Avançar para o conteúdo principal

JARDINS PARA O FIM DOS TEMPOS: MILHAUD

MILHAUD


Um disco numa tarde de 1997. Eu reinventava-me, deixava uma vida para nascer outra. Aquela sensação de o espaço se inventar a cada gesto quando tudo recomeça. E aquele disco: Milhaud, da série «Composers in Person». Uma mistura de jazz com ritmos brasileiros, os ritmos medievais e regionais provençais numa orquestra modernista de jazz band. A invenção permanente.


Darius Milhaud nasceu em 1892 em Marselha. Foi para o Brasil como secretário de Paul Claudel, depois Suíça, depois Estados Unidos em prelúdio e fuga do nazismo. É um dos segredos mais bem guardados da música do século XX. Compôs infinitamente, porque dizia querer ter sempre uma coisa nova para cada dia.

Não ouço outra coisa: há um manancial de sinfonias, concertos para piano, música para teatro, quartetos de cordas. Mas ninguém fica indiferente a Le Boeuf sur le Toit, grande divertimento politonal com Brasil e saxofones a levantarem a orquestra. Há uma excelente versão com o compositor a dirigir (na dita colecção da EMI, «Composers in Person»), e outra, quase orgíaca, de Leonard Bernstein, também na EMI (colecção Great Recordings).

Neste momento o "Scaramouche", para dois pianos, traz-me tudo desta música. Da meditação sobreposta com emoções, ao andamento fulgurante do último andamento, Brazileira, em que o mundo parece começar e querer dançar uma manhã que acorde todas as noites. Quem quiser ouvir uma versão só disponível no Youtube, os grandes Martha Argerich e Evgeny Kissin tocam como se fossem morrer amanhã: http://www.youtube.com/watch?v=TLHrZ_tZ6Yk&feature=related Para começar Milhaud pela "Brazileira", terceiro andamento desta peça, comece a ouvir aos 6:15

Mas também "La Création du Monde", ou "Le Carnaval d' Aix" para piano e orquestra: é uma loucura de recriar tão evidente em música que só nos perguntamos: porque é tão pouco gravado, porque é tão difícil ter os seus discos?

Milhaud é a banda sonora da alma num dia de Outubro que é Agosto, a banda sonora do verão do meu inverno.


Alguns discos para começar


Milhaud - Composers in Person - EMI
La Création du Monde, Scaramouche, Saudades do Brasil, Le Boeuf sur le Toit
várias orquestras e intérpretes, sempre com Darius Milhaud


Milhaud: Le Boeuf sur le Toit, Saudades do Brasil
Orquesta Nacional de França - Leonard Bernstein
EMI Great Recordings of the XX Century


Milhaud: Le Boeuf sur le Toit, Le Carnaval d'Aix, Concertos 1 e 4 para Piano e Orquestra, Concerto para Harpa
vários solistas - Orquestra de Lyon, Kent Nagano
Erato Double

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

Até sempre

Caros leitores: não é uma decisão facilitista, não é uma decisão repentista. É uma decisão longa que vem de um lugar certeiro: eu não sei ser do meu tempo como o meu tempo quer que eu seja.

Há algo em mim fundamentalmente avesso à exposição pública, e mais, contra a rapidez e a omnipresença do mundo de hoje. Sabia isso antes, de longos passados, soube isso de novo quando passei cinco anos em manuscritos, reforcei absolutamente isso quando apresentei o meu romance despaís, sei isso hoje melhor, por penas e reflexão.

Há muito que vinha pensando nisto, e a realidade parecia confirmá-lo. Mas fui educado pensando que a progressão, e a luta contra obstáculos e dificuldades na minha própria personalidade é um progresso. O progresso do mundo que eu posso e devo começar a fazer, se quero criar progresso no mundo. Não seria eu que seria tímido, e com isso encostado à minha própria facilidade? Tentei combatê-lo, portanto. Da luta interior fazer escadas.

Percebo hoje que o meu caminho é outro. U…