Avançar para o conteúdo principal

O PAÍS AO CONTRÁRIO

Estou de luto: o meu país está doido.

Alguma vez se concebeu a polémica que atravessa o país hoje? O que é isto, em qualquer país democrático?
Não percebo como é possível algum Governo, em alguma circunstância, mandar espiar a Presidência do país. Mais, como notava agora mesmo, na SIC-Notícias, Alfredo Barroso, como se concebe só passados 14 meses (os factos são de 23 de Abril de 2008), em plena campanha eleitoral, se discutir o assunto. Para já, é um erro do Presidente, notório: se as acusações podem ser comprovadas, deveria tê-las colocado ao Primeiro-Ministro, ao Parlamento, ao país, muito mais cedo. Não tão tarde, e em campanha, e sobretudo, por interposta pessoa.
Se o Presidente não teve nada a ver com a divulgação deste caso, hoje e agora, então deveria igualmente agir e com provas afirmar que o que se passa é um equívoco. Se é independente, deve zelar pela saúde mental do país - que neste momento está psicótico.
Como também não concebo, na SIC Notícias, que acabo de ver, uma leitura dos acontecimentos parcial. É útil ter um ex-chefe da Casa Civil do Presidente da República para analisar os factos, mas não o deixar tornar a leitura dos factos uma opinião sectária (acusando o Presidente de "perfídia") - por mais estranhos que sejam os factos. E sem provas.
Também não concebo como a Senhora, rodeada de assessores, não "conhece a notícia". Qualquer líder da oposição deve conhecer as notícias: fica-lhe bem, sim, a gravidade de sentir com o país e dizer-se em choque e incapaz de comentar seja o que fôr - coisa que não fez.
Em suma: não se percebe o que se passa. Ninguém com responsabilidades. sublinho, responsabilidades, fala neste país sobre o assunto. Elegemos quem e vamos eleger quem para manter este país impossível, esta veneza sem brilho e com assassinatos de carácter?
Estou de luto: o meu país não é nada, não se governa, desgoverna-se a si mesmo nas pessoas e sobretudo nos actos. O que sobra, o que sobra?

Comentários

STU disse…
Está tudo doido. Mas porque é que te referes à Manuela com um Senhora (com maiúscula?) Achas que ela é nossa senhora?:)

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

O que é o progresso?, parte I

Vivemos melhor do que há cem anos? Do que há cinquenta, do que há vinte?
A resposta pode ser mensurável de diversos ângulos: se temos mais conforto físico, com casas mais confortáveis e tecnologia que nos ajuda a criar bem-estar, e tecnologia que nos ajuda a poupar tempo no dia-a-dia. Se temos transportes rápidos que nos permitem gozar melhor o tempo e aproveitá-lo completamente. Se debelámos doenças, e se temos um sistema de saúde que permite enfrentá-las melhor e com mais protecção. Penso que ninguém se oporia que nos últimos cinquenta, vinte, dez anos, temos melhorado neste aspecto. Que atingimos progresso. Mas depois se formos olhar o que pode ser viver melhor, o que é progresso, em outros ângulos, a resposta pode não ser a mesma. Temos mais progresso social no mundo? Um filho de um homem desempregado, analfabeto, que vive numa casa de zinco nos arrabaldes de Nairobi, da Cidade do México ou de Kuala Lumpur, ou até de Boston ou Londres, tem possibilidades de fazer um curso univers…