira República, mas que tem aprendido consigo mesmo e com o tempo a gerir os estilhaços do seu partido e da projecção mediática.
Fará o pleno da esquerda, coisa que Sampaio fez mas não sem tanto afastamento ou independência (e foi provavelmente o melhor Presidente pós-25 de Abril, por vários motivos que valiam outro post). Alegre vale por si e será sempre independente nos seus apoios.
É a figura que toda a esquerda, algum centro e até alguma da direita encontra com a sinceridade e os princípios que faltam ao tecnocrata Prof. Cavaco, emparedado entre os jogos do Governo e um perfil de competência técnica deste que é apenas jogo chic para as câmaras da comunicação social. E mais: estranhamente, saberemos que Alegre fará a vida muito mais difícil a qualquer governo, de esquerda ou de direita, não em desconfianças ou mini-crises, mas em estabelecer claramente princípios lógicos e comuns.
Este grito de independência, assumido por quatro anos bem geridos, vai custar a Presidência a Cavaco. Mas para mim é mais esperançoso ainda que isso: que pode emergir deste gesto uma nova classe política, independente e guiada por princípios, onde a independência e princípios coerentes possam gerir de uma vez por toda a actividade política. Acredito que mesmo numa impossível derrota, Alegre semeará muitas coisas consigo. E isso, tão raramente, diz-me que este país pode funcionar.

Comentários

Castor disse…
Nas peças de marionetas, existia sempre uma Moral no final.
Hoje os «guignols» sucederem-se na dança das cadeiras.
Até quando o lirismo da cantora careca?
Alegre pode ter muitos defeitos e virtudes. Mas, mais que isso, é a falta de memória de Portugal para os tecnocratas do presente que faz desta candidatura uma boa notícia. De resto, venha o que vier, quem faz o país somos nós.
Castor disse…
«De resto, venha o que vier, quem faz o país somos nós.»

É verdade, desde que a falta de memória, a tal, não seja contagiosa.

Mensagens populares deste blogue

Até sempre

Caros leitores: não é uma decisão facilitista, não é uma decisão repentista. É uma decisão longa que vem de um lugar certeiro: eu não sei ser do meu tempo como o meu tempo quer que eu seja.

Há algo em mim fundamentalmente avesso à exposição pública, e mais, contra a rapidez e a omnipresença do mundo de hoje. Sabia isso antes, de longos passados, soube isso de novo quando passei cinco anos em manuscritos, reforcei absolutamente isso quando apresentei o meu romance despaís, sei isso hoje melhor, por penas e reflexão.

Há muito que vinha pensando nisto, e a realidade parecia confirmá-lo. Mas fui educado pensando que a progressão, e a luta contra obstáculos e dificuldades na minha própria personalidade é um progresso. O progresso do mundo que eu posso e devo começar a fazer, se quero criar progresso no mundo. Não seria eu que seria tímido, e com isso encostado à minha própria facilidade? Tentei combatê-lo, portanto. Da luta interior fazer escadas.

Percebo hoje que o meu caminho é outro. U…

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

Dezassete álbuns de 2017, parte I

Não é por nostalgia ou por me recusar à tecnologia que continuo a comprar CDs. Os motivos são inúmeros e merecem um outro "post". Mas para já, um argumento único, envelope desta selecção: não são uma realidade virtual recebida num écran, em que qualquer mecanismo tecnológico pode modificar as coordenadas do seu tempo; são saídos, impressos, gravados num objecto e distribuídos, são como a poesia, que é arte de fazer, mas também de concretizar o que não existia antes (como dizia Pierre-Jean Jouve).
Partilho dezassete albuns: os oito primeiros, saídos em 2017, reedições ou novidades  - feitos neste tempo por artistas de agora que procuram as raizes do antigo com as marcas do hoje. E estão aqui porque me marcaram neste tempo e serão por isso marcas do presente no futuro.
I. Last Leaf, The Danish String Quartet (ECM) Um som tão distante e antigo como uma floresta celta, onde o nosso sangue correu, ardeu e se levantou. Uma recordação de um lugar perdido bem longe no co…