Avançar para o conteúdo principal

A Igreja Católica e o casamento gay, II

Volto a responder a José Miguel, que teve a simpatia de comentar o meu post anterior e de partilhar comigo e connosco a sua opinião. É precisamente este tipo de debate que faz falta no interior da Igreja e no nosso próprio país. Respondo pessoalmente, pedindo licença aos leitores do blogue por mais uma carta pública.


A sua resposta incide em três pontos: Verdade, Identidade e Igualdade. Refere que temos noções muito diferentes. Eu penso que é claríssimo que têm a mesma raiz mas – mais do que concepções – têm resultados diferentes. Sabemos o resultado de algumas dessas concepções. Acredito que o processo dos seres humanos é para o crescimento, a liberdade maior, para o «crescei e multiplicai-vos» que o Génesis metaforicamente aponta como destino.

A libertação de seres possuídos, demoníacos, no Evangelho é naturalmente a representação de problemas psíquicos, mas tem também um significado metafórico: representa igualmente seres tolhidos na sua vontade e pensamento. É porque Cristo consideraria que libertá-los, na sua passagem na Terra, era trazer a cada homem a urgência profunda de uma libertação integral da sua liberdade e do seu livre-arbítrio.

No seu comentário, José Miguel refere: «Há de facto na nossa cultura a tentativa de impor o pensamento único de que o bem está garantido pela autonomia da vontade e do pensamento. Tem o mérito de promover a saudável e necessária maturidade da consciência. Mas à custa da verdade sobre o próprio Homem condenando-o à escravatura do sentimento e do subjectivismo.»

Aqui paro, em pavor e espanto, e pergunto-me desde o primeiro homem: alguém é livre sem autonomia da «verdade e do pensamento»?!?! Centenas de filósofos podem responder-lhe da Grécia antiga até hoje. A autonomia da verdade e do pensamento: isso foi a luta de séculos que tornou o Ocidente o que é hoje. O processo não está terminado e deve ir mais longe: ou o pensamento, a democracia, a liberdade interior e política que obtivemos, é negativa? A fé de cada cristão, e a fé da Igreja, que como dizia o teólogo Hans Kung, é antes de mais uma relação de confiança, deve inspirar os outros seres a conquistarem mais liberdade. Mas eu acredito que mais liberdade gera mais libertação: e Deus quer o ser humano livre, para mais livremente se construir e poder encontrar Deus em todas as coisas. E por isso acredito que toda a pressão que a Igreja coloque em regular a sociedade é contraproducente. Acredito no crescimento da Humanidade. Acredito que as bases do Ocidente são sem dúvida dadas em parte fulcral pelo Cristianismo; mas também pela Filosofia, mas também pela História de supressão, colonização, genocídio que perpetramos, que começou noutros povos e passou pelo silenciamento do papel da mulher, por exemplo. Que todos estes aspectos devem – e estão a ser – assumidos e corrigidos pela Humanidade em crescimento. Esperamos que, por exemplo, a Cimeira de Copenhaga resolva cem anos de atentados à Terra que Deus criou.

Caminhar nessa consciência implicou a separação entre religião e sociedade. Acredito que o papel da Igreja neste momento não pode ser querer voltar a uma dimensão de controle sobre a sociedade e sobre um processo, mas manter-se como símbolo do essencial. E que deve acompanhar esse crescimento, começando por assumir que dentro de si mesma iniciou e manteve processos de exclusão. Já pedimos perdão aos Judeus, já pedimos perdão pelas Cruzadas, já pedimos perdão a Galileu: há um caminho notório que deve prosseguir. E gostaria que me dissesse onde encontra pensamento único no Ocidente hoje em dia. Se me diz que há um primado do ter sobre o ser, ninguém discorda; se me diz que há um excesso de consumismo, também. Mas caminho único? Não vê o processo que permite a cada ser agir mais livremente? Deus para mim encontra-se e multiplica-se em liberdade cada vez maior. É esse o significado da mudança interior dos Apóstolos antes e depois da Morte e Ressurreição.

«Crescei e multiplicai-vos»: o que Deus pediu a Adão e Eva. Sendo palavras numa zona alegórica da Bíblia, o Génesis – espero que não a considere literal – também elas estão revestidas da multiplicidade de sentidos. A relação do ser humano com a palavra de Deus é concreta e metafórica, é a “espada de dois gumes” de que falava o salmo: e é nesta metáfora que crescemos, subindo sentidos concretos mas mais altos. Não acredito que este significado possa ser literal: que Deus pretenda que o ser humano desenvolva o seu corpo apenas ao ponto de se poder reproduzir – tout court. Mas crescei interiormente, dentro de si próprios, sempre a procurar o absoluto em cada coisa, para serem altos interiormente. E depois disso, “multiplicai-vos”, «sendo tudo para todos»: a reprodução é interior, primeiro, para gerar muitas mais multiplicações, para fora, para trazer Deus a todas as coisas. Cabe ou não cabe aqui o amor entre dois homens ou duas mulheres? Ou entre uma mãe e um filho, dois amigos, um mestre e o seu discípulo? Todas as relações entre dois seres, do amor conjugal ao amor de amizade? Não estamos nesta Terra para crescer para o céu e multiplicá-lo em gestos? Parece-me óbvio que a imagem funciona melhor – em termos de construção metafórica – se reproduzir o símbolo donde nascemos, do amor entre um homem e uma mulher. Se a imagem fosse construída com a relação entre um homem e um tigre, ou uma árvore e uma esfregona, talvez não fosse tão poderosa. Mas arrogar-nos a tomarmos literalmente uma imagem é não crescermos em sentido. Se quisermos ser literais, e não historicamente informados, depois de milénios sucessivos de história dos homens sobre a Terra, não crescemos e muito menos nos multiplicámos.

Mas vamos atacar de frente o assunto que começou esta troca de opiniões: Levítico, capítulo 18, versículo 22: «Não coabitarás sexualmente com um varão; é uma abominação». É textual, está dito no Antigo Testamento. Mas antes, versículo 11 e seguintes, também se lê: «Não descobrirás a nudez da filha da mulher do teu pai, nascida do teu pai, porque é tua irmã. Não descobrirás a nudez da irmã do teu pai; é a parente próxima do teu pai. Não descobrirás a nudez da irmã da tua mãe, porque é a parente próxima da tua mãe. (…) Não descobrirás a nudez da tua nora; é a mulher do teu filho, não descobrirás a sua nudez. Não descobrirás a nudez da mulher do teu irmão; é a nudez do teu irmão.» Bom: milhões de seres sobre a Terra desde que Cristo fundou a sua Igreja são então abominações: milhões de seres em milhões de casamentos aprovados pela Igreja, celebrados na Igreja, sobretudo entre reis – e que a nossa Igreja promoveu e apoiou, em nome das mais (supostas) cristianíssimas intenções. Podia passar dois mil anos a citar casos, até na corte papal Bórgia. O Levítico não foi cumprido? Porque era metafórico? Onde é que Cristo no Evangelho proíbe a união entre dois homens ou duas mulheres? Ele, que se sentava e convivia com os excluídos? Mais do que sobre moral sexual, a Bíblia pulula de referências à usura. E o que têm os cristãos feito com os bancos? E a expulsão dos vendilhões do Templo, foi só uma fúria de Cristo ou lenha para se crucificar? Há gesto público mais afirmativo e devastador? O que quer isto dizer? Todos os dias me pergunto, e não vejo na História da Igreja, actual e no passado, um equivalente. Não será o momento, num cume de consumismo, que procuremos o significado disto dentro da nossa própria Igreja?

«Mas não se pode pretender que seja o único pensamento aceitável»: responde-me, quanto ao ponto de a psicanálise reforçar que a verdade que existe é a dos sentimentos de cada sujeito. Claro que toda a gente compreenderá que não será isso o pensamento único, ou viveríamos todos entregues aos delírios próprios (Santa Teresa foi considerada delirante pela hierarquia…): mas relembro-lhe as suas palavras anteriores, onde deve integrar estas, e não descontextualizá-las: «Reduzir a relação entre humanos ao sentimento afectivo que se nutre reciprocamente». Nem tanto ao mar, nem tanto à terra. Até porque a questão que começou esta nossa tão produtiva troca de opiniões é entre os sentimentos entre dois seres: sentimentos interiores, lutados, vividos no mundo, e por isso capazes de reproduzirem humanidade à sua volta. Repiso: mesmas concepções, resultados diferentes. Continuo, porém, a não compreender a sua argumentação. Permita-me citá-lo: «Por isso é abusivo deduzir que "o afecto recíproco trunca", mas pode-se reconhecer com honestidade intelectual que "a redução das relações entre humanos ao afecto que se nutre reciprocamente" trunca.» Ao ler as suas palavras, o Evangelho parece levantar-se inteiro para lhe responder. Mas a primeira frase que me surge é esta: «Quem não amar não pode conhecer Deus, porque Deus é amor.» (1 Jo 54,8). O afecto é entre dois seres – ponto. Ninguém fala em reduzir afecto: mas em vivê-lo plenamente, para «crescer e multiplicar».

E continuo sem perceber, e lamento, porque é que a liberdade civil de dois seres lhe parece tão nociva.

E por isso volto ao ponto em que iniciei: referia termos noções diferentes, dizia-lhe termos raízes iguais, mas as nossas concepções terem resultados diferentes. Acredito que o progresso do Homem com a separação entre religião e conhecimento gerou crescimento e liberdade. Acredito que aí está o «crescei e multiplicai-vos». Acredito que o ser humano é mais livre depois disso, para mais livremente encontrar Deus. Se me fala de concepções de vigilância e limitação do indivíduo, com tantos resultados desastrosos que isso provocou, então acredito que procuramos resultados diferentes; e lamentando muitíssimo que não partilha a mesma liberdade do que eu. A minha nasce, cresce e reproduz-se aqui: «Eu vim para que tenham a vida, e a tenham em abundância» (Jo, 10, 10).

Comentários

José Miguel disse…
Caro Pedro

Concordo consigo: "Cristo consideraria que libertá-los, na sua passagem na Terra, era trazer a cada homem a urgência profunda de uma libertação integral da sua liberdade e do seu livre-arbítrio." Por isso pergunto: porque se dá por adquirido que afecto e amor são a mesma coisa? Porque não se reconhece que uma das maiores causas de ruptura e conflito (relacional e interior) é a escravidão imposta pelas sentimentos? Não há liberdade sem ordenação dos afectos num projecto integral, com o que isso pode implicar de transformação, renunciando a uns, potenciando outros, sublimando outros...

Depois, creio que não precisa de parar "em pavor e espanto". Até porque elaborou sobre uma citação mal feita (a segunda). Concordo que a Verdade é autónoma. Mais, só ela nos pode libertar. Por isso é que a nossa liberdade não está garantida pela "autonomia da «vontade e do pensamento»" Por isso é que temos de nos deixar configurar pela Verdade. A autonomia da vontade e do pensamento, necessária e inalienável, é um caminho de crescimento. Não é um valor que às tantas se torne o critério último de definição do que é a Verdade. Esse tem sido o erro da humanidade, desde os primeiros até aos de hoje.

Deixo agora algumas expressões da tentativa do pensamento único no Ocidente:

O casamento é um contrato exclusivamente assente nos afectos entre duas pessoas.

Influenciar a sociedade segundo o liberalismo moral é avanço e neutralidade ideológica; fazê-lo segundo o humanismo cristão é tentativa de controlo por parte da Igreja.

Quem não segue o padrão de tolerância tido correcto e moderno e defende que o diferente deve ser tratado de forma diferente exactamente por se respeitar a sua opção em ser diferente, sujeita-se a que lhe lancem a suspeita de discriminador (ou literalista, ou arrogante, ou historicamente desinformado, ou controlador de consciências).

Quanto ao literalismo, claro que não o sou. Exactamente porque a Igreja e a razão me dizem para não o ser... da mesma maneira que me dizem que por não o ser também não tenho que ignorar que a forma simbólica diz tanto mais quanto une realidade descrita e evocada. Assim,se a forma literal não diz tudo também diz alguma coisa. Perceber o que diz e o que não diz, o que evoca e o que esconde, o que define e o que abre é caminho PESSOAL E ECLESIAL. Pretender que o primeiro prescinda do segundo é correr maior risco de se enganar por auto-ilusão.

Diz o Pedro: "Acredito que o progresso do Homem com a separação entre religião e conhecimento gerou crescimento e liberdade. Acredito que aí está o «crescei e multiplicai-vos»". Eu digo diferentemente: "Acredito que o progresso do Homem, com o respeito pela justa autonomia da razão, favorece o conhecimento multifacetado capaz de fazer convergir, sem fusão nem separação, as suas diferentes mediações (razão, espírito, sensibilidade, relação, fé) em ordem ao crescimento e à liberdade." Creio que aqui se "levanta inteiro o Evangelho" para que a vida seja abundante e mais completa.
Rita disse…
querido pedro,
independentemente do conhecimento de causa que tu e o José Miguel têm sobre a matéria de Deus e da Sagrada Escritura, eu, que há muito deixei o ritual da Missa, pelas razões óbvias, lembro-me que Deus apenas disse: amai-vos uns aos outros.
Os bichos as plantas, os homens as mulheres, as abelhas o pólen, os homens os homens, as formigas as migalhas, as mulheres as mulheres, as mulheres os homens, as crianças o céu azul...
Para mim a Igreja nunca foi Deus. Deus é para mim a palavra, o verbo, a criação (de que falaste), o afecto, o perdão e a fé.
A Igreja é o marketing de tudo isto: deu-lhe a embalagem, o posicionamento/localização, o produto e o preço.
Quando percebi isto "zanguei-me" com a Igreja, nunca com Deus.
Hoje sinto Deus no silêncio da minha casa, é domingo.
Rita disse…
faltou a promoção (no marketing)...

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

O que é o progresso?, parte I

Vivemos melhor do que há cem anos? Do que há cinquenta, do que há vinte?
A resposta pode ser mensurável de diversos ângulos: se temos mais conforto físico, com casas mais confortáveis e tecnologia que nos ajuda a criar bem-estar, e tecnologia que nos ajuda a poupar tempo no dia-a-dia. Se temos transportes rápidos que nos permitem gozar melhor o tempo e aproveitá-lo completamente. Se debelámos doenças, e se temos um sistema de saúde que permite enfrentá-las melhor e com mais protecção. Penso que ninguém se oporia que nos últimos cinquenta, vinte, dez anos, temos melhorado neste aspecto. Que atingimos progresso. Mas depois se formos olhar o que pode ser viver melhor, o que é progresso, em outros ângulos, a resposta pode não ser a mesma. Temos mais progresso social no mundo? Um filho de um homem desempregado, analfabeto, que vive numa casa de zinco nos arrabaldes de Nairobi, da Cidade do México ou de Kuala Lumpur, ou até de Boston ou Londres, tem possibilidades de fazer um curso univers…

Diariamente, I: Pelo Diário I de Torga

Talvez venha do meu passado religioso, da vertigem de ser um anotador interior. Certo é que sempre gostei de Diários, embora tenha sempre sido um leitor irregular deles. O que na verdade, me parece ser o que um leitor ideal de Diários deve ser: acompanhar o ritmo dos dias, que não é o do calendário do tempo, mas o do destempo interior. Num tempo cada vez mais cronometrado pelos telemóveis, em que o tempo virtual dos outros, o presente imediato das máquinas corta toda a respiração interior, um Diário devolve à raiz: ensina a aprofundar, devolve o ar aos pulmões da alma.
Tenho diaristas que prefiro a quaisquer outros; no topo da lista está sempre Julien Green; li aos 20 anos o seu último Diário, En avant par-dessous les tombes, e volto a Green sempre que perco a noção da paragem para escrever. A que o Diário I de Torga regressa:  "Aqui na minha frente a folha branca do papel, à espera; dentro de mim esta angústia, à espera; e nada escrevo. A vida não é para se escrever." (7 de …

Uma manhã nunca, VII: King's Cross

Acordo com um ruído de pássaros e um cheiro a verde. Parece que estou numa floresta. É a terceira cidade em três dias. Demoro um pouco a perceber onde estou, sinto a falta das gatas imediatamente, a saudar-me assim que acordo. Vejo a mala à minha frente, o saco da "Foyles" ao lado. Estou em Londres, mais particularmente em Eltham. Tenho de acordar cedo para ir para a British Library. A lembrança de manuscritos, de descobertas antiquíssimas tornadas absolutamente novas desperta-me num salto. A janela da casa de banho dá para o verde diverso e inteiro lá fora. Uma aranha enorme entrou pela janela aberta e faz teias de aranha vitorianas. A família dorme nos quartos ao lado. Saio repentino para o frio de Janeiro, líquido e líquen, manso. Atravesso o jardim diverso e esbracejante, e saio para o relvado onde cresce um enorme carvalho centenário. Ouço um ruído nos caixotes do lixo. Vejo uma cauda: um texugo, parece-me, ou um cão? Passo ao lado, e é só no fim da rua que compreendo:…

Domingo absoluto

O impossível aconteceu: um homem ressuscitou.
Este dia quebrou o tempo ao meio: as rodas da engrenagem do tempo foram partidas pelo corpo de um homem, morto como um culpado, ressuscitado na sua natureza total de filho de Deus.
Não apenas voltou à vida, mas cumpriu um desejo antigo, inscrito no sangue de dezenas de gerações errantes: o filho de Deus veio à Terra, entregou-se à morte e trouxe a eternidade.
Nunca mais um minuto cego; nunca mais um céu vazio; jamais um percurso de vida que não possa esperar o sentido e a luz.
Todos os recomeços são possíveis - assim o grita para sempre este dia.