Avançar para o conteúdo principal

A Igreja Católica e o casamento gay, I


Fui informado por vários amigos em diferentes zonas do país de um acontecimento ominoso: à saída de várias missas estão pessoas, católicos, a recolher assinaturas contra o casamento homossexual. Pior que isso, muitas vezes os párocos em plena missa avisam para a sua presença e invectivam os presentes a assinar essas folhas.

Sou profundamente católico. E por isso mesmo, este acontecimento - esta sequência combinada de acontecimentos, esta campanha, que só pode estar a ser orquestrada com a anuência de alguns movimentos religiosos e figuras importantes da hierarquia católica - enche-me da mais rigorosa indignação.

A Igreja Católica foi desde a queda do Império Romano dominada por uma facção que a procurou controlar, suprimindo todas as outras correntes de pensamento; uma facção ortodoxamente dirigista nos costumes, cega no diálogo interreligioso, violenta na supressão de outras correntes. Serviu-se sempre da sua proximidade com o dinheiro e de uma máscara de uma certa perfeição de rigor doutrinal para suprimir as outras. Gerou aberrações extraordinárias como a maioria dos Papas da Renascença, todos os cismas que dividiram a Igreja, assassínios em massa de outras correntes, a tentativa de suprimir arte e progresso científico. Porém, é esta a Igreja que eu amo, estando ela gerida por gente surda ao Espírito e para quem a condução da presença de Deus na terra é similar a uma entidade bancária com vagas preocupações extra-estelares. Eu sou católico e integro-me nesta Igreja porque acredito que a luta do Espírito Santo para mudar a Igreja Católica passa pela conversão dessa facção. E que passa concretamente por mim, pela minha liberdade e conhecimento disso mesmo, pela minha liberdade e natureza única da relação com Deus para agir contra interiormente contra esse ambiente.

Um dos aspectos mais devastadores dessa acção, ao longo dos tempos, foi uma intromissão legislativa sobre a única - a única - dimensão no mundo que não pode ser controlada por nenhum outro ser: a relação de uma pessoa com Deus. Acredito e aceito que o clero católico, em particular o Papa e os seus documentos, e as reuniões dos Bispos, têm o dever e a necessidade de se pronunciar sobre a eucaristia e a gestão dos sacramentos. Mas a partir daí o seu papel é apenas sugestivo sobre a forma de cada cristão viver interiormente aquilo que Deus lhe pede. Falo da liberdade de cada um viver a sua relação com Deus, que é única. Não é única a relação que se estabelece entre quaisquer dois seres humanos? Entre quaisquer dois seres, humanos e não-humanos? Não será ainda mais única a relação entre criador e criatura?

Essa pressão, que não cessa e que aumentará, inexoravelmente, da hierarquia católica sobre a vida interior e suas consequências em cada cristão, é a dimensão mais anti-Evangelho que conseguirei imaginar. Teve o seu corolário com o recente convite de Ratzinger aos anglicanos que se opunham à ordenação de mulheres e de homossexuais. Um convite que não se baseia - como em tudo nesta corrente que gere a Igreja Católica - em nada, repito NADA de teológico (ah, venham para cá, e não é preciso dizer não às antigas questões que nos separam) mas apenas opor-se a essa questão para serem aceites. Se este perdão considerar um perdão da Igreja pelo assassínio em massa de todos os cátaros e gnósticos que orquestrou em plenas cruzadas durante a Idade Média, compreendo que alguma coisa mais se passará, e que teremos então um processo de afrouxamento dessa dimensão controleira da moral. Mas o convite de Ratzinger não parece isso. E esta nova dimensão portuguesa contra o casamento gay mostra infelizmente isso. Não me venham com questões regionais. Séculos de práticas cancelatórias falam mais alto.

Que tem a Igreja Católica que meter-se num assunto que é de dois seres, antes de mais de ser do Estado, e que tem apenas a ver com a criação de situações legais para duas pessoas juntas? Que é apenas sobre a mais plena liberdade de dois seres que podem ter consigo mesmos, e portanto com os Deus que os criou e os cria a cada instante, assim na Terra como no Céu. Ou quer isto dizer que a Igreja Católica os acha condenados no Céu, e por isso os condena na Terra?

Quero ver a Conferência Episcopal Portuguesa pronunciar-se sobre isto. E quero ver ainda mais, se não se pronunciar, a liberdade dos filhos de Deus em prática, aceitando que à porta das Igrejas - sem avisos dos párocos - estejam lado a lado assinaturas a favor e contra o casamento gay. Isto sim é a liberdade de perceber que «na Casa do Pai há muitas moradas»: uma das citações de Cristo que a Igreja Católica parece ter menos compreendido.

Comentários

José Miguel disse…
Caro Pedro Sena-Lino

Creio seres o mesmo que conheci há anos, de Paço d'Árcos, à procura da sua vocação.

Alegro-me por amares a Igreja... só não percebi qual, pois afirmas que aquela cuja garantia de unidade e continuidade com a Igreja apostólica, assente na figura do sucessor de Pedro, é uma mera facção que visa controlar a vida das pessoas.

A missão da Mãe sempre foi apresentar caminhos de bem aos filhos, ainda mais quando os vê correr riscos de se magoarem por se guiarem apenas pelo que sentem, esquecendo o sentido e significado profundo e eterno das escolhas que fazem em cada momento.

A união homem/mulher é anterior ao cristianismo: está presente na ordem natural do ser humano, onde identidade feminina e masculina são diferentes e convocadas uma para a outra. Na sua união resplandecem na sua identidade e complementaridade.

O Cristianismo veio depois a descobrir nisso a intenção original do Criador que separou para reunir o que só na comunhão experimenta ser imagem e semelhança de Deus-comunhão.

Há um sentido que é anterior, maior e posterior que a união dos afectos. Reduzir a relação entre humanos ao sentimento afectivo que se nutre reciprocamente, é truncar-lhe a dimensão social, histórica, antropológica, eterna... para não dizer encerrar-se numa roda de sentimentos que se originam em si mesmo, correndo o risco de se esvaziarem e terminarem em si mesmos.

A Igreja é o instrumento escolhido por Deus para convocar o género humano a não deixar encerrar-se nos ritmos passageiros mas a devolver-lhe sempre o horizonte do desígnio eterno de Deus. É o que se passa quando uma cultura quer reduzir as relações humanas aos ritmos das escolhas pessoais e sentimentais.
Sentir e escolher são condições essenciais para se amadurecer como pessoa... mas igualmente insuficientes e tantas vezes ilusórias. Não basta escolher para ser livre... é preciso ser libertado! Não basta sentir para ser feliz... é preciso encontrar o sentido! Esse é o caminho que os cristão procuram aprender e fazer há anos, com altos e baixos... na certeza que as maiores atropelos aconteceram sempre que pessoas e grupos dentro dela pretenderam eleger o seu modo de sentir e pensar como o único que respeita o Evangelho.

Se queremos não voltar a cair nesse erro, o caminho é o da comunhão de todos guiado pelo sinal de unidade que é o Sucessor de Pedro. Negar isto é ver suspeitas e manipulações em todo o lado, pois cada um passa a tornar o critério definidor do que é bem ou mal.

Termino, recordando: aquilo que começa por ser uma reivindicação como escolha interna de um casal, tem sempre repercussões no tecido social: estabilidade emocional, modelo de família, segurança afectiva, organização e sustento social, renovação das gerações, educação e valores... Já era tempo de termos aprendido com o passado e com a Sagrada Escritura, que a dificuldade reside muitas vezes no que provém do coração (cf. Mt 15, 17ss), que por isso precisa de ser guiado e elevado.
Paula Alcântara disse…
Não poderia estar mais de acordo contigo Pedro! A tua linha de argumentação está, simplesmente, genial. E não deixa de ser profundamente lamentável constatar, mais uma vez, um comportamento completamente anti-católico praticado pela própria Igreja Católica...
A mim o que me parece é que a Igreja vive num grande recalcamento por já não controlar o Estado, como fez durante muitos e muitos séculos, em que fez o que quis e bem lhe apeteceu.
A Igreja tem as suas regras quanto ao que é ser família e tem todo o direito a isso e a defendê-lo. Mas parece-me que aqui a questão não se trata de um casamento católico ou sequer religioso. No entanto, o que se passa aqui é uma instituição querer manipular uma questão que é meramente da competência do Estado. Afinal, segundo o casamento civil, o casamento é um contrato entre duas pessoas que, segundo sei, a lei nem sequer define que tem que ser realizado entre pessoas de sexos opostos. Acho muito engraçado a Igreja gastar tantos esforços a lutar contra este casamento civil no lugar de lutar pelos direitos das famílias. O mundo está em crise, assistem-se a desigualdades atrozes, ataques à questão essencial do ser família e contra isso eu não vejo a Igreja fazer nada. Porque é que não criam uma plataforma de luta contra a lei do trabalho que obriga que as pessoas saiam de suas casas e das suas famílias para irem trabalhar aos Domingos, no dia do Senhor? Não está escrito também que trabalhar no dia do Senhor é pecado?
É uma pena que a Igreja se afaste cada vez mais da essência da mensagem e exemplo de Jesus e se aproxime, cada vez mais também, dos ideias daqueles que O mataram.

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

O que é o progresso?, parte I

Vivemos melhor do que há cem anos? Do que há cinquenta, do que há vinte?
A resposta pode ser mensurável de diversos ângulos: se temos mais conforto físico, com casas mais confortáveis e tecnologia que nos ajuda a criar bem-estar, e tecnologia que nos ajuda a poupar tempo no dia-a-dia. Se temos transportes rápidos que nos permitem gozar melhor o tempo e aproveitá-lo completamente. Se debelámos doenças, e se temos um sistema de saúde que permite enfrentá-las melhor e com mais protecção. Penso que ninguém se oporia que nos últimos cinquenta, vinte, dez anos, temos melhorado neste aspecto. Que atingimos progresso. Mas depois se formos olhar o que pode ser viver melhor, o que é progresso, em outros ângulos, a resposta pode não ser a mesma. Temos mais progresso social no mundo? Um filho de um homem desempregado, analfabeto, que vive numa casa de zinco nos arrabaldes de Nairobi, da Cidade do México ou de Kuala Lumpur, ou até de Boston ou Londres, tem possibilidades de fazer um curso univers…

Diariamente, I: Pelo Diário I de Torga

Talvez venha do meu passado religioso, da vertigem de ser um anotador interior. Certo é que sempre gostei de Diários, embora tenha sempre sido um leitor irregular deles. O que na verdade, me parece ser o que um leitor ideal de Diários deve ser: acompanhar o ritmo dos dias, que não é o do calendário do tempo, mas o do destempo interior. Num tempo cada vez mais cronometrado pelos telemóveis, em que o tempo virtual dos outros, o presente imediato das máquinas corta toda a respiração interior, um Diário devolve à raiz: ensina a aprofundar, devolve o ar aos pulmões da alma.
Tenho diaristas que prefiro a quaisquer outros; no topo da lista está sempre Julien Green; li aos 20 anos o seu último Diário, En avant par-dessous les tombes, e volto a Green sempre que perco a noção da paragem para escrever. A que o Diário I de Torga regressa:  "Aqui na minha frente a folha branca do papel, à espera; dentro de mim esta angústia, à espera; e nada escrevo. A vida não é para se escrever." (7 de …

Domingo absoluto

O impossível aconteceu: um homem ressuscitou.
Este dia quebrou o tempo ao meio: as rodas da engrenagem do tempo foram partidas pelo corpo de um homem, morto como um culpado, ressuscitado na sua natureza total de filho de Deus.
Não apenas voltou à vida, mas cumpriu um desejo antigo, inscrito no sangue de dezenas de gerações errantes: o filho de Deus veio à Terra, entregou-se à morte e trouxe a eternidade.
Nunca mais um minuto cego; nunca mais um céu vazio; jamais um percurso de vida que não possa esperar o sentido e a luz.
Todos os recomeços são possíveis - assim o grita para sempre este dia.

Uma manhã nunca, VII: King's Cross

Acordo com um ruído de pássaros e um cheiro a verde. Parece que estou numa floresta. É a terceira cidade em três dias. Demoro um pouco a perceber onde estou, sinto a falta das gatas imediatamente, a saudar-me assim que acordo. Vejo a mala à minha frente, o saco da "Foyles" ao lado. Estou em Londres, mais particularmente em Eltham. Tenho de acordar cedo para ir para a British Library. A lembrança de manuscritos, de descobertas antiquíssimas tornadas absolutamente novas desperta-me num salto. A janela da casa de banho dá para o verde diverso e inteiro lá fora. Uma aranha enorme entrou pela janela aberta e faz teias de aranha vitorianas. A família dorme nos quartos ao lado. Saio repentino para o frio de Janeiro, líquido e líquen, manso. Atravesso o jardim diverso e esbracejante, e saio para o relvado onde cresce um enorme carvalho centenário. Ouço um ruído nos caixotes do lixo. Vejo uma cauda: um texugo, parece-me, ou um cão? Passo ao lado, e é só no fim da rua que compreendo:…