Avançar para o conteúdo principal

NÃO HÁ CENÁRIOS, HÁ OBRIGAÇÕES

No rescaldo das eleições, por mais tinta que corra, uma verdade é absoluta: o povo é sábio. Eu gostaria que o PS perdesse, ou tivesse ao menos uma maioria mais curta, mas o cenário é melhor do que parece à primeira vista. Ora vejamos:
1. É notório que o país quis que o PS continuasse a governar. Sete por cento de diferença é uma maioria assumida. Mas que quer que governe sem maioria absoluta e sendo capaz de dialogar. E vão logo dar esse presente ao primeiro-ministro menos dialogante desde João Franco. O PS embandeirou em arco e ainda não percebeu o que se passou. O primeiro-ministro sim: aquela cara era metade da cara das europeias, com metade da cara de satisfação. Agora teremos os dois rostos. E daqui é claro: ou o PS entende que está na sua mão saber gerar consensos, ou então pode bem esperar-lhe, daqui a dois anos, em novas eleições, uma maioria muito mais curta e consensos bem mais autofágicos.
2. É óbvio que a esquerda ganhou em toda a linha. E que o país quer ser governado à esquerda. E isso implica claramente que o PS encontre dentro de si próprio a esquerda que perdeu. Esta espécie de ente giga-joga que nos governou por quatro anos e meio já não serve, ora à pouca esquerda, ora à clara direita. E descobrir a esquerda dentro de si é uma coisa que o PS tentou com Ferro Rodrigues e não conseguiu.
3. Espanta-me e dói-me, a uma primeira impressão, a reconciliação da linha clara de esquerda dentro do PS com a linha de Sócrates: a ida de Alegre ao comício em Coimbra, a coligação Roseta-Costa. Se compreendo (como adepto entusiasta da arquitecta) a segunda, custa-me perceber a primeira. A menos que Alegre tenha uma estratégia clara, que nem sequer passa por equacionar presidenciais para já: dar o apoio ao PS, e levar com ele muitos dos "seus" votos, implica obrigar o PS-maioria curta a virar à esquerda. E se este é o caso, esperam-nos muitas discussões no parlamento e no interior do partido. Vai ser uma lavagem intestinal.
4. É também óbvio que Bloco e CDU devem manter os seus programas, e não ceder ao PS. Jerónimo tinha razão quando afirmava ontem que o PS fez isto a si mesmo. Mas quem neles votou também espera uma capacidade de gerar consensos que revela a maturidade da democracia.
5. A senhora: uma pena. Merecia mais uns pontos, não pela sua terrível agenda social, mas pela seriedade. Não se premeia a seriedade e a experiência neste país, e a votação comprova-o. O sucesso do CDS poderá implicar que o PSD se rearrume e se reencontre. Tem sido uma coligação de social-democratas (muito poucos) com populistas (crescente) e liberais-conservadores. Nestes dois anos tem de encontrar a sua matriz, ou corre o risco de ser substituído como partido de alternativa ao governo.
Ou não: se o jogo de dividir os votos tornar os partidos responsáveis, todos serão responsáveis por soluções de governo. E isso é uma excelente notícia.
6. O mapa político está interessante, e mais, está a caminho da adultez. Temos um parlamento habituado a não funcionar por maiorias absolutas, uma negação dele mesmo. Agora consensos, ainda para mais sem coligações, ensinarão muito. Vamos ver se os actores estão capazes. Não sei se os partidos perceberão que o país os quer ver a trabalhar decentemente, a assumir responsabilidades.
Agora já não há cenários, há obrigações.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Até sempre

Caros leitores: não é uma decisão facilitista, não é uma decisão repentista. É uma decisão longa que vem de um lugar certeiro: eu não sei ser do meu tempo como o meu tempo quer que eu seja.

Há algo em mim fundamentalmente avesso à exposição pública, e mais, contra a rapidez e a omnipresença do mundo de hoje. Sabia isso antes, de longos passados, soube isso de novo quando passei cinco anos em manuscritos, reforcei absolutamente isso quando apresentei o meu romance despaís, sei isso hoje melhor, por penas e reflexão.

Há muito que vinha pensando nisto, e a realidade parecia confirmá-lo. Mas fui educado pensando que a progressão, e a luta contra obstáculos e dificuldades na minha própria personalidade é um progresso. O progresso do mundo que eu posso e devo começar a fazer, se quero criar progresso no mundo. Não seria eu que seria tímido, e com isso encostado à minha própria facilidade? Tentei combatê-lo, portanto. Da luta interior fazer escadas.

Percebo hoje que o meu caminho é outro. U…

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

Dezassete álbuns de 2017, parte I

Não é por nostalgia ou por me recusar à tecnologia que continuo a comprar CDs. Os motivos são inúmeros e merecem um outro "post". Mas para já, um argumento único, envelope desta selecção: não são uma realidade virtual recebida num écran, em que qualquer mecanismo tecnológico pode modificar as coordenadas do seu tempo; são saídos, impressos, gravados num objecto e distribuídos, são como a poesia, que é arte de fazer, mas também de concretizar o que não existia antes (como dizia Pierre-Jean Jouve).
Partilho dezassete albuns: os oito primeiros, saídos em 2017, reedições ou novidades  - feitos neste tempo por artistas de agora que procuram as raizes do antigo com as marcas do hoje. E estão aqui porque me marcaram neste tempo e serão por isso marcas do presente no futuro.
I. Last Leaf, The Danish String Quartet (ECM) Um som tão distante e antigo como uma floresta celta, onde o nosso sangue correu, ardeu e se levantou. Uma recordação de um lugar perdido bem longe no co…