Avançar para o conteúdo principal

OS EXCLUÍDOS E O SOLDADO

A tríade que agora se defronta nas eleições americanas representa os três estados do país. McCain é o herói do Vietname, da geração que perdeu uma guerra e muitos sonhos, pragmático nas recusas; uma geração que viveu todos os excessos e todos os contrários (tão interessante como a que sobreviveu à 1ª Guerra, a de Churchill: para ambos tudo estava por fazer, e tudo já se tinha perdido).
Hillary: a quota feminina, embora por um outro lado: pela mulher que não encontra no seu estatuto de mulher a sua força, mas que quer essa autonomia do feminino pela imitação do masculino. Mas não há dúvida que gerações de mulheres-casa, e de mulheres vencedoras nas suas carreiras se encontram nela. Há, sim, nela, um passado fascinante e pouco conhecido, que as biografias recentes mostraram: há 30 anos, esta advogada recém-formada estava no Texas, estado que agora ganhou, literalmente a perseguir os imigrantes mexicanos recém-legais e ilegais para lhes dar plena cidadania e os levar a votar. Nenhum Presidente como Clinton mais procurou apoiar as minorias e mudar os parâmetros da sua vida. Há, assim, um lado de inclusão dos excluídos que Hillary Clinton defende, e que não é conversa, mas unidade na sua vida.
Obama é um outro caso. É um candidato negro que não é um candidato afro-americano, pelas suas raízes quenianas de uma única geração nos EUA. Mas representa um traço de união entre várias exclusões (os novos americanos, os americanos recentes), o convívio com o Islão, os deserdados da política e da construção de um sonho colectivo. Obama já ganhou estas eleições pela energia de sonho e consciência que trouxe para milhares de americanos alheados da vida interna do país.
É interessante igualmente pensar que neste jogo de símbolos e resumos tão completos, os eleitores rejeitaram produtos híbridos que noutras ocasiões seriam ganhadores: Giuliani-o-republicano-quase-democrata-Nome-Verbo-11deSetembro, Romney-sou-mórmon-mas-olhem!-não-se-nota.
O que se joga é entre três símbolos da América: não já estratos económico-sociais diferentes, não já Norte vs. Sul vs. Midwest, não já Pró-Choice vs. Anti-Choice. Graças a Deus, nem o intelligent design esteve em discussão, apesar dos esforços do torquemada Huckabee. Mas entre três símbolos, resumidos e alicerçados na biografia de cada um dos candidatos, de três Américas diferentes na sua natureza e na sua concretização. E é entre essas três imagens de si, todas verdadeiras, que os americanos terão de escolher.

Comentários

alice disse…
boa tarde. gostava de lhe "oferecer" esta música:

http://moriae.imeem.com/music/zH5BFsac/lisa_gerrard_sailing_to_byzantium/

espero que goste. cumprimentos.

Mensagens populares deste blogue

Até sempre

Caros leitores: não é uma decisão facilitista, não é uma decisão repentista. É uma decisão longa que vem de um lugar certeiro: eu não sei ser do meu tempo como o meu tempo quer que eu seja.

Há algo em mim fundamentalmente avesso à exposição pública, e mais, contra a rapidez e a omnipresença do mundo de hoje. Sabia isso antes, de longos passados, soube isso de novo quando passei cinco anos em manuscritos, reforcei absolutamente isso quando apresentei o meu romance despaís, sei isso hoje melhor, por penas e reflexão.

Há muito que vinha pensando nisto, e a realidade parecia confirmá-lo. Mas fui educado pensando que a progressão, e a luta contra obstáculos e dificuldades na minha própria personalidade é um progresso. O progresso do mundo que eu posso e devo começar a fazer, se quero criar progresso no mundo. Não seria eu que seria tímido, e com isso encostado à minha própria facilidade? Tentei combatê-lo, portanto. Da luta interior fazer escadas.

Percebo hoje que o meu caminho é outro. U…

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

Dezassete álbuns de 2017, parte I

Não é por nostalgia ou por me recusar à tecnologia que continuo a comprar CDs. Os motivos são inúmeros e merecem um outro "post". Mas para já, um argumento único, envelope desta selecção: não são uma realidade virtual recebida num écran, em que qualquer mecanismo tecnológico pode modificar as coordenadas do seu tempo; são saídos, impressos, gravados num objecto e distribuídos, são como a poesia, que é arte de fazer, mas também de concretizar o que não existia antes (como dizia Pierre-Jean Jouve).
Partilho dezassete albuns: os oito primeiros, saídos em 2017, reedições ou novidades  - feitos neste tempo por artistas de agora que procuram as raizes do antigo com as marcas do hoje. E estão aqui porque me marcaram neste tempo e serão por isso marcas do presente no futuro.
I. Last Leaf, The Danish String Quartet (ECM) Um som tão distante e antigo como uma floresta celta, onde o nosso sangue correu, ardeu e se levantou. Uma recordação de um lugar perdido bem longe no co…