Avançar para o conteúdo principal

JARDINS PARA O FIM DOS TEMPOS, I



Sinfonia nº 7 de Dvořák


London Symphony Orchestra, Carlo Maria Guilini (1977)
EMI Gemini 0946 3 0859 2 1 Stereo ADD

[Quando iniciámos este blogue, em Outubro, no texto inicial fixámos que todos os “posts” teriam em comum quererem ser crónicas e procurarem reflectir do estado da civilização. Essa é a nossa linha central, mas de vez em quando outras questões nos convocam. Começo aqui hoje uma série de crónicas sobre música, livros, filmes e séries que, embora se cruzem com o nosso tema central, fogem deste por vezes (e felizmente).]

Desde o primeiro encontro com este disco que nunca mais fui o mesmo. Não há um momento silencioso em mim em que esta música não surja, mais nítida e real do que se a ouvisse, misturando memórias de sons e o próprio lugar do meu rosto.

Ao princípio, uma melodia negra, sussurrada, quase um fantasma interior. Ganha forma, e sobe, e concretiza-se, como quando somos apenas um corpo movido por uma obsessão, rasgados para o fim.
E nunca se acalma: a mesma melodia negra começa e termina a sinfonia, correndo os quatro andamentos, fazendo aparições bruscas e assustadoras, como uma recordação violenta.
Esta música é o estado interior de um herói. Alamedas de sons desnudam paisagens incumpridas. E tempestuosamente não chegamos a ser; levantam-se actos de sede. Sonhos e conquistas, passado e futuro cruzam-se na mesma inquietação. Não descansa em si mesma. Se procura momentos de passagem, regressa como que para pedir as nossas próprias irrealizações, a nossa irrealidade, para se formar em braços e mergulhar-se de nós.
Foge-nos e devolve-nos, sistematicamente: o nosso destino é jogado como vagas sob um céu de pedra. Foge-nos de nós e foge de nós. E de repente somos apenas isso, durante a sua travessia de nós mesmos: um jardim onde havia, afinal, tantas sombras que não conhecíamos já; e entre elas, esculpido, o nosso peso em água.

A comparar interessantemente com o "live" do mesmo Giulini com a New Philarmonia de 1969 (BBC Legends), menos dramático. Aguardo porém, ansiosamente, que a Decca e a Mercury reeditem as gravuras de pânico desta sinfonia, dirigidas respectivamente por Pierre Monteux e Antal Dorati. Até lá, esta gravação de Giulini fala de uma nobreza interior imparável, como se o rosto de uma estátua se imprimisse na nossa vontade.

Comentários

Anónimo disse…
e assim se escreve de quando a música é poesia (e não o contrário).

Mensagens populares deste blogue

Crôuvicas de Bruxelas: O tempo belga

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

O que é o progresso?, parte I

Vivemos melhor do que há cem anos? Do que há cinquenta, do que há vinte?
A resposta pode ser mensurável de diversos ângulos: se temos mais conforto físico, com casas mais confortáveis e tecnologia que nos ajuda a criar bem-estar, e tecnologia que nos ajuda a poupar tempo no dia-a-dia. Se temos transportes rápidos que nos permitem gozar melhor o tempo e aproveitá-lo completamente. Se debelámos doenças, e se temos um sistema de saúde que permite enfrentá-las melhor e com mais protecção. Penso que ninguém se oporia que nos últimos cinquenta, vinte, dez anos, temos melhorado neste aspecto. Que atingimos progresso. Mas depois se formos olhar o que pode ser viver melhor, o que é progresso, em outros ângulos, a resposta pode não ser a mesma. Temos mais progresso social no mundo? Um filho de um homem desempregado, analfabeto, que vive numa casa de zinco nos arrabaldes de Nairobi, da Cidade do México ou de Kuala Lumpur, ou até de Boston ou Londres, tem possibilidades de fazer um curso univers…