Avançar para o conteúdo principal

AS MINHAS PREVISÕES

Suspeito que as sondagens andam enganadas. Aqui vai a minha tese:

1. "Asfixia". Concorde-se ou não com a asfixia, creio que muitas pessoas dizem votar no PS, com as empresas de sondagens, por receio. Daí podemos tirar 5 a 6%, os mesmos que fazem a diferença com o resultado previsto nas europeias, e que perdeu. Acredito também que as pessoas estão cansadas do PS mas muito do cansaço não é ainda absoluto, e que muito deste voto é "não há melhor, deixa ver". Penso também que no dia das eleições, alguns dos que dizem votar PS ficarão em casa; foi sempre o partido menos beneficiado com a abstenção, reforçando-se com o facto de ser o partido no poder.

2. Conservadorismos. Votar PSD, com a postura conservadora de Ferreira Leite, pode ser para algumas pessoas dar de si próprios essa imagem. Mas os portugueses são mais conservadores do que parece - não querem é parecê-lo. Donde que acredito que muitos não terão dito que votam PSD para não quererem parecer conservadores. 2 a 3% a mais, será o que o PSD terá em relação às sondagens.

O mesmo se passa com a CDU e o CDS, que têm sempre mais votos que as sondagens - pelos mesmos motivos do ponto anterior. Mas acredito que o CDS vá chegar aos 10-11%, quatro a cinco por cento a mais que as sondagens. Ninguém gosta do tema principal da campanha de Portas ("a preguiça" do rendimento mínimo) e tem receio em indicá-lo nas preferências das sondagens [O tema é péssimo e devia ter sido trabalhado de outro modo; acredito que pedir a quem tem rendimento de inserção que faça pequenos trabalhos para o Estado, tal e qual como aconteceu no "New Deal" de Roosevelt, seria útil para todos. Mas sou absolutamente contra este argumento que parte a sociedade a meio e define uma visão da sociedade que excluo por completo].

3. Simpatia. Votar Bloco está na moda. Votei Bloco desde o primeiro dia, e só este ano deixei de votar. Gosto da forma como fizeram oposição e nunca deixei de me sentir justificado no meu voto. Mas está na moda porque é um voto fácil, feliz, mas sem perspectivas de se construir nada. É uma crítica que influencia, mas não faz. E isso tem os seus espaços e os seus tempos. O Bloco vai ter o seu melhor resultado de sempre, mesmo para o futuro. Nestas eleições vai começar o seu declínio - pronunciado se fôr para o Governo e deixar a CDU sozinha na oposição à esquerda.

Acredito que o único resultado que bate certo nas sondagens é o do Bloco.


Assim sendo, cá vão as minhas previsões.

PS e PSD empatados, com 32-33%, o PSD com mais 1 ou 2 deputados porque concentra melhor os votos geograficamente

Bloco com 11-12%

CDS com 10-11%

CDU com 8-9%

MEP com 1,5-2% e elege em Lisboa


Fico a aguardar um prémio de vidente, ou nunca mais me deito a estas previsões (!).

Comentários

teresa maria disse…
Pedro
Concordo com o teu raciocínio. Mas às vezes não vale só a razão mas também o coração. Vamos a ver...

De qualquer forma, o dia de eleição é sempre de festa. Sentimos que todos (pobres e ricos, novos e velhotes)somos iguais, temos o poder de um voto.
Viva a democracia.
Castor disse…
Alegoria da Caverna...
...na escuridão da abstenção.
Sombras reflectidas da Democracia dos tempos modernos.
Gi disse…
Não te caiam é os dentes e não te tornes bi-dente.

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

O que é o progresso?, parte I

Vivemos melhor do que há cem anos? Do que há cinquenta, do que há vinte?
A resposta pode ser mensurável de diversos ângulos: se temos mais conforto físico, com casas mais confortáveis e tecnologia que nos ajuda a criar bem-estar, e tecnologia que nos ajuda a poupar tempo no dia-a-dia. Se temos transportes rápidos que nos permitem gozar melhor o tempo e aproveitá-lo completamente. Se debelámos doenças, e se temos um sistema de saúde que permite enfrentá-las melhor e com mais protecção. Penso que ninguém se oporia que nos últimos cinquenta, vinte, dez anos, temos melhorado neste aspecto. Que atingimos progresso. Mas depois se formos olhar o que pode ser viver melhor, o que é progresso, em outros ângulos, a resposta pode não ser a mesma. Temos mais progresso social no mundo? Um filho de um homem desempregado, analfabeto, que vive numa casa de zinco nos arrabaldes de Nairobi, da Cidade do México ou de Kuala Lumpur, ou até de Boston ou Londres, tem possibilidades de fazer um curso univers…