Avançar para o conteúdo principal

MUDAR A ESSÊNCIA OU A APARÊNCIA?

«Pelo meu lado, vejo pouca glória num império que governa as ondas mas é incapaz de limpar os seus esgotos.» A frase é de Churchill e refere-se aos americanos, num discurso célebre em Dezembro de 1901. Cai como uma luva no discurso do estado da nação proferido há dias por Bush, mas não são essas latitudes que interessam. As remodelações têm sempre esta questão: muda-se a essência ou a aparência?
O que esta remodelação deveria significar, seria a tentativa de renovar a relação de cada cidadão com o Estado. Há uma quebra de confiança brutal em que o Estado se tornou persecutório, não fiável, vigilante. Da administração fiscal devorante ao fecho de urgências, vários pilares e mesmo a arquitectura de um estado social e assente em conquistas do socialismo ficou tremida. Ninguém hoje dirá que confia no Estado; mas dirá que o teme. Voltamos aos índices de confiança na coisa pública e na sua gestão mais próximos de Luís XIV; e em que os níveis de confiança teriam sem dúvida apenas justificação pela substituição do poder discricionário do senhor medieval pelo do Rei.
O que esta remodelação implicaria, e por ser de tal modo limitada não o fará decerto, era rever políticas e refirmar claramente a confiança entre estado e cidadão. Explicar claramente em palavras e acções que a promoção da cultura é essencial para cada país europeu, e uma urgência na sociedade globalizada, onde cada cidadão se sente cada vez menos de uma nação e cada vez mais um membro de um todo genérico; e perceber que esta promoção da cultura implica muito mais gerir o comum através de parcerias e de uma aproximação do cidadão à sua tradição, mais do que legislativice inútil ou a eficaz gestão de um orçamento fantasma. Ou, por uma vez, decidir trabalhar o urgente (e economicamente fertilíssimo) papel do Português do mundo: o que não se faz decerto em Belém com a morte de um Museu e o nascimento de outro (se é que não abortou…).
Implica, também, mudar claramente o perfil à Sheriff de Nottingham da administração fiscal; explicar que há uma questão de mudança de paradigma e uma procura de equidade na colecta de impostos; e não permitir a deriva sangessugática da cobrança a todo o custo. E, na Saúde, quebrar um ciclo de destruição pela poupança que só fará crescer subsistemas de saúde laterais, errados, nocivos e absolutamente contrários ao princípio igualitário do sistema nacional de saúde.Só aí se mostrará que se pode governar as ondas do déficit, mas se é capaz de limpar os esgotos das próprias acções.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Até sempre

Caros leitores: não é uma decisão facilitista, não é uma decisão repentista. É uma decisão longa que vem de um lugar certeiro: eu não sei ser do meu tempo como o meu tempo quer que eu seja.

Há algo em mim fundamentalmente avesso à exposição pública, e mais, contra a rapidez e a omnipresença do mundo de hoje. Sabia isso antes, de longos passados, soube isso de novo quando passei cinco anos em manuscritos, reforcei absolutamente isso quando apresentei o meu romance despaís, sei isso hoje melhor, por penas e reflexão.

Há muito que vinha pensando nisto, e a realidade parecia confirmá-lo. Mas fui educado pensando que a progressão, e a luta contra obstáculos e dificuldades na minha própria personalidade é um progresso. O progresso do mundo que eu posso e devo começar a fazer, se quero criar progresso no mundo. Não seria eu que seria tímido, e com isso encostado à minha própria facilidade? Tentei combatê-lo, portanto. Da luta interior fazer escadas.

Percebo hoje que o meu caminho é outro. U…

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

Dezassete álbuns de 2017, parte I

Não é por nostalgia ou por me recusar à tecnologia que continuo a comprar CDs. Os motivos são inúmeros e merecem um outro "post". Mas para já, um argumento único, envelope desta selecção: não são uma realidade virtual recebida num écran, em que qualquer mecanismo tecnológico pode modificar as coordenadas do seu tempo; são saídos, impressos, gravados num objecto e distribuídos, são como a poesia, que é arte de fazer, mas também de concretizar o que não existia antes (como dizia Pierre-Jean Jouve).
Partilho dezassete albuns: os oito primeiros, saídos em 2017, reedições ou novidades  - feitos neste tempo por artistas de agora que procuram as raizes do antigo com as marcas do hoje. E estão aqui porque me marcaram neste tempo e serão por isso marcas do presente no futuro.
I. Last Leaf, The Danish String Quartet (ECM) Um som tão distante e antigo como uma floresta celta, onde o nosso sangue correu, ardeu e se levantou. Uma recordação de um lugar perdido bem longe no co…