Avançar para o conteúdo principal

JUSTIÇA CÓMICA

No século XVII literário inglês, teve sucesso a figura da justiça cómica; segundo Wimsatt, «vícios inferiores e a loucura que os acompanhava eram castigados com desdenhoso ridículo». Temos em Portugal, anteriormente, uma tradição imbatível nos cancioneiros galaico-portugueses a partir deste filão.
O que não esperava o primeiro-ministro e o seu governo é que a justiça cómica se aplicasse neles, se voltasse contra eles, uma vingança cultural vinda directamente das mais fundas tradições portuguesas. Não porque o seu governo mostre «vícios inferiores», no mesmo sentido que à época vingavam. Mas porque, também graças à crise, o nosso sistema de valores está a ser corrigido, e já não consideramos «vícios inferiores» práticas particulares, mas atitudes públicas. Como a autoridade arrogante, ou a propaganda pura e simples num momento em que a crise dorme com todos os portugueses, dos ricos aos pobres - é uma das suas características e marca da sua seriedade, em termos de eficácia simbólica: é transversal.
O que se passou ontem com os alunos da Escola António Arroio é precisamente uma daquelas cenas que os adeptos da justiça cómica no século XVII adorariam: o primeiro-ministro e dois dos seus ministros mais emblemáticos, a irem inaugurar coisa nenhuma; verem o seu gesto destruído e devolvido ao seu verdadeiro valor de engano público, serem muito bem enxovalhados com adjectivação relativa mas rica em sound-byte simbólico, e a saírem pela porta pequena.
Já o episódio Maizena se voltara contra o feiticeiro, que pensava ter encontrado uma poção, perdão uma papa mágica para amenizar os efeitos de um cabeça de lista inquieto. A ironia saiu-lhe como o défice, galopante, e contra si mesmo, e fez a primeira cena de uma boa peça de justiça cómica: «castigado com desdenhoso ridículo» e até com uma campanha da referida papa a emergir da campanha propriamente dita. Nem em Roma (a Antiga, que esta nova também tem muito de justiça cómica: a queda de Berlusconi será pelo leito).
E depois, ó maravilha da justiça, até a Comissão Europeia a desfazer o Magalhães-que-deu-a-volta-ao-mundo-até-à-Venezuela, e a contestar esta medida tão estranha sem concurso.
Compatriotas, ânimo e coragem: o nosso primeiro-ministro vai cair com estrépito. Cada passo de propaganda vai custar-lhe o ridículo que o seu cuidado com a agenda e o marketing lhe impuseram. Vítima dos próprios actos, vai cair mais depressa que uma certa conta do PIB. E se há tradição de sátira política em Portugal, não vai haver tradição para uma queda tão monumental. «Castigado com desdenhoso ridículo»: fixemos: são palavras que se vão cumprir.

Comentários

Fixemos, pois.
Haja Esperança!!!!

Mensagens populares deste blogue

Até sempre

Caros leitores: não é uma decisão facilitista, não é uma decisão repentista. É uma decisão longa que vem de um lugar certeiro: eu não sei ser do meu tempo como o meu tempo quer que eu seja.

Há algo em mim fundamentalmente avesso à exposição pública, e mais, contra a rapidez e a omnipresença do mundo de hoje. Sabia isso antes, de longos passados, soube isso de novo quando passei cinco anos em manuscritos, reforcei absolutamente isso quando apresentei o meu romance despaís, sei isso hoje melhor, por penas e reflexão.

Há muito que vinha pensando nisto, e a realidade parecia confirmá-lo. Mas fui educado pensando que a progressão, e a luta contra obstáculos e dificuldades na minha própria personalidade é um progresso. O progresso do mundo que eu posso e devo começar a fazer, se quero criar progresso no mundo. Não seria eu que seria tímido, e com isso encostado à minha própria facilidade? Tentei combatê-lo, portanto. Da luta interior fazer escadas.

Percebo hoje que o meu caminho é outro. U…

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

Dezassete álbuns de 2017, parte I

Não é por nostalgia ou por me recusar à tecnologia que continuo a comprar CDs. Os motivos são inúmeros e merecem um outro "post". Mas para já, um argumento único, envelope desta selecção: não são uma realidade virtual recebida num écran, em que qualquer mecanismo tecnológico pode modificar as coordenadas do seu tempo; são saídos, impressos, gravados num objecto e distribuídos, são como a poesia, que é arte de fazer, mas também de concretizar o que não existia antes (como dizia Pierre-Jean Jouve).
Partilho dezassete albuns: os oito primeiros, saídos em 2017, reedições ou novidades  - feitos neste tempo por artistas de agora que procuram as raizes do antigo com as marcas do hoje. E estão aqui porque me marcaram neste tempo e serão por isso marcas do presente no futuro.
I. Last Leaf, The Danish String Quartet (ECM) Um som tão distante e antigo como uma floresta celta, onde o nosso sangue correu, ardeu e se levantou. Uma recordação de um lugar perdido bem longe no co…