Avançar para o conteúdo principal

JARDINS PARA O FIM DOS TEMPOS

A música onde derrota o coração
Chopin: Nocturno No. 16, op. 55 Nº2

é um espelho, é água, é a derrota: como se nesta música eu pudesse perceber e ser ferido, levantar-me e cair, subir de pé à dor mais alta do meu coração.

é uma acústica da alma, como dizia Novalis. cada respiração, cada tema melódico, como fosse o que eu próprio cantei sem notas nem palavras, amando demasiado perto do coração para que ele próprio pudesse existir.

uma noite, há mais de dez anos, falando das nossas mágoas, o meu amigo Pedro, uma espécie de amigo da infância mas depois desta ter morrido, que sabe piano, também me contou que esta música era seu hino de glória às derrotas do coração. e explicou-me, de pautas na mão, o percurso das duas mãos ao piano quando se toca esta peça, o que uma sugere à outra, como entre o coração e o cérebro alguma coisa se comunica maior do que nós.
«somos como tendas de nómadas/ cegando à claridade»: assim dizia Natércia Freire, assim o repete esta música. como cair em cinco minutos de música na fronteira rasgada do nosso próprio coração.

começa com uma evocação amorosa, meia descoordenada na melodia, como quando tropeçamos na ternura, como dizia O'Neill. e acaba como uma recordação, como se se pudesse pôr a dor diante de nós, encará-la e depois adormecê-la e vê-la partir.


tudo o que os Nocturnos de Chopin têm de fútil, de rápido, de sensação desmesurada prêt-à-porter, de fast food emocional do coração, este Nocturno cala e explode. a mim os Nocturnos pedem um estado de espírito muito concreto, levemente piroso, que rima com excesso de consumo de duchaises e um vinho do Porto Lágrima. mas nada disso aqui, apenas a água onde o coração se corta para se lavar, no próprio correr.


foi com Claudio Arrau (Philips) que aprendi esta música, na sua integral dos Nocturnos, a melhor de todas: técnica e sentimento, contenção onde os outros se tornam "gondoleiros bêbados" (a expressão é de Piotr Anderszewski). mas falta nesta versão, para mim, o jogo de pausas e notas quebradas que torna este Nocturno quase um ensaio de uma sinfonia de Mahler.

Rubinstein, nas suas duas versões (EMI, anos 30, muita batata frita no som; e RCA, que se compra em França com o Chopin completo a vinte e poucos euros) tem a Polónia a cantar com ele; é uma versão de um romantismo ainda presente, que por outro lado ainda não toca no osso da ferida.

Ignaz Friedman (colecção Great Pianists ou Naxos Historical) é uma lição de como sentir há oitenta anos atrás. tudo aqui é nobre, mesmo quando cai.

mas - e perdoar-me-ão - nada há neste Nocturno como a versão de Ivo Pogorelich, em todos os excessos, para além de todas as possibilidades. aqui reconhece-se que o coração foi derrotado, que fomos derrotados por ele, que o amor está para além do corpo e é o corpo, essa batalha por desaparecer e perpetuarmos, por destilar um sentimento maior que o instante. desestabilizante e mortal.





Comentários

Olá. Não encontrando outra forma de contactá-lo deixo aqui a minha mensagem.
Terminei agora de ler o seu livro "333", numa esplanada de Lisboa acompanhada de uma 7Up. Terminei-o e apeteceu-me dá-lo á primeira pessoa que passasse por mim.
Como se fosse imperioso que alguém o lesse, e o fosse ver indubitavelmente com os meus olhos.
Patético talvez.
Mas gostei tanto dele que me apetece impingi-lo a qq um q seja capaz de juntar A+B.

Agora sim, vou ler o q se escreve por este Blog.

Mensagens populares deste blogue

Até sempre

Caros leitores: não é uma decisão facilitista, não é uma decisão repentista. É uma decisão longa que vem de um lugar certeiro: eu não sei ser do meu tempo como o meu tempo quer que eu seja.

Há algo em mim fundamentalmente avesso à exposição pública, e mais, contra a rapidez e a omnipresença do mundo de hoje. Sabia isso antes, de longos passados, soube isso de novo quando passei cinco anos em manuscritos, reforcei absolutamente isso quando apresentei o meu romance despaís, sei isso hoje melhor, por penas e reflexão.

Há muito que vinha pensando nisto, e a realidade parecia confirmá-lo. Mas fui educado pensando que a progressão, e a luta contra obstáculos e dificuldades na minha própria personalidade é um progresso. O progresso do mundo que eu posso e devo começar a fazer, se quero criar progresso no mundo. Não seria eu que seria tímido, e com isso encostado à minha própria facilidade? Tentei combatê-lo, portanto. Da luta interior fazer escadas.

Percebo hoje que o meu caminho é outro. U…

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

Dezassete álbuns de 2017, parte I

Não é por nostalgia ou por me recusar à tecnologia que continuo a comprar CDs. Os motivos são inúmeros e merecem um outro "post". Mas para já, um argumento único, envelope desta selecção: não são uma realidade virtual recebida num écran, em que qualquer mecanismo tecnológico pode modificar as coordenadas do seu tempo; são saídos, impressos, gravados num objecto e distribuídos, são como a poesia, que é arte de fazer, mas também de concretizar o que não existia antes (como dizia Pierre-Jean Jouve).
Partilho dezassete albuns: os oito primeiros, saídos em 2017, reedições ou novidades  - feitos neste tempo por artistas de agora que procuram as raizes do antigo com as marcas do hoje. E estão aqui porque me marcaram neste tempo e serão por isso marcas do presente no futuro.
I. Last Leaf, The Danish String Quartet (ECM) Um som tão distante e antigo como uma floresta celta, onde o nosso sangue correu, ardeu e se levantou. Uma recordação de um lugar perdido bem longe no co…