Avançar para o conteúdo principal

A CARA EM MUDANÇAS

A Cara decidiu ser outra.
Foi há um mês, eu sei, mas só agora digeri. Será que a Cara tem stress pós-traumático? Será que a a Cara se viu ao espelho, impressa em tantos jornais e revistas, e entrou em catalepse?
Termos uma Cara que gere o país e agora decidiu ser outra pessoa é um caso muito grave. Será que o país é o mesmo? Será que teremos de ter um intérprete para cada fase da face: o que queria dizer a Cara-de-Agora quando era A-Cara-de-Antes? Quais as anunciações prévias, os esgares, que nos preparavam já para esta revelação? E tudo zangado porque a Senhora tinha um pitoniso, Pacheco Pereira; cá para mim A Cara teve pena de não ter o seu (pitoniso) e agora mudou para não ficar deficitária.
Mas e agora? Será que teremos ondas de compaixão, que percorrerão o país como naus singravam os mares desconhecidos, mais eficazes que os milhentos planos só papel de recuperação da economia? Que as imensas ondas dessa compaixão rebentarão todas as crises, enchendo o coração dos portugueses de tudo o que lhes falta?
Porém, uma coisa perturbou esta nova e santa face: os corninhos. Seriam uma indicação de que a Cara afinal seria falsa, que os corninhos eram afinal mal colocados?
E novos intérpretes para estes dois gestos, como para a nova cara.
O que precisamos mesmo não é de um guia, não, nem de um governo, não, nem de descobrir petróleo nas Berlengas! O que nós precisamos é de um intérprete de iconografia sagrada.

Enquanto não temos, a Cara em mudanças vai andar pelo país; vai prometer esgares novos; vai curar os remendos das autoestradas, as dores no orçamento, o sarampo, as bexigas, e a gripe suína. A Cara em mudanças irá a Bruxelas e convencerá tanto o mundo que até Berlusconi se deixará de festas privadas. E choverão propostas: porque não trocar todas as efígies do Infante pelas da Cara? Ou a Cara não estaria já nos Painéis de São Vicente? Ou será que aquela figura central não era mesmo e desde já a anunciação desta nova Cara, desta santa face, da própria Cara em mudanças?

Cada vez que a Cara mude, o país não perceberá quem o gere. A mesma pessoa, mas com duas caras.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

O que é o progresso?, parte I

Vivemos melhor do que há cem anos? Do que há cinquenta, do que há vinte?
A resposta pode ser mensurável de diversos ângulos: se temos mais conforto físico, com casas mais confortáveis e tecnologia que nos ajuda a criar bem-estar, e tecnologia que nos ajuda a poupar tempo no dia-a-dia. Se temos transportes rápidos que nos permitem gozar melhor o tempo e aproveitá-lo completamente. Se debelámos doenças, e se temos um sistema de saúde que permite enfrentá-las melhor e com mais protecção. Penso que ninguém se oporia que nos últimos cinquenta, vinte, dez anos, temos melhorado neste aspecto. Que atingimos progresso. Mas depois se formos olhar o que pode ser viver melhor, o que é progresso, em outros ângulos, a resposta pode não ser a mesma. Temos mais progresso social no mundo? Um filho de um homem desempregado, analfabeto, que vive numa casa de zinco nos arrabaldes de Nairobi, da Cidade do México ou de Kuala Lumpur, ou até de Boston ou Londres, tem possibilidades de fazer um curso univers…