Avançar para o conteúdo principal

AS COISAS QUE NOS ACONTECEM QUANDO TEMOS DORES NO PASSADO

Ontem, copo tardio no Peter's do Porto, beira-rio: conversas sobre almas, reencarnações, espíritos. Sempre vivi nisso, e agora mais, porque é o tema do meu próximo romance. Claro que se seguiu uma noite insone com a Segunda de Sibelius a tocar no Ipod, e cigarros à varanda a ver o Porto ser acordado pela luz.
Rua do Ateneu Comercial do Porto, 13h13. Andava ensonado à procura de uma loja, quando uma senhora, setenta anos puros nos olhos adolescentes, se aproximou. Aproveitei para lhe perguntar onde era o que eu procurava, ela lá me indicou com a luz abraçante que há no sotaque do Porto, e disse-me:
- O menino desculpe, mas não é da família do José Silvério?
Para além de prometer amor eterno a quem me chama "menino", fiquei tão atordoado que não percebi. Como estou habituado a que Sena-Lino dê Serafim, Rena Fino, Lena-Sino, Sereia Limbo, Senão-Limão, pensei logo que a senhora tinha conhecido o meu avô e se tinha enganado no nome.
- O José Silvério, de Faro.
Expliquei-lhe que tinha uma avó do Algarve, mas que o meu avô não tinha esse nome.
- Não, era Silvério mesmo. O menino desculpe, mas é tão parecido. Tão parecido. Tem a mesma cara, os mesmos gestos, até o sorriso é igual.
- Não sou, lamento.
- Olhe, desculpe lá, mas ainda ontem pensei nele. Fez ontem cinquenta anos que o vi pela última vez. E agora vi aqui o menino de um lado para o outro e estou a imaginar coisas. Mas tem mesmo a certeza?
Lá lhe contei a história da família, e até lhe disse que não podia ser, que o meu avô Sena-Lino teria quase cem anos se fosse vivo, e o meu pai era um pouco mais novo que a senhora.
- Deixe lá. Ele deixou-me para ir para o seminário. Depois acho que saiu, foi estudar letras para França e ficou lá a fazer uma tese sobre freiras. Ouvi dizer que escrevia poesia. Sabe, menino, a gente tem pena de perder assim as pessoas.
Dei-lhe dois beijinhos, desejei-lhe felicidades, tive vontade de dizer que estava para as curvas para encontrar outro Silvério, e voltei as costas: tendo a certeza que outro igual a mim, cinquenta anos antes, tinha vivido no coração daquela mulher.
PS - O contador do blogue, que se comporta fantasmaticamente porque não se vê por mais que tente, contou-me que atingimos esta semana 2000 leitores semanais. Acho que está mesmo enganado. Se não está, agradeço a tantos que por aqui passam.

Comentários

sakiko wang disse…
Eu sou um dos números. Textos-vício. E tinha um bisavô chamado Silvério.

(com muita pena, à última da hora não pude ir ao Clube Literário, mas fico atenta ao livro)

beijo*
Francisco disse…
é um facto: passamos uma vida a encontrar-nos
jj disse…
Enganado? Para o bem e/ou para o mal, as máquinas não se enganam... ;)

Como gosto, também!, que me chamem 'menina'... :))))))))))))))))))

Bem, que o menino não vá por aí acima com esta coisa dos romances - não desfazendo, claro!, que ainda não li o 333 - e se esqueça da poesia - que li, leio e lerei, toda, sempre, enquanto me arderem (muito), as palavras (e pouco, os olhos). Ehee!

Jinhos.

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

O que é o progresso?, parte I

Vivemos melhor do que há cem anos? Do que há cinquenta, do que há vinte?
A resposta pode ser mensurável de diversos ângulos: se temos mais conforto físico, com casas mais confortáveis e tecnologia que nos ajuda a criar bem-estar, e tecnologia que nos ajuda a poupar tempo no dia-a-dia. Se temos transportes rápidos que nos permitem gozar melhor o tempo e aproveitá-lo completamente. Se debelámos doenças, e se temos um sistema de saúde que permite enfrentá-las melhor e com mais protecção. Penso que ninguém se oporia que nos últimos cinquenta, vinte, dez anos, temos melhorado neste aspecto. Que atingimos progresso. Mas depois se formos olhar o que pode ser viver melhor, o que é progresso, em outros ângulos, a resposta pode não ser a mesma. Temos mais progresso social no mundo? Um filho de um homem desempregado, analfabeto, que vive numa casa de zinco nos arrabaldes de Nairobi, da Cidade do México ou de Kuala Lumpur, ou até de Boston ou Londres, tem possibilidades de fazer um curso univers…