Avançar para o conteúdo principal

A CARA EM FÉRIAS INTERIORES

Pois ficámos a saber que a Cara tinha sabido do caso TVI numa destas chamadas que só os supremos tribunais lêem [é tudo tão fascinoso hoje em dia que o que se escuta lê! Ó tempos virtuais em que as pitonisas vêm por escutas tribunais!]. Isto quando disse no Parlamento que nunca tinha sabido do referido caso, da compra da TVI pela PT. Agora soube "através de amigos".
E eu pergunto a cada um dos cinco leitores deste blogue: se soubessem de um caso grave que punha em causa o equilíbrio de forças deste país, de um caso de concentração estratégica que punha em causa o são equilíbrio de poderes, se soubessem informalmente de uma coisa, como responsáveis máximos de um Governo, não pediriam informações? Não impediriam tal coisa? Quanto mais não fosse, para evitar futuras acusações contra si mesmo?
Não: a Cara só governa em férias. Ficámos a saber que há uma separação entre o líder ao telefone e o líder no Parlamento. Que umas coisas preocupam a Cara oficialmente e que outras nem por isso.
E depois disto, senhores leitores, que mais informações queremos das escutas?

Comentários

Francisco disse…
olha pedro eu não sei se leste este artigo do pedro lomba no público: http://www.publico.clix.pt/Pol%c3%adtica/opiniao-cronologia-de-um-golpe_1409417
aqui ele expõe tudo o que tem sido feito para controlar o país.
é assustador.
Castor disse…
SOS Heróis
Dos de verdade: com Honra, olhar franco, sede de justiça e independência.
Homens que não se vendem, nunca.
Parece que se salvaram apenas os das histórias de encantar...
Paula Alcântara disse…
Eu diria que "a cara" tem duas caras...
Pedro, tem a certeza absoluta de querer escutar o que as "escutas" dizem?

E agora, mais importante: como vai a poesia?

Abraço,

Nuno

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

Até sempre

Caros leitores: não é uma decisão facilitista, não é uma decisão repentista. É uma decisão longa que vem de um lugar certeiro: eu não sei ser do meu tempo como o meu tempo quer que eu seja.

Há algo em mim fundamentalmente avesso à exposição pública, e mais, contra a rapidez e a omnipresença do mundo de hoje. Sabia isso antes, de longos passados, soube isso de novo quando passei cinco anos em manuscritos, reforcei absolutamente isso quando apresentei o meu romance despaís, sei isso hoje melhor, por penas e reflexão.

Há muito que vinha pensando nisto, e a realidade parecia confirmá-lo. Mas fui educado pensando que a progressão, e a luta contra obstáculos e dificuldades na minha própria personalidade é um progresso. O progresso do mundo que eu posso e devo começar a fazer, se quero criar progresso no mundo. Não seria eu que seria tímido, e com isso encostado à minha própria facilidade? Tentei combatê-lo, portanto. Da luta interior fazer escadas.

Percebo hoje que o meu caminho é outro. U…