Avançar para o conteúdo principal

A CARA, O GANAPERDE E O RAPTO

Passada uma semana, e rios de tinta sobre as eleições, junto-me a esse Tejo de expectativas, ou aos rios da Babilónia onde choram as harpas penduradas nos salgueiros.

1. A Cara
A Cara disse tudo. Era uma espécie de dor de barriga da autoridade, com o inchaço galopante de uma angústia. Era um vómito mas todo para dentro, aparentemente controlado, a rebentar a cada expressão.
Perdeu toda a autoridade. A cara sabia disso.
O que primeiro foi, no início dos quatro anos, determinação e programa, fazemos e pronto, tornou-se rapidamente autoritarismo, surdez ao outro, incapacidade. Isso acabaria por cair. O maravilhoso comício em Coimbra, todo Obamizado (segundo eles) revelou tudo isto: era ver A Cara, numa sala milimetricamente maquilhada, a desfazer-se em suor mais do que nas maratonas.
Depois a Ministra, essa entidade tão luso-anos-40, a entrar no Altis a vergastar os jornalistas como faz com os professores. Aquela imagem, aquele mover de braços, firme e impiedoso, gritou significados. E depois A Cara, inchaço de egos perdidos, a desfazer-se em directo e a ser incapaz de olhar para si própria. A Cara até podia ter salvo a cara, podia ter-se olhado ao espelho; mas a cara escolheu partir-se, perder-se.
Por isso proponho em referendo nacional que a partir de agora seja conhecido apenas como A Cara. Não houve imagem mais bela nestes quatro anos, não há na história de Portugal recente melhor exemplo para toda a destruição brilhante de uma construção falsa, sustentada em maquilhagem, agências de comunicação e vigilância sobre os media: A Cara são os painéis de são Vicente do século XXI Português.
2. Problema de poder, o poder é um problema?
O que mais me impressiona nestes momentos de fim de ciclo em Portugal é aperceber-me como os detentores do poder não sabem conviver com a democracia. Uma má democracia parlamentar na monarquia (culpa cada vez mais dos eleitos, não dos soberanos, como a História cada vez mais demonstra), uma república armada que morreu adolescente, como um daqueles soldados Liberianos, e o peso da ditadura, criaram um problema de imagem para os primeiros-ministros. Só conseguem sentir o lugar se agirem com uma autoridade que se torna atitude cega, desrespeitante da opinião do outro; se passarem da autoridade para o autoritarismo, em que a opinião alheia é um insulto e a discordância um delito.
Este foi o erro da Cara, como fora o erro de Cavaco, mas já bem no final. Embora Cavaco lidasse melhor com a opinião alheia.
O que me pergunto é o que haverá na ocupação deste cargo em Portugal, o exemplo do poder executivo, que cegue? Não me falem de Pombal nem de Salazar, quando não havia democracia. Falem-me na verdadeira incapacidade de se ser forte e dialogal, de se ser maduro, capaz de ouvir e decidir.
E quem for incapaz disto, está sempre sujeito ao mesmo destino: ser eleito porque é forte, reformador, e cai porque a sua autoridade é bacoca e falsa. Isto vai continuar a acontecer, e quem perde é o país.
3. O «ganaperde»
Quem ganhou, quem perdeu? Ganhou a esquerda (o PS não é esquerda há quatro anos, com a evidente excepção desassombrada de Ana Gomes e Manuel Alegre, e meia-dúzia de figuras), ou seja, ganharam CDU e BE. A CDU, porque viu o seu eleitorado manter-se e unir-se perante uma provocação da pior espécie, no 1º de Maio. Lutero nunca mais foi a uma missa católica, nem Calvino, porque a sua coerência interior era a única provocação possível: Vital não percebeu isso.
O que é evidente para o PS é que, como disse António Arnaut, o país quer ser governado à esquerda. O PS só governou à esquerda com Soares. Guterres era um social-cristão com suspiros sindicalistas, Sócrates quis ser mais Cavaco que o próprio Cavaco (sem reformas verdadeiras). Ou é agora que o PS entende que é à esquerda que deve governar, e de uma vez por todas inflectir verdadeiramente para chegar à sua raiz, ou as eleições estão perdidas.
O CDS ganhou; uma coisa que é evidente é que mesmo discordando da linguagem Portas, dos valores Portas, muita gente reconhece um trabalho de formiga em boa oposição. E ganhou contra o rasuramento em directo gratinado pelo micro-ondas do poder das sondagens.
E o PSD ganhou: e pelo menos agora, legitimada pelos votos, a Senhora tem capacidade de dizer ao que vem.
4. O futuro
Apostas desde já: o PS vai ganhar as eleições legislativas com 0,5% a 1% de diferença do PSD. Não se vai entender com ninguém: a CDU sabe que desaparece se entrar no poder, como todos os seus congéneres europeus que o fizeram (os franceses e os italianos); o BE sabe que rebenta internamente; com grande pena, porque teríamos pela primeira vez um governo verdadeiramente de esquerda neste país. E Sócrates vai desistir, e permitir à Senhora e a Portas coligar-se, com o eventual apoio de outros partidos, até novos.
Ou isto ou a senhora ganha ligeiramente à frente. Mas só conseguirá ganhar se fizer uma coisa nunca efectuada verdadeiramente em Portugal, que lhe permitirá resolver os seus problemas de imagem e comunicação, que é organizar um governo sombra que funcione; e que mostre, para os eleitores machistas deste país, que uma mulher pode pôr os barões na ordem.
5. O que verdadeiramente assusta
Assusta-me muito mais ser preciso relembrar: porque é que fizemos o 25 de Abril? Para nos expressarmos democraticamente.
A democracia não são as sondagens nem os opinion-makers os eleitores deste país. Parece que temos uma nova União Nacional, feita dessas duas cabeças no parlamento virtual das televisões. A democracia são as eleições, mesmo com abstenção, e mesmo europeias. Fossem dizer aos portugueses de 1973 que daí a trinta anos iríamos considerar uma eleição pouco importante, que garanto que quem o dissesse era linchado. Como é que deixámos isto acontecer, em nome de todos os anti-fascistas espancados e presos, em nome do meu pai, soldado na guerra colonial três anos, em nome de tantos silenciados? Como é possível deixarmos desvalorizar tanto uma eleição, uma expressão popular?
Nunca li, ouvi, tantas vezes, em tantos jornais, vituperar e esvaziar uma eleição de uma forma tão sistemática como esta. Ao ponto de uma cadeia de televisão ter feito uma sondagem, efectuada 3 dias antes das eleições, para colocar no ar depois das eleições europeias, dando a vitória ao partido do governo. Quando tinham falhado, quando as urnas falaram mais alto, o que queriam fazer com isto? Calar as urnas?
Mas o que é que se passa, que vírus, que cancro, que rapto da democracia se passa em Portugal em 2009, para deixarmos isto acontecer?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Até sempre

Caros leitores: não é uma decisão facilitista, não é uma decisão repentista. É uma decisão longa que vem de um lugar certeiro: eu não sei ser do meu tempo como o meu tempo quer que eu seja.

Há algo em mim fundamentalmente avesso à exposição pública, e mais, contra a rapidez e a omnipresença do mundo de hoje. Sabia isso antes, de longos passados, soube isso de novo quando passei cinco anos em manuscritos, reforcei absolutamente isso quando apresentei o meu romance despaís, sei isso hoje melhor, por penas e reflexão.

Há muito que vinha pensando nisto, e a realidade parecia confirmá-lo. Mas fui educado pensando que a progressão, e a luta contra obstáculos e dificuldades na minha própria personalidade é um progresso. O progresso do mundo que eu posso e devo começar a fazer, se quero criar progresso no mundo. Não seria eu que seria tímido, e com isso encostado à minha própria facilidade? Tentei combatê-lo, portanto. Da luta interior fazer escadas.

Percebo hoje que o meu caminho é outro. U…

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

Dezassete álbuns de 2017, parte I

Não é por nostalgia ou por me recusar à tecnologia que continuo a comprar CDs. Os motivos são inúmeros e merecem um outro "post". Mas para já, um argumento único, envelope desta selecção: não são uma realidade virtual recebida num écran, em que qualquer mecanismo tecnológico pode modificar as coordenadas do seu tempo; são saídos, impressos, gravados num objecto e distribuídos, são como a poesia, que é arte de fazer, mas também de concretizar o que não existia antes (como dizia Pierre-Jean Jouve).
Partilho dezassete albuns: os oito primeiros, saídos em 2017, reedições ou novidades  - feitos neste tempo por artistas de agora que procuram as raizes do antigo com as marcas do hoje. E estão aqui porque me marcaram neste tempo e serão por isso marcas do presente no futuro.
I. Last Leaf, The Danish String Quartet (ECM) Um som tão distante e antigo como uma floresta celta, onde o nosso sangue correu, ardeu e se levantou. Uma recordação de um lugar perdido bem longe no co…