Avançar para o conteúdo principal

JARDINS PARA O FIM DOS TEMPOS, I



Sinfonia nº 7 de Dvořák


London Symphony Orchestra, Carlo Maria Guilini (1977)
EMI Gemini 0946 3 0859 2 1 Stereo ADD

[Quando iniciámos este blogue, em Outubro, no texto inicial fixámos que todos os “posts” teriam em comum quererem ser crónicas e procurarem reflectir do estado da civilização. Essa é a nossa linha central, mas de vez em quando outras questões nos convocam. Começo aqui hoje uma série de crónicas sobre música, livros, filmes e séries que, embora se cruzem com o nosso tema central, fogem deste por vezes (e felizmente).]

Desde o primeiro encontro com este disco que nunca mais fui o mesmo. Não há um momento silencioso em mim em que esta música não surja, mais nítida e real do que se a ouvisse, misturando memórias de sons e o próprio lugar do meu rosto.

Ao princípio, uma melodia negra, sussurrada, quase um fantasma interior. Ganha forma, e sobe, e concretiza-se, como quando somos apenas um corpo movido por uma obsessão, rasgados para o fim.
E nunca se acalma: a mesma melodia negra começa e termina a sinfonia, correndo os quatro andamentos, fazendo aparições bruscas e assustadoras, como uma recordação violenta.
Esta música é o estado interior de um herói. Alamedas de sons desnudam paisagens incumpridas. E tempestuosamente não chegamos a ser; levantam-se actos de sede. Sonhos e conquistas, passado e futuro cruzam-se na mesma inquietação. Não descansa em si mesma. Se procura momentos de passagem, regressa como que para pedir as nossas próprias irrealizações, a nossa irrealidade, para se formar em braços e mergulhar-se de nós.
Foge-nos e devolve-nos, sistematicamente: o nosso destino é jogado como vagas sob um céu de pedra. Foge-nos de nós e foge de nós. E de repente somos apenas isso, durante a sua travessia de nós mesmos: um jardim onde havia, afinal, tantas sombras que não conhecíamos já; e entre elas, esculpido, o nosso peso em água.

A comparar interessantemente com o "live" do mesmo Giulini com a New Philarmonia de 1969 (BBC Legends), menos dramático. Aguardo porém, ansiosamente, que a Decca e a Mercury reeditem as gravuras de pânico desta sinfonia, dirigidas respectivamente por Pierre Monteux e Antal Dorati. Até lá, esta gravação de Giulini fala de uma nobreza interior imparável, como se o rosto de uma estátua se imprimisse na nossa vontade.

Comentários

alice disse…
e assim se escreve de quando a música é poesia (e não o contrário).

Mensagens populares deste blogue

Até sempre

Caros leitores: não é uma decisão facilitista, não é uma decisão repentista. É uma decisão longa que vem de um lugar certeiro: eu não sei ser do meu tempo como o meu tempo quer que eu seja.

Há algo em mim fundamentalmente avesso à exposição pública, e mais, contra a rapidez e a omnipresença do mundo de hoje. Sabia isso antes, de longos passados, soube isso de novo quando passei cinco anos em manuscritos, reforcei absolutamente isso quando apresentei o meu romance despaís, sei isso hoje melhor, por penas e reflexão.

Há muito que vinha pensando nisto, e a realidade parecia confirmá-lo. Mas fui educado pensando que a progressão, e a luta contra obstáculos e dificuldades na minha própria personalidade é um progresso. O progresso do mundo que eu posso e devo começar a fazer, se quero criar progresso no mundo. Não seria eu que seria tímido, e com isso encostado à minha própria facilidade? Tentei combatê-lo, portanto. Da luta interior fazer escadas.

Percebo hoje que o meu caminho é outro. U…

O regresso regressa

O regresso do regresso: não apenas voltar, não apenas algo ou alguém que faz um caminho de volta, casa que se encontra não tanto como se deixou, assim tocada pelo coração duplo da memória mas também da diferença; não apenas o caminho de volta, mas uma viagem mais ampla. Como que, regressando, está a acontecer uma outra viagem para além do retorno: que tudo que partiu pode voltar de novo, de uma forma dupla. Não apenas voltar aonde se esteve, ou receber de volta o que se perdeu: mas com a emoção múltipla e desdobrante da descoberta. Talvez seja dos 40, talvez seja de ser emigrante, talvez seja por acreditar e acontecer-me em cada Dezembro que um menino nasça directamente onde pensava que a esperança tinha morrido. Mas agradeço esta descoberta que não esperava da vida.
O "Crónicas de Bizâncio" estará de volta, pelo menos durante 2018. Sempre à Quarta-feira e ao Domingo, um texto mais longo e outro mais curto. Como aconteceu comigo, espero que regressem a estes regressos.

Dezassete álbuns de 2017, parte I

Não é por nostalgia ou por me recusar à tecnologia que continuo a comprar CDs. Os motivos são inúmeros e merecem um outro "post". Mas para já, um argumento único, envelope desta selecção: não são uma realidade virtual recebida num écran, em que qualquer mecanismo tecnológico pode modificar as coordenadas do seu tempo; são saídos, impressos, gravados num objecto e distribuídos, são como a poesia, que é arte de fazer, mas também de concretizar o que não existia antes (como dizia Pierre-Jean Jouve).
Partilho dezassete albuns: os oito primeiros, saídos em 2017, reedições ou novidades  - feitos neste tempo por artistas de agora que procuram as raizes do antigo com as marcas do hoje. E estão aqui porque me marcaram neste tempo e serão por isso marcas do presente no futuro.
I. Last Leaf, The Danish String Quartet (ECM) Um som tão distante e antigo como uma floresta celta, onde o nosso sangue correu, ardeu e se levantou. Uma recordação de um lugar perdido bem longe no co…